A armadilha afegã para Trump: você não pode sair!

© AFP 2019 / WAKIL KOHSAR

Donald Trump disse que as negociações dos EUA com o Taleban estão mortas!

“Não será possível comigo”, disse o presidente americano. Ele acrescentou que seu país tem os recursos “nucleares” para derrotar o Talibã, mas elas não serão utilizadas, pois isso levaria à morte de “milhões e milhões de pessoas”.

O Afeganistão se tornou um atoleiro onde até a superpotência mais poderosa está atolada irremediavelmente até o pescoço. Nos próprios Estados Unidos, a manchete planejada por Trump nestes últimos dias não saiu nas primeiras páginas da mídia – e não sem razão: O triunfo de Trump se transformou em um enorme fracasso.

No domingo (8), na residência presidencial de Camp David, Trump deveria acontecer negociações secretas, com representantes do Taliban e do presidente do Afeganistão oficial, Ashraf Ghani, por iniciativa pessoal de Trump. Deveriam assinar um acordo de paz entre os Estados Unidos e o Talibã, como resultado do qual Washington teria a oportunidade de finalmente retirar as tropas do país.

No entanto, apenas algumas horas antes do evento, Trump cancelou tudo. Ele citou o ataque terrorista que ocorreu em Cabul em 5 de setembro como o motivo. 12 pessoas foram mortas, incluindo um soldado dos EUA – o Taleban assumiu a responsabilidade pela explosão.

Segundo o The Washington Post, o verdadeiro pano de fundo para o fracasso dos acordos é uma contradição dentro do governo Trump, e especificamente entre o secretário de Estado Mike Pompeo, um defensor do acordo, e o falcão John Bolton, que se opunha categoricamente a qualquer acordo com terroristas. A queda de braço entre as duas alas terminou na segunda (9) com a demissão de Bolton do cargo de consultor do presidente em questões de segurança nacional.

A justificativa de Trump para suspender as negociações não faz o menor sentido. Em quase um ano das negociações com o Taliban, outros americanos morreram no Afeganistão, mas isso não fez com que a Casa Branca se recusasse a interagir com o movimento terrorista.

Ao mesmo tempo, não se pode deixar de reconhecer ao instinto político de Trump, que não deu um passo decisivo, que pode ser extremamente prejudicial para sua carreira à luz das eleições que se aproximam rapidamente. Mesmo na situação atual, ele estava sendo criticado pela própria ideia de convidar o Talibã para Camp David.

A deputada Liz Cheney, cujo pai foi vice-presidente dos EUA durante o ataque terrorista de 11 de setembro de 2001, disse: “Nenhum membro do Taliban deve sequer por os pés lá. Nunca”. E dado o fato de que os eventos estão ocorrendo logo no décimo oitavo aniversário do ataque terrorista, que foi o motivo da entrada de tropas americanas no Afeganistão, o atual mandatário da Casa Branca no último momento evitou problemas muito sérios.

É verdade que a solução para o problema de como os Estados Unidos deve deixar o Afeganistão o mais rápido possível e com perdas mínimas agora que as negociações foram paralizadas, parece extremamente nebulosa.

De fato, os Estados Unidos caíram em uma armadilha em que não há oportunidade de vencer por meios militares:

– o status quo é muito caro, retirando enormes quantias de dinheiro (cerca de 740 bilhões de dólares desde 2001), sem mencionar outras perdas, incluindo perdas humanas;

– a sociedade está irritada com a prolongada campanha militar e seu fim formal em 2014 não convenceu ninguém.

Embora sobre este último, faça sentido admirar bastante a eficácia do sistema americano, no qual, após quase duas décadas de operações inconclusivas e dispendiosas envolvendo a morte de milhares de cidadãos dos EUA (quase 2,5 mil apenas militares, dados sobre funcionários e outros civis são desconhecidos), a sociedade está apenas resmungando silenciosamente com descontentamento.

A opção de “cortar até nos ossos”, deixando tudo para trás e apenas saindo, é inaceitável para Washington, porque os custos serão muito piores que a situação atual. E não importa que Trump sinceramente queira tirar seu país da aventura em que outras pessoas muito diferentes o conduziram há muito tempo.

A questão não é apenas que a partida dos americanos acontecerá cedo ou tarde e alguém a considerará isso uma derrota. No final, com o desejo e a disponibilidade de recursos adequados de propaganda, qualquer perda pode ser retratada como um triunfo, e mesmo os EUA têm uma experiência especialmente extensa nessa área.

A questão é outra: o fracasso dos EUA terá consequências muito sérias na região.

Praticamente ninguém duvida que, quando os americanos partirem, a queda das atuais autoridades afegãs se tornará inevitável, e o Taleban se tornará novamente o poder soberano do país.

É por isso que os Estados Unidos não podem deixar Cabul por conta própria: não porque haja um certo senso de dever, mas porque o colapso das autoridades afegãs sob os ataques do Taliban se tornará uma evidência clara de fraqueza – tanto geopolítico quanto militar, e econômico dos EUA.

Fonte: RIA Novosti

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + 11 =