A avaliação da Operação Militar Especial na Ucrânia de uma perspectiva marxista

cccp-donbass

A primeira nuance importante na avaliação da situação é que a base do imperialismo corresponde à superestrutura do imperialismo, cuja ideologia é o fascismo.

A força cumulativa do imperialismo deste ou daquele agrupamento de oligarcas e dos Estados sob o seu controle é proporcional ao grau da sua natureza reacionária. Em contraste com a era da Primeira Guerra Mundial, as contradições do imperialismo moderno não são uma luta entre dois blocos de igual potencial. O mercado mundial já está sob o controle do imperialismo dos EUA e as oligarquias de outras nações estão a tentar libertar-se do diktat de Washington. Por outras palavras, já vivemos num mundo de fascismo americano vitorioso, mesmo que o seu véu terminológico gire em torno das doutrinas do neoliberalismo e da globalização. A situação com os regimes políticos da Ucrânia, do Báltico, Polónia, Taiwan, Japão, Kosovo e afins mostra como a democracia americana se transforma no terreno facilmente em nacionalismo e apoio a gangues fascistas quando convém aos patronos de Washington.

Além disso, o imperialismo americano (EUA, Inglaterra, Canadá, Austrália, Israel, Japão, Polónia, o Báltico e outros regimes abertamente pró-americanos) não é igual ao imperialismo da UE (França, Alemanha), ao imperialismo turco, ao imperialismo indiano ou russo. Relacionam-se uns com os outros como fortes ou fracos, bloqueiam-se mutuamente, competem entre si, entram em confrontos abertos a nível regional.

Assim, o fascismo como ideologia e prática da aspiração do capital financeiro de uma nação à dominação mundial é inerente em todos os países burgueses, mas em grau diferente, dependendo da força e proporção dos potenciais das classes burguesas dominantes neles. Os países em que o capital nacional, devido à sua dimensão e total subordinação ao mercado mundial, não consegue atingir o nível de monopolização financeira, tornam-se a arena de luta do capital financeiro estrangeiro e caem na dependência política.

Assim, o fascismo ucraniano – o banderaismo – com todos os seus bandos, o nacionalismo e o terror não é um elemento da superestrutura do capitalismo ucraniano, mas do imperialismo americano. Os oligarcas ucranianos não são capazes de reivindicar o domínio mundial, mas são meros chicoteadores de corporações americanas, compradores típicos, a quem é permitido existir e enriquecer-se por enquanto.

Uma segunda nuance importante na avaliação da situação é a compreensão resultante da natureza objetiva da luta de classes interimperialista. Do fato de o imperialismo americano = fascismo não seguir uma aprovação incondicional da luta contra ele, porque é levado a cabo por uma força imperialista também, embora mais fraca e menos reacionária a este respeito.

Os comunistas consideram a guerra na Ucrânia como uma realidade objetiva do capitalismo. Como já foi dito, o capitalismo é, em geral, uma guerra de todos contra todos, e a guerra concreta é apenas uma forma aberta e evidente desta guerra. Ou seja, sob o capitalismo, a guerra é uma espécie de catástrofe natural, é inevitável, porque esta é a própria base do capitalismo, que gera permanentemente conflitos militares aqui e ali.

O fascismo dos EUA e do Ocidente em geral é uma superestrutura ao serviço da base imperialista. A luta da Federação Russa burguesa por esferas de influência com o Ocidente é uma disputa entre os dois imperialistas, que, a rigor, o proletariado não quer saber, uma vez que o enfraquecimento de uma leva ao fortalecimento da outra com todas as consequências daí resultantes na superestrutura.

O grosso das pessoas com consciência burguesa está fixado em Putin, no seu papel pessoal na guerra ou, na melhor das hipóteses, no fato de não ser a Ucrânia mas os países da Otan que estão em guerra com a Federação Russa. Os homens de negócios da Federação Russa estão bem na Crimeia e não serão “sufocados” pelos territórios do LDPR e da Ucrânia se a guerra terminar na sua vitória. E os capitalistas polacos terão todo o prazer em enviar as suas tropas para a Galícia para desenvolverem entusiasticamente a região de Lvov.

A guerra atual na Ucrânia foi iniciada por presidentes, mas principalmente por presidentes americanos, como no Vietnam, Jugoslávia, Sudão, Líbia, Afeganistão, Iraque, Síria…, à vontade do pelotão mais agressivo da classe empresarial. Antes de 2014 não havia uma única indicação, nem uma única tese, de que Putin pessoalmente, muito menos a Federação Russa, tivesse reivindicações territoriais contra a Geórgia, o Cazaquistão, os Países Bálticos ou a Ucrânia. Pelo contrário, foram sistematicamente feitos apelos: pessoal, vamos viver amigavelmente na CEI e CSTO.

Embora o regime russo seja agora mais suave e mais leal do que o da Ucrânia e do Ocidente, a base imperialista garante que à medida que a oligarquia russa se torna mais poderosa, o focinho do mesmo fascismo tornar-se-á cada vez mais aparente. Os proletários russos e ucranianos, que tiveram a sua quota-parte de guerra e sofrimento, devem compreender que a força que os empurrou para as trincheiras é capital. Grupos de capital financeiro, jogando “monopólio de mesa” com a vida de proletários comuns de diferentes nações.

Existe, contudo, um momento progressivo na luta de todas as forças contra o imperialismo dominante dos EUA (mesmo no fluxo da oligarquia da França, Alemanha, Turquia, Índia, a oposição do regime ayatollah do Irã e a luta armada dos Talibãs, Hezbollah, Hamas). O enfraquecimento da hegemonia dos EUA e da Otan joga a favor dos Estados socialistas, dos países de orientação socialista e de todas as forças anti-imperialistas em diferentes regiões. A perda da hegemonia dos EUA pelos oligarcas cria uma configuração mais favorável no mundo. Neste e só neste contexto se pode falar de uma atitude simpática em relação ao “antiamericanismo”, bem como em relação aos processos políticos internos dos países ocidentais que minam o potencial do imperialismo americano e, em alguns casos, europeu.

Uma terceira nuance importante na avaliação da situação é a implementação prática da tese do marxismo de apoiar qualquer luta justa do povo, porque um povo em luta está mais disposto e mais capaz de aprender com tal luta, incluindo o comunismo. A luta do povo de Donbass para ser independente ou mesmo parte da Federação Russa burguesa e não da Ucrânia banderita é justa e libertadora. Exige a nossa simpatia incondicional.

É difícil dizer algo definitivo sobre a posição do povo de Kherson ou Zaporizhzhya neste momento, por isso a inclusão de Zaporizhzhya e Kherson na Federação Russa deve ser tratada simplesmente como um fato político. Em qualquer caso, em primeiro lugar, não há qualquer indicação de que a população da Ucrânia perceba a guerra como doméstica, e em segundo lugar, não há qualquer lealdade quer ao regime pró-americano de Kiev, quer ao governo burguês russo. O marxismo ensina que todos os países, numa base de mercado e com uma ideologia de mercado, gravitam para a desagregação e redistribuição das fronteiras.

A quarta nuance importante na avaliação da situação é a atitude indubitavelmente positiva dos comunistas em relação ao extermínio físico dos fascistas de fileira pelos exércitos da Federação Russa e do LDNR. São sujeitos incorrigíveis que serão os primeiros a levantar-se para a luta armada contra o comunismo e os primeiros a desencadear o terror contra a classe trabalhadora. A justa ira do povo contra os crimes dos bandos fascistas na Ucrânia é digna de todo o apoio.

Ao mesmo tempo, quando nacionalistas e chauvinistas russos, que pegaram em armas para construir um “mundo russo”, são mortos nas fileiras dos “aliados”, também é difícil perceber isto não como uma limpeza do nosso povo da podridão.

Uma quinta nuance importante na avaliação da situação é a presença de referências nostálgico-emocionais dos combatentes russos e do LDNR à URSS e a exigência de justiça social como motivo de guerra. Isto cria condições favoráveis à propaganda do comunismo e à injeção da consciência marxista nas massas, tanto na frente como em casa. A tarefa tática da nossa propaganda é desviar a atenção da forma externa, de uma atitude emocional para a essência dos processos políticos.

Resumindo, deve ser notado o seguinte.

Em primeiro lugar, as causas desta guerra particular, que se assemelha bastante a uma espécie de movimento de libertação nacional contra o regime pró-fascista e pró-americano, devem ser atribuídas a todos os cem anos da história imediata da luta de classes após o fim da guerra civil na Rússia soviética.

Em segundo lugar, a resposta à questão de saber se a guerra atual é de carácter puramente imperialista tem de ser procurada não através de analogias históricas mas numa diatribe.

Os comunistas no seu trabalho de autoridade científica e teórica entre os proletários do trabalho mental e físico deveriam ser capazes de demonstrar uma abordagem diatómica ao estudo dos acontecimentos e da perspectiva da essência “dissecá-los” em todas as “cores e cores”, tonalidades e subtons, em vez de demonstrar um esquema revolucionismo, como muitos esquerdistas fazem hoje. Apoiamos de todo o coração apenas a luta do povo de Donbass contra o fascismo americano e o  banderaismo local e não pretendemos de forma alguma impedir a liderança russa de lhes prestar uma assistência abrangente.

As clássicas guerras imperialistas, tal como registadas pelos clássicos, não tinham praticamente nenhum subtexto – os imperialistas lutaram abertamente pela redistribuição dos bens coloniais: a guerra dos EUA com Espanha, a Primeira Guerra Mundial, a Segunda Guerra Mundial até 1941. Mas já a Segunda Guerra Mundial não pode ser chamada inequivocamente imperialista se se pretende a sua transformação em 1941. Nessas guerras anteriores a 1941, a estúpida forragem de canhão ocidental fez o que lhes foi mandado pelos oligarcas.

Se dissermos que, de fato, o conflito armado na Ucrânia foi travado por dois sistemas de mercado do mesmo tipo, com o grande capital nacional, os oligarcas, a desempenhar o papel principal, então sim, esta guerra tem muitas características imperialistas. Em termos de declarações oficiais, a liderança russa tentou implementar os acordos de Minsk, ao abrigo dos quais a Ucrânia manteve a sua soberania e o território do LNRD (ou seja, perdia apenas a Crimeia). Mas isto não fazia parte dos planos dos EUA. Por parte dos bilionários e democratas americanos, esta guerra é de fato claramente imperialista, e se a economia ucraniana e de toda a Europa entrar em colapso em consequência de sanções ou da explosão da central nuclear de Zaporizhzhia, este seria um resultado aceitável para os oligarcas americanos.

O tipo de política seguida pela atual liderança russa em relação, por exemplo, à Ossétia do Sul, Abcásia ou Síria, prova que até agora o governo Putin já não tem intenção de prosseguir uma política semelhante à tirania sangrenta da Inglaterra, França, Espanha, Portugal, Bélgica nas suas colónias ou à política dos EUA em relação à Coreia do Norte, Vietnam, Jugoslávia, Afeganistão, Iraque, Líbia e Síria.

E se procedermos a partir do facto da abundância de manifestações de bandeiras vermelhas pelos combatentes do LDNR e da mentalidade das massas, é evidente que as pessoas percebem as hostilidades de forma algo diferente do que no início do século XX. Embora na Primeira Guerra Mundial os soldados russos tenham entrado em guerra com os alemães para proteger os seus irmãos sérvios, antes de 1917 não se falava de bandeira vermelha nem de transformar a guerra imperialista numa guerra civil nas trincheiras. E no nosso caso, há oito anos que o povo de Donbass tem vindo a travar uma luta de libertação predominantemente popular com o mínimo apoio material e moral da Federação Russa burguesa, embora com baixas misteriosas entre os líderes esquerdistas e esquerdistas do LDNR – o que também se enquadra plenamente nas leis da luta de classes.

Por isso:

1) A guerra é um produto do capitalismo, é uma política natural e orgânica da classe empresarial – uma realidade objetiva do capitalismo e a destruição contrarrevolucionária da URSS;

2) O conflito ucraniano da parte do Ocidente é de natureza puramente imperialista;

3) o imperialismo da Federação Russa também está presente, mas até agora limitado às especificidades do regime Bonapartista;

4) a luta do povo de Donbass é justa, e o colapso do regime de Kiev e o enfraquecimento do imperialismo americano na região é progressivo.

Vale a pena notar que o artigo não revela a posição dos esquerdistas que se solidarizaram com o regime nazi em Kiev e estão na realidade a jogar do lado do imperialismo norte-americano que procura derrotar a Rússia e destruir as repúblicas de Donbass. Tal posição existia em 2014 sob a forma de “esquerdistas para a Euromaidan”, e ainda existe agora. No entanto, a maioria da esquerda é mais solidária com as teses sobre a necessidade de apoiar Donbass e lutar contra o Banderaismo, do que com os apelos para alcançar a vitória do Banderaismo e dos EUA.

Fonte: teletype

Related Posts
Explicando a política de Lênin e as ações de Putin na Ucrânia
fotos

O que Putin está fazendo é combater a violação da autodeterminação da Rússia. Ao expulsar a OTAN da Ucrânia, ele [...]

Soberania para todos. Neocolonialismo e a luta contra ele
fotos

Uma falha significativa no sistema econômico mundial criado após o colapso da URSS e da comunidade socialista é a extrema [...]

A prisão de Bolsonaro está próxima?
fotos

A prisão do ex-presidente Bolsonaro será a próxima? Essa é uma pergunta que muitos brasileiros fazem atualmente. Com tantas polêmicas [...]

Do Rio ao Mar (Vermelho): Por que os EUA estão formando uma nova força-tarefa naval
fotos

O Iêmen abalou a trajetória da guerra de Israel em Gaza ao atacar navios a caminho do estado de ocupação. [...]

O jogo de roleta russa de Netanyahu
fotos

Com a diminuição dos ganhos estratégicos da guerra de Israel em Gaza e as ameaças internas e externas ao seu [...]

Dirigentes do picadeiro e outros males neoliberais
fotos

Tanto para circo quanto para treinamento de equinos, o neoliberalismo proporcionou nova safra de dirigentes que, fora da sucessão hereditária, [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!