A Caravana da Morte no Chile: O início da era do terror

O dia 30 de setembro marca o 48º aniversário do início de uma das operações mais mortíferas da ditadura de Augusto Pinochet no Chile, a Caravana da Morte

ditadura
Milhares de vítimas sofreram assassinatos, torturadas ou foram submetidas a desaparecimentos durante a ditadura de Pinochet. | Foto: RT

O século 20 teve tempos sombrios para vários países latino-americanos, onde se estabeleceram ditaduras militares que extinguiram a vida de milhares de pessoas sem misericórdia, sem culpa ou consciência. Uma dessas nações foi o Chile, quando em 1973 o retorno da democracia foi impedido para inaugurar a era do terror.

O governo democrático de Salvador Allende, eleito em 1970 pela maioria dos votos, foi derrubado em apenas 24 horas e em seu lugar foi instalada uma das ditaduras militares mais mortíferas da história, em 11 de setembro de 1973, chefiada pelo general Augusto Pinochet.

Pinochet já gozava de certo prestígio na esfera militar chilena e capitalizou – desde a chegada de Allende ao poder – o mal-estar que o avanço da esquerda e as nacionalizações generalizadas geraram nos setores conservadores do exército e da sociedade.

Com o estabelecimento da junta militar, o sistema simbólico-cultural que na democracia deu sentido à sociedade chilena foi fraturado, mas pior ainda, deu-se início a uma das mais lascivas operações contra os direitos humanos documentadas na história recente do continente americano: A Caravana da Morte.

O que foi a Caravana da Morte?

O golpe de estado ocorreu em 11 de setembro de 1973, e em 30 de setembro de 1973, Pinochet deu início ao que a história registra como a Caravana da Morte, uma procissão que percorria o Chile de norte a sul, fazendo uma espécie de “limpeza” que deixou um rastro de assassinatos, torturas e desaparecimentos, muitos deles ainda envoltos em uma nebulosa até hoje.

A medida não foi de todo surpreendente, já que apenas uma semana depois de perpetrar o golpe militar, Pinochet alertou seus oponentes que “não haverá misericórdia para os extremistas”, embora naquela época as dimensões que a crueldade da ditadura assumisse não fossem suspeitas.

Não foi o próprio ditador que se encarregou da operação, o trabalho sujo caiu nas mãos do general Sergio Arellano Stark. Sua missão era “padronizar os critérios de administração da justiça e agilizar os processos” dos presos políticos.

Para isso, Pinochet o nomeou Vice-Oficial do Comandante-em-Chefe do Exército e Presidente do Conselho de Administração, conferindo-lhe autoridade suficiente para agir em seu nome.

A ação que começou a bordo de um helicóptero militar, percorreu inicialmente cidades localizadas ao sul de Santiago, entre Rancagua e Puerto Montt, e continuou no dia 16 de outubro pelo norte do país, entre Arica e La Serena, para terminar o dia 22 com equilíbrio de pelo menos 72 vítimas.

Os presos, muitos dos quais já condenados à prisão pelos conselhos de guerra, foram executados ao passarem por Cauquenes, La Serena, Copiapó, Antofagasta e Calama. A comitiva os removeu das prisões locais e os transferiu para regimentos ou em torno dessas cidades para assassiná-los.

Falou-se que muitas execuções foram justificadas como alegadas “tentativas de fuga”.

Os testemunhos de vítimas e perpetradores podem ser perturbadores. Uma delas é a do general reformado Joaquín Lagos, chefe militar das cidades onde funcionava a missão militar, que revelou há alguns anos como as vítimas do pelotão de fuzis foram despedaçadas: “foram fuzilados ‘à parte’ (.. .). Primeiro as pernas, depois os órgãos sexuais, depois o coração (…). Não houve nem mesmo um golpe de misericórdia ”.

Os números são alarmantes: cerca de 3.200 pessoas morreram nas mãos da ditadura, das quais 1.1192 ainda estão reportadas como detidas ou desaparecidas; mais de 28 mil oponentes foram torturados; e cerca de 300.000 tiveram que ir para o exílio por razões políticas.

Fonte: telesur

Related Posts
O que a ciência brasileira perdeu com a repressão durante a ditadura?
fotos

Professores e pesquisadores sofreram prisões, demissões, aposentadorias, censura de publicações, cancelamento de bolsas e de contratações

Militarização e violência revelam uma “transição inacabada” no Brasil, diz pesquisado
fotos

A história mostra que a parceria entre militares e Centrão triunfa na política. Há quem não saiba que em plena [...]

Torturas e listas sujas: como a Mannesmann aliou-se à ditadura para reprimir trabalhadores
fotos

“As fábricas foram ocupadas pela polícia da ditadura e aqui na Mannesmann houve tiros, emboscada e bombas, na madrugada de [...]

Abuso sexual, tortura e demissões arbitrárias, o papel da Belgo-Mineira na ditadura
fotos

João Monlevade era o nome do dono de uma fazenda na cidade de Rio Piracicaba, Minas Gerais, localizada a 115 [...]

Os registros inéditos do SNI que espionou mais de 300 mil brasileiros na ditadura
fotos

Nos primeiros dias de março de 1985, pouco antes de José Sarney assumir a Presidência da República, o temido Serviço [...]

Quando a história chega a ser escabrosa
fotos

Somos governados por pessoas desprezíveis que transformaram a política numa teia de mentiras, viciou a democracia, joga com as vidas [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!