A criação artificial da escassez: o caso das vacinas

escassez

por Juan Torres López 

O falecido economista e professor da Universidade de Salamanca David Anisi escreveu em 1995 um livro intitulado Criadores da escassez. Do bem-estar ao medo (Editorial Alliance). Nele explica que, ao contrário do que se pensava, não foi a crise ocorrida a partir dos anos 70 que obrigou a questionar o Estado Providência, mas sim o contrário: o questionamento deste deu origem à crise.

Como Anisi explicou, “chegou a hora de disciplinar os trabalhadores. E assim foi feito. “

Para isso, sempre foi utilizada a forma mais eficaz, gerando desemprego. Quem não tem renda e meios de vida não tem escolha a não ser aceitar o que for preciso para progredir e assim se torna um ser pessoal, mental e socialmente frágil, facilmente manipulado e disciplinado.

Para provocar deliberadamente o desemprego que disciplinava as classes trabalhadoras, foram aplicadas políticas baseadas na criação artificial da escassez, aumentando as taxas de juros (que desaceleravam o investimento produtivo, mas ao mesmo tempo enriqueciam os detentores de dinheiro), reduzindo os salários (o que reduzia o consumo, mas aumentava o lucros de grandes empresas que têm mercados cativos) e causando déficits públicos e muita dívida (desacelerando a economia, mas aumentando os negócios do capital financeiro).

O efeito dessas políticas é o mesmo que pressionar constantemente os freios de um veículo: a velocidade de cruzeiro diminui, muito mais energia é usada e o maquinário como um todo se deteriora. Em uma economia, a consequência é que a taxa de crescimento da atividade econômica diminui e o desemprego aumenta. Dois efeitos que se agravam quando tudo isso acontece, como aconteceu nas décadas de oitenta e noventa do século passado, em plena revolução tecnológica. Quando isso ocorre, a produtividade aumenta e se esse aumento não for acompanhado por redução da jornada de trabalho e políticas expansionistas de gastos, o efeito da desaceleração é muito maior.

É isso que as políticas neoliberais vêm provocando e por isso dizemos que elas criam escassez artificialmente. Eles destroem toda a economia e diminuem a oferta de bens e serviços, mas beneficiam muito, como já disse, os donos do capital financeiro (que ficam mais ricos quanto maior a dívida) e as grandes empresas que dominam os mercados e têm clientes cativos. ou uma grande massa de liquidez com a qual se enriquecem nos mercados financeiros.

Pode parecer que a tese que acabo de expor seja demasiado perversa para ser verdade mas, se não acreditam, leiam o que escreveu na página 183 do seu livro El final de la edad dorada (Ed. Taurus, 1996) aquele que foi um poderoso ministro da Economia de Felipe González, Carlos Solchaga: “A redução do desemprego, longe de ser uma estratégia da qual todos sairiam beneficiados, é uma decisão que se fosse executada poderia acarretar prejuízos a muitos grupos de interesses e a alguns grupos de opinião pública”. Não se pode reconhecer mais explícita e claramente.

Na verdade, o capitalismo de nossos dias é um criador artificial da escassez e uma manifestação sangrenta dela que estamos contemplando no momento, no caso das vacinas.

Quando a pandemia se espalhou, as autoridades mundiais reconheceram o elementar e lógico: seu remédio não poderia ser outro que uma vacinação massiva e muito rápida da maioria da população mundial.

O presidente da Comissão Europeia exigiu que as vacinas se tornassem um bem público porque “a União Europeia havia investido muitos bilhões no desenvolvimento das primeiras”. O Fundo Monetário Internacional pediu em seu relatório de janeiro passado uma “distribuição universal de vacinas … a preços acessíveis para todos” …

Porém, não é o que está acontecendo, muito pelo contrário: os governos dos países ricos recusam que as vacinas possam ser produzidas em massa e distribuídas a preços acessíveis em todos os países do mundo, o que seria essencial para acabar com a pandemia. A escassez continua a criar-se, embora agora não seja para disciplinar as classes trabalhadoras, mas para salvaguardar o lucro e o poder das grandes empresas farmacêuticas, cuja natureza e estratégia escreveu há poucos dias nestas mesmas páginas ( aqui ) o professor Vicenç Navarro .

Para desenvolver vacinas para distribuição universal, a pedido do FMI, é necessária a colaboração de cientistas e produtores de todo o planeta, mas isso só é possível se os conhecimentos e as técnicas que as tornam possíveis forem disponibilizados a todos eles, algo isso é impossível, desde que patentes e direitos de propriedade intelectual não sejam suspensos.

É isso que a grande maioria dos países pede há meses, líderes políticos, organizações de todos os tipos, centros de pesquisa, personalidades, líderes religiosos … E é o que a grande maioria da população deseja onde quer que seja solicitada. (73% no Reino Unido).

Mas, ao contrário dessa opinião majoritária, os governos dos países ricos (Estados Unidos, União Europeia, Japão, Reino Unido, Brasil, Canadá, Noruega e alguns outros) constantemente se opõem a ela.

A fim de salvaguardar os interesses comerciais das grandes empresas farmacêuticas produtoras de vacinas (como poderia ser dito de outros bens, aparelhos ou instrumentos de diagnóstico essenciais na pandemia), uma falta generalizada de vacinas está levando a, Simplesmente porque a plena a capacidade potencial de fabricação de vacinas não está sendo usada. Os dados são finais:

– Apenas 43% da capacidade mundial está sendo usada para produzir vacinas já aprovadas ( aqui ).

– Os três maiores fabricantes de vacinas estão produzindo apenas para 1,5% da população mundial, volume muito abaixo de sua capacidade potencial, pois não têm acesso a licenças ( aqui ).

– Apesar da escassez, quando alguns fabricantes se oferecem para produzi-los, não recebem resposta das empresas que, com a aprovação dos governos, dominam o mercado. Isso aconteceu com o nórdico bávaro dinamarquês, que poderia fabricar quase 250 milhões de vacinas ( aqui ).

– Algo semelhante acontece em países como a Índia: um de seus fabricantes está produzindo milhões de vacinas, mas há pelo menos vinte outras fábricas, e muitas outras ao redor do mundo, que poderiam produzi-las se tivessem acesso às licenças ( aqui ).

A consequência de tudo isso é duplamente absurda e ousaria dizer criminosa.

Primeiro, bilhões de pessoas nos países mais pobres ficam de fora da vacinação que pode prevenir a doença. Os países ricos (16% da população mundial) acumulam vacinas (60%) enquanto os mais pobres ficam sem estoque. O Reino Unido distribuiu mais de 31 doses por 100 pessoas e os Estados Unidos mais de 22 no final de fevereiro, a Ásia como um todo pouco mais de duas e a África menos 0,55 em média nos países onde chegaram ( aqui ) . Um terço da humanidade não recebeu uma dose e, de acordo com The Economist , mais de 85 países não vacinarão o suficiente até 2023 ( aqui), enquanto os governos dos países ricos compraram três vezes mais unidades do que as necessidades de sua população (cinco no Canadá)

Isso não é apenas genocídio, é, acima de tudo, estupidez absoluta. O acúmulo de vacinas nos países ricos não vai acabar com a pandemia porque ela é global e as mutações podem vir de qualquer país onde a vacina não tenha chegado. E também é uma política estúpida porque, como expliquei em um artigo anterior, financiar a vacinação em todos os países do mundo é 338 vezes menos do que custaria o prejuízo de não fazê-lo ( aqui ). Mais uma prova de que as decisões econômicas tomadas não visam a eficiência ou a economia, mas sim o enriquecimento de poucos.

A política dos países ricos é igualmente absurda porque, no final, também vai criar racionamento dentro deles, como está acontecendo na União Europeia. E também é estúpido responder à escassez que eles próprios causaram restringindo as exportações porque isso não vai melhorar o abastecimento doméstico ou global, vai provocar respostas do mesmo tipo que vão perturbar as cadeias de abastecimento.

A pandemia não está sendo combatida porque os próprios líderes mundiais disseram que ela deve ser combatida porque eles não são capazes ou não desejam limitar a ganância de alguns. Está causando uma crise econômica gigantesca e a perda de milhões de empresas e empregos ao salvaguardar os privilégios dos grandes monopólios. Milhões de pessoas morrerão desnecessariamente porque os interesses comerciais têm prioridade.

Vou terminar citando um maldito autor porque acho que ele estava absolutamente certo. Refiro-me a Frederick Engels, que disse em sua obra The Situation of the Working Class in England que, quando as pessoas morrem como “vítimas de nossa desordem social e das classes que têm interesse nessa desordem”, um “assassinato social” é cometido.

É o que está acontecendo agora com as vacinas e por isso é cada vez mais necessário que os crimes econômicos contra a humanidade sejam definidos e processados.

Fonte:  juantorreslopezresistir

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!