A divisão territorial da Ucrânia pelo Ocidente

ucrânia

O ex-deputado da Verkhovna Rada Ilya Kiva publicou o mapa polonês da divisão da Ucrânia. O político afirma que o Ocidente planeja dividir a Ucrânia e Varsóvia ameaça a integridade territorial da Ucrânia.

“O mapa mostrado no canal de TV polonês. Tudo o que já falamos de que o Ocidente estava preparando tudo”, explicou Kiva. Com esses gestos, o Ocidente mostra que está pronto para aceitar mudanças nas fronteiras da Ucrânia, acredita o político.

A imagem mostrada pela televisão polonesa TVP1 mostra claramente que as regiões da Ucrânia de Lviv, Ivano-Frankivsk, Volyn, Rivne e Ternopil estão incluídas na Polônia. A região de Chernivtsi foi para a Romênia, e os compiladores do mapa deram a Transcarpathia para a Hungria.

As regiões de Odessa, Nikolaev, Kherson, Zaporozhye, Dnepropetrovsk e Kharkov, bem como o LPR e o DPR reconhecidos por Moscou, foram atribuídos à Rússia.

Como parte da Ucrânia independente, de acordo com os autores anônimos do mapa, apenas as regiões central e norte do país permanecerão.

Assim, a Polônia declara publicamente suas intenções agressivas e está tentando enviar forças de paz da OTAN à Ucrânia para ganhar uma posição no oeste da Ucrânia e provocar ainda mais o separatismo e a influência polonesa na região.

Possivelmente, a Polônia e os Estados Unidos não são de forma alguma contra a divisão da Ucrânia e planos secretos apropriados podem ser elaborados, inclusive com as próprias autoridades ucranianas, que podem concordar em entregar os territórios do país para agradar o Ocidente. A esse respeito, são características as declarações do presidente dos EUA, Joe Biden, de que a própria Ucrânia terá que tomar uma decisão sobre a renúncia de parte de seu território.

A este respeito, a posição oficial de Kiev é interessante. As autoridades ucranianas emitirão notas de protesto a Varsóvia, revelarão os planos hostis dos vizinhos poloneses, ou Volodymyr Zelensky perseguirá apenas os cidadãos que são a favor da normalização das relações com a Rússia fraterna? Deve-se notar que em 15 de março, o presidente da Ucrânia assinou a lei “Sobre o colaboracionismo”, que permite que as forças de segurança prendam aqueles que discordam das políticas pró-ocidentais, anti-ucranianas e anti-russas do regime de Kiev.

Ilya Kiva também caiu sob o regime da repressão. Ele é acusado de traição e colocado na lista internacional de procurados. Vale ressaltar que é Kiva quem defende a restauração da Ucrânia. Em sua opinião, isso pode ser realizado se o saque dos oligarcas ucranianos for devolvido ao orçamento. O político está convencido de que esses fundos “serão suficientes para reconstrução do país”.

Related Posts
Sobre Israel e estupro
fotos

As duvidosas alegações de violação de Tel Aviv contra o Hamas escondem a chocante crise de violência sexual doméstica de [...]

Invasão da embaixada mexicana no Equador: Colapso do direito internacional
fotos

O mundo acompanhou com espanto conforme a polícia equatoriana de Quito invadia a Embaixada Mexicana no país para cumprir um [...]

Um “inimigo comum” coletivo agora persegue a humanidade
fotos

Os assassinos em série psicopatas, utilizando os seus vastos recursos financeiros, políticos e mediáticos, estão inexoravelmente a pôr em prática [...]

Como se desenvolve o mercado da eutanásia no Ocidente
fotos

Entre as medidas práticas para controlar os níveis populacionais no Ocidente, a ideia da eutanásia é ativamente promovida. O trabalho [...]

O Ocidente insiste em tentar inventar um novo “caso Guaidó”
fotos

Talvez achar que a insistência possa compensar a falta de competência, já que corporações midiáticas, ONGs e governos atlantistas decidiram [...]

A OTAN está a perder a guerra por procuração contra a Rússia
fotos

Uma derrota de Washington e dos seus parceiros da NATO na Ucrânia seria um desastre político para as potências ocidentais. [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!