A Guerra híbrida: 10 afirmações falsas sobre a Venezuela

A guerra híbrida na Venezuela é travada com manipulação e desinformação na mídia. Cientista político e colunista do jornal mexicano La Jornada, Katu Arkonada, chamou de “10 afirmações falsas sobre a Venezuela”, que são a principal arma do Ocidente nesta guerra.

fotos

“Nós lemos e ouvimos todos os dias as mentiras de analistas que nunca foram à Venezuela, repetir diversas vezes para que se tornem realidade para o público”, escreve o autor e cita algumas das declarações falsas:

1. A Venezuela tem dois presidentes. Nada está mais longe da realidade. O artigo 233 da Constituição venezuelana estabelece o motivo da destituição do presidente em exercício – esta é a sua “ausência absoluta”, ou seja, morte, pedido de demissão, renúncia por decisão do Supremo Tribunal, deficiência física ou mental, conforme estabelecido pela comissão médica. Juan Guaydó não tem argumentos constitucionais para se proclamar presidente, já que não há “ausência absoluta do presidente” que prestou juramento, como prevê o artigo 231 da Constituição, em 10 de janeiro no Supremo Tribunal Federal.

2. Guaydó conta com o apoio da comunidade internacional . Além da hipocrisia de chamar a comunidade internacional de vários países ocidentais, é fato que em 10 de janeiro na cerimônia de posse de Nicolas Maduro houve missões diplomáticas de mais de 80 países: da Rússia e China ao Vaticano, os países da Liga dos Estados Árabes e da União Africana. Esses estados continuam a manter relações diplomáticas com o governo liderado por Nicolas Maduro. Guaydo recebeu reconhecimento dos mesmos países que não reconheceram Maduro em 10 de janeiro: os Estados Unidos e o grupo de Lima (exceto o México). Além disso, juntaram-se a Geórgia (devido a uma disputa territorial com a Rússia), Austrália e Israel (o artigo foi escrito antes de os países da UE fazerem declarações na segunda-feira).

3. Guaydó não faz parte da oposição radical. Guaydo é membro do partido Voluntad Popular, que ignorou a eleição presidencial de 2013, e cujo líder, Leopoldo Lopez, foi condenado por ter inspirado e organizado o movimento La Salida, que resultou em guarimbas (manifestações com o uso da violência) em 2014, com um saldo – 43 mortos e centenas de feridos.

4. A Assembleia Nacional é o único órgão legal . O artigo 348 da Constituição da Venezuela autoriza o Presidente a convocar uma Assembléia Constituinte e o artigo 349 determina que os poderes estabelecidos (da Assembléia Nacional) não podem interferir de maneira alguma nas decisões da Assembléia Constituinte. A decisão de convocar a Assembléia Constituinte (que é considerada inconstitucional no Ocidente) foi uma decisão perspicaz de Maduro, visando superar o bloqueio pela Assembleia Nacional de quaisquer iniciativas do presidente. Pode ou não gostar, mas foi implementado com estrita observância da Constituição.

5. Maduro foi reeleito de forma fraudulenta em eleições sem a participação da oposição . As eleições de 20 de maio de 2018 foram conduzidas pelo mesmo Conselho Nacional Eleitoral (CNE), com o qual Guaydó foi eleito deputado. Houve três candidatos da oposição que, juntos, conseguiram 33% dos votos e seguiram as regras acordadas na mesa de negociações realizada na República Dominicana entre o governo venezuelano e a oposição com o ex-primeiro ministro espanhol (José Luis) Zapatero como mediador.

6. Na Venezuela, não há democracia. Desde 1998, foram realizadas cinco eleições presidenciais, quatro parlamentares, seis regionais, quatro municipais, quatro referendos constitucionais e uma consulta nacional. Ao todo foram 23 campanhas eleitorais no período de 20 anos. Todos com o mesmo sistema eleitoral, que o ex-presidente dos EUA, Jimmy Carter, considera o mais seguro do mundo.

7. Na Venezuela, há crise humanitária. Não há dúvida de que a Venezuela está passando agora por uma crise econômica causada pelos decretos de Obama e Trump, declarando a Venezuela uma ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos, com sanções impedindo a aquisição de alimentos e remédios. Esta crise levou à migração econômica, que alguns disfarçam como sendo “asilo político”. Assim, no período de janeiro a agosto de 2018, a Comissão Mexicana de Assistência aos Refugiados recebeu 3.500 pedidos de asilo de venezuelanos, e 6.523 pedidos de refugiados de Honduras, isto é, quase o dobro.

8. Na Venezuela, os direitos humanos são violados. Vamos analisar os números da Guarimbas 2017: 131 pessoas foram mortas, 13 das quais foram baleadas pelas forças de segurança (40 pessoas foram presas e processadas) nove policiais  da Guarda Nacional Bolivariana foram mortos e cinco pessoas foram queimadas ou linchadas pela oposição. O resto foi morto principalmente durante a manipulação de explosivos ou em uma tentativa de contornar as barricadas da oposição.

9. Na Venezuela, não há liberdade de expressão. A foto e o vídeo desses dias de Guaydó, que faz declarações cercadas pelos microfones da mídia nacional e internacional, refutam essa afirmação.

10. A comunidade internacional está preocupada com o estado da democracia na Venezuela. A comunidade internacional, representada pelos Estados Unidos e pelo grupo de Lima, não está preocupada com a tortura de detentos de Guantánamo; ele não está preocupado com os defensores dos direitos humanos que são mortos na Colômbia todos os dias; ele não se preocupa com as caravanas de migrantes que fogem da política de choque neoliberal em Honduras, e não se preocupa pela relação do filho Jair Bolsonaro (Presidente do Brasil) com as milícias que mataram Mariel Franco (ativista do movimento de esquerda do Brasil, morta em 14 de março de 2018).

Não, nenhum dos países do grupo de Lima e seu aliado – os Estados Unidos – denunciam sérias violações de direitos humanos nesses países. O que está por trás dessa preocupação com a Venezuela não é a chamada democracia. A “preocupação” se chama petróleo, ouro, ou coltan (precioso minério de nióbio e tântalo).

 

 

 

 

Related Posts
Como Eduardo Bolsonaro e comitiva articulam com parlamentares dos EUA punições ao Brasil
fotos

Comitiva bolsonarista passa uma semana nos EUA e tenta convencer republicanos e lobistas de que Brasil viveria ditadura

Brasil não cumpre decisões da Corte Interamericana sobre polícia e Forças Armadas
fotos

Tribunal internacional condenou novamente o país por crimes cometidos por policiais militares

Denunciado por incitação, bolsonarista agora se diz apoiador de Boulos e do PT
fotos

“Segunda-feira eu tô lá em Brasília levando o capacete para o presidente [Lula]”, diz em um vídeo no Instagram um [...]

Teologia do domínio é mais perigosa para democracia que bolsonarismo, diz historiador
fotos

Em meio ao avanço de investigações da Polícia Federal sobre as suspeitas de um plano de golpe de Estado por [...]

PEC dos militares na política: Mourão junta oposição para frear mudanças em candidaturas
fotos

Até terça-feira (20), o Palácio do Planalto contava com a volta das sessões no Congresso para fazer avançar a despolitização [...]

A coragem de Lula e o vira-latismo da mídia
fotos

A declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a similaridade entre o extermínio do povo palestino que Israel [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!