A inauguração do gasoduto Poder da Sibéria

No início de 2014, Washington realizou um flagrante golpe de estado na Ucrânia, rompendo o relacionamento histórico com a Rússia e preparando o terreno para a subsequente demonização da Rússia pela OTAN. O encarregado da administração Obama do golpe na Ucrânia foi o então vice-presidente Joe Biden. Hoje seu nome está envolvido numa tentativa bizarra de impeachment de Donald Trump pelos democratas, e curiosamente foi colocado os holofotes sobre o papel duvidoso que Joe Biden desempenhou nos assuntos da Ucrânia em 2014 e posteriormente. Esse golpe dirigido por Biden teve o efeito colateral de causar uma mudança geopolítica de 180 graus de Moscou, do oeste para leste. A abertura de um novo e extenso gasoduto agora é apenas uma dessas consequências não intencionais.

fotos

Em 2 de dezembro, o presidente russo Vladimir Putin participou da abertura oficial do gasoduto Poder da Sibéria na Ásia, atendendo ao crescente mercado chinês de gás. Cumpriu o prazo planejado pontualmente. Este evento marcou as primeiras entregas de gás russo à China. Em uma vídeo-conferência com o presidente da China, Xi Jinping, Putin observou: “Esta etapa está levando a cooperação estratégica russo-chinesa em energia a um nível totalmente novo”. Xi chamou o “projeto de marco para a cooperação energética bilateral”.

A inauguração, foi um grande feito de engenharia, foi a entrega completa de um gasoduto através da Sibéria Oriental da Rússia, ao norte da Mongólia, até a fronteira com a China, percorrendo mais de 2.200 quilômetros nos territórios do leste da Rússia. É o maior projeto de gasoduto do mundo até o momento.

O gasoduto foi projetado para funcionar em ambiente com temperaturas tão baixas, de até 62°C negativos, e suportar terremotos ao longo de sua rota. Começa no campo de gás de Chayanda, em Yakutia, e termina a seção russa em Blagoveshchensk, na fronteira Rússia-China. Lá, por meio de dois gasodutos subaquáticos sob o rio Amur, ele se conecta a uma linha de gás chinesa indo para o sul, para Shangai, o oleoduto Heihe – Shanghai de 3.371 quilômetros de extensão na China. A China tem sido o maior responsável pelo aumento da demanda do mercado mundial por combustível a gás nos  últimos anos.

Em maio de 2014, a Gazprom e a China National Petroleum Corporation (CNPC) assinaram um contrato de US $ 400 bilhões por 30 anos para fornecimento de gás através do gasoduto Poder da Sibéria. As entregas de gás da Rússia para a China serão de 38 bilhões de metros cúbicos (bcm) por ano, quando atingir o pico em 2025. Em 2018, o consumo de gás natural da China foi da ordem de 280 bcm, portanto a contribuição da Sibéria é significativa. Eventualmente, o gasoduto fornecerá cerca de 10% das necessidades totais de gás da China em eletricidade e aquecimento, para as regiões nordeste e sul subdesenvolvidas da China, até Xangai. Mas o projeto é muito mais do que gás para a China.

GPP AMUR

A conclusão do principal gasoduto, Poder da Sibéria para a China envolve mais de um gasoduto que atravessa 2.200 quilômetros de remota Rússia. Também está sendo usado como um catalisador para o desenvolvimento de uma grande indústria no Extremo Oriente russo economicamente subdesenvolvido, uma prioridade do governo russo nos últimos anos.

Um desenvolvimento paralelo pouco discutido ligado à construção do oleoduto Poder da Sibéria é a decisão da Gazprom de construir a maior instalação química de processamento de gás da Rússia, a planta de processamento de gás de Amur ou o GPP de Amur. O GPP Amur é o maior projeto em construção no Extremo Oriente da Rússia, um complexo de US $ 14 bilhões próximo a Svobodny, no rio Zeya, no Oblast de Amur, a cerca de 170 quilômetros do ponto de conexão na China com o gasoduto. A planta do Amur GPP é enorme, do tamanho de 1.100 campos de futebol.

O complexo usará uma parte das enormes reservas de gás dos campos do Poder da Sibéria no leste da Sibéria para produzir compostos petroquímicos que incluirá etano, propano, butano, pentano-hexano e 60 milhões de metros cúbicos de hélio anualmente. Estes são todos os componentes químicos industriais em forte demanda. O mais importante é a grande produção de hélio, um subproduto do gás natural usado na indústria espacial, metalurgia, medicina e outras áreas. O Amur GPP será a maior planta de produção de hélio do mundo. Etano, propano, butano, pentano-hexano serão usados ​​para produzir polímeros, plásticos, lubrificantes entre outras coisas, incluindo combustível para motores.

Desenvolvimento Regional

O projeto GPP Amur, quando concluído em 2025, será o maior complexo de usina de processamento de gás da Rússia e o segundo maior do mundo, trazendo grandes e novas atividades econômicas para a região subdesenvolvida do Extremo Oriente, uma prioridade do governo russo. Em agosto de 2017, o presidente russo Putin esteve presente no preenchimento da fundação de concreto do complexo. Em suas observações, ele disse que: “Nos últimos 50 anos, nosso país não viu nada parecido. Nem a União Soviética nem a Rússia implementaram projetos dessa escala. A capacidade total de produção desta planta será de 42 bilhões, o que é um avanço não apenas para a indústria, mas também para o desenvolvimento geral do Extremo Oriente russo. ”

Putin acrescentou: “Durante os períodos de pico, a construção exigirá milhares de pessoas, ou quase 25.000 trabalhadores, para ser mais preciso. Quando a planta estiver completa, ela vai empregar 2.500 a 3.000 pessoas, o que irá permitir-nos não só para avançar na produção de gás, mas também para criar condições para a construção de uma outra planta gigante no país e uma das maiores do mundo .” A produção do complexo da usina de Amur será comercializada para exportação para o mercado asiático, além de expandir a rede de fornecimento de gás para Yakutia e a região de Amur, onde até agora o gás comercial é quase inexistente.

O parceiro estratégico da Gazprom responsável pelos equipamentos de processamento e outras tecnologias de engenharia é a empresa alemã Linde, líder mundial em tecnologia especializada.

O complexo GPP de Amur trará um grande impulso para cidade de Svobodny que, como muitas cidades no remoto Extremo Oriente, está perdendo população após o colapso da União Soviética. A fase de construção, conforme observado, emprega cerca de 25.000 engenheiros e trabalhadores da construção, a maioria provenientes da região, acrescentando um grande impulso econômico. Além disso, a Gazprom está construindo 42 novos prédios de apartamentos e 36 moradias para cerca de 5.000 pessoas em Svobodny, que estarão permanentemente empregadas nas instalações. Também haverá uma nova escola e jardim de infância com piscina, clínica, esportes e instituições culturais. A Gazprom também está cooperando com a Universidade Estadual de Amur e a Universidade Federal do Extremo Oriente, com novos cursos para treinar futuros especialistas em tecnologia química.O governo municipal já está se beneficiando do pagamento de impostos devido a presença do projeto.

Pivô leste

Ironicamente, podemos chamá-lo de ‘Biden Memorial Pipeline’. Se o governo Obama não tivesse lançado seu golpe de estado em 2013 na Praça Maidan, em Kiev, com a subsequente destituição do presidente eleito em fevereiro de 2014 em favor de partidos literalmente neo-nazistas e oligarcas corruptos sob um regime de marionetes dos EUA, a conclusão do oleoduto Poder da Sibéria para a China provavelmente não existiria hoje. As negociações com Pequim para o oleoduto já se arrastavam há mais de dez anos, quando o golpe na Ucrânia ocorreu. Após esse golpe, um acordo final foi firmado por Moscou com Pequim em questão de semanas, quando Putin projetou um pivô geopolítico para o Oriente, longe da OTAN.

O vice-presidente Joe Biden foi nomeado por Obama para supervisionar o golpe na Ucrânia e suas conseqüências, que aparentemente incluíam alguns acordos corruptos Joe Biden com a companhia de gás ucraniana Burisma.

O golpe, realizado pelo então chefe da CIA John Brennan, usando mercenários franco-atiradores da vizinha Geórgia, juntamente com a neocon, e chefe do Departamento de Estado dos EUA Victoria “Fo…-se a UE” Nuland, foi um dos erros geopolíticos mais tolos de Washington nas últimas décadas. O golpe pró-OTAN foi iniciado quando o governo de Viktor Yanukovich decidiu aceitar os generosos termos russos para se juntar à União Econômica da Eurásia, em vez de uma vaga promessa de possível status de candidato à adesão à UE. Hoje, a Ucrânia é tratada com status de pária pela UE, e sua economia está arruinada como resultado da ruptura com a Rússia. Em maio de 2014, apenas algumas semanas após a CIA derrubar o governo devidamente eleito de Viktor Yanukovich, no que George Friedman, fundador da Stratfor, chamou de “… o golpe mais flagrante da história (EUA)”, Moscou assinou o acordo com Pequim para a construção do gasoduto do século, o Poder da Sibéria.

Fonte: Journal Neo

 

Related Posts
Transcendendo Avdeevka
fotos

É claro que a guerra por procuração na Ucrânia não terminará com Adveevka, e a batalha no sopé de Donetsk, [...]

Eixo da Resistência: do Donbass a Gaza
fotos

A resistência no Donbass e em Gaza partilham uma visão comum essencial: derrubar a hegemonia unipolar que anulou as suas [...]

Guerra com o Irã inviável para os EUA
fotos

Washington é forçado a responder indiretamente aos ataques diretos, uma vez que não pode entrar em guerra com o país [...]

Será que o Hegemon algum dia aceitará uma nova ordem mundial da Vestfália?
fotos

Um novo livro do estudioso Glenn Diesen, The Ukraine War & The Eurasian World Order,  lançado em meados de fevereiro, coloca [...]

‘Enxameando’ os EUA na Ásia Ocidental, até que desmorone
fotos

Os EUA estão tão profundamente atolados numa batalha invencível desde o Levante até ao Golfo Pérsico que apenas os seus [...]

Como a ‘asabiyya’ do Iêmen está a remodelar a geopolítica
fotos

A palavra árabe Asabiyya, ou “solidariedade social”, é uma frase de efeito no Ocidente, mas levada muito a sério pelos [...]

Compartilhar:

One thought on “A inauguração do gasoduto Poder da Sibéria

Deixe um comentário

error: Content is protected !!