Para onde a Rússia poderá redirecionar os volumes de gás da Europa

O gás russo que entra na Europa pode ser totalmente redirecionado para a região da Ásia-Pacífico, mas para isso é necessário desenvolver uma infraestrutura de exportação

gás

O gás russo que entra na Europa pode ser totalmente redirecionado para a região da Ásia-Pacífico, mas para isso é necessário desenvolver uma infraestrutura de exportação, disse Ivan Timonin, consultor da Vygon Consulting.

“Potencialmente, os volumes de exportações russas que atualmente fluem para a Europa podem ser redirecionados integralmente para a região da Ásia-Pacífico, mas isso exigirá o desenvolvimento ativo da infraestrutura de exportação – a construção de novos gasodutos e usinas de GNL, o que também levará tempo. “, disse a fonte.

A reorientação da oferta russa para a Ásia se deve não apenas ao desejo dos consumidores europeus de abandonar os hidrocarbonetos da Rússia , mas também a fatores de mercado, acrescentou o analista. No horizonte até 2025, mais da metade do crescimento da demanda global por gás natural virá de países asiáticos, principalmente China e Índia.

No total, o consumo de gás na região Ásia-Pacífico aumentará em cerca de 160 bilhões de metros cúbicos até 2025 em relação ao nível atual, especificou Timonin.

O trabalho ativo na colocação em funcionamento do “Poder da Sibéria“, por exemplo, levou cinco anos; usinas de liquefação de gás de grande capacidade também são caracterizadas por períodos de construção semelhantes. “Assim, para manter o volume das exportações russas, é preciso começar a desenvolver novos projetos e tomar decisões de investimento hoje”, concluiu.

Agora, o gás russo é fornecido à China através do gasoduto Poder da Sibéria. As entregas de gás por meio de dutos começaram no final de 2019 e em 2020 somaram 4,1 bilhões de metros cúbicos. Está previsto aumentar anualmente o volume de entregas até atingir a capacidade projetada de 38 bilhões de metros cúbicos até 2025. Levando em conta o novo acordo, que foi assinado em fevereiro, a capacidade total de entregas para a China pela rota “Extremo Oriente” pode chegar a 48 bilhões de metros cúbicos por ano.

Além disso, está sendo elaborado o projeto Poder da Sibéria-2, que envolve a construção de um gasoduto para a China através do território da Mongólia . Sua capacidade será de 50 bilhões de metros cúbicos por ano.

Fonte: rianovosti

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!