A luta pelo poder irrompe na Armênia

protestos
© Hrant Khachatryan/PAN Photo via AP

Após um breve intervalo, as tensões políticas na Armênia aumentaram mais uma vez. Em 25 de fevereiro, o estado-maior geral da república pediu a renúncia do primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan. O Ministério da Defesa da Armênia não apoiou seus colegas, afirmando que o exército não deveria se intrometer na política. No entanto, o estado-maior geral encontrou apoio entre a maioria dos políticos da oposição e uma parte significativa do público em geral, relata o Izvestia. Um membro da facção de oposição “Armênia Próspera” disse ao Izvestia que a renúncia de Pashinyan havia se tornado “uma demanda nacional”. O próprio primeiro-ministro classificou a declaração do estado-maior como uma tentativa de golpe militar, dispensou seu chefe, Onik Gasparyan, e convocou seus apoiadores a tomarem as ruas. No entanto, aqueles que se opõem ao primeiro-ministro armênio fizeram o mesmo.

Pashinyan praticamente desapareceu da mente das pessoas, quase todos os segmentos da população estão contra ele, mas ele é teimoso, está conduzindo o país à guerra civil”, disse ao jornal Arman Abovyan, secretário da facção de oposição “Armênia Próspera”. “Sua renúncia não faz parte apenas da agenda política, é uma demanda nacional. O homem que praticamente fez todo o país se ajoelhar diante da Turquia e do Azerbaijão não tem o direito político ou moral de liderá-lo. Quanto mais tempo ele estiver no poder, maior será o possibilidade de desestabilização doméstica será, e está aumentando literalmente a cada hora.”

Enquanto isso, Sergey Markedonov, pesquisador-chefe do Centro de Segurança Euro-Atlântica do MGIMO (Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou), disse ao Kommersant que a tentativa de golpe militar, seguida por Pashinyan instando seus partidários a tomarem as ruas, mostrou que a oposição armênia não tem movimentos ocultos para garantir a demissão rápida do primeiro-ministro. “Pashinyan, que perdeu a maioria de seus apoiadores após a revolução de 2018, ainda tem um grupo de seguidores entre o público, e não é tão pequeno. Além disso, de acordo com pesquisas recentes, ele continua sendo o político mais popular em comparação com os outros, figuras ainda mais impopulares. “

Fonte: Agência TASS

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco + dezenove =