A pandemia está para ficar ainda pior nos EUA

pandemia

O tempo está ficando mais frio e os dias cada vez mais curtos – acelerando os danos econômicos e psicológicos da pandemia do coronavírus.

Durante o verão no hemisfério norte, as empresas aproveitaram as vantagens de refeições ao ar livre, exercícios e compras, famílias e amigos se reuniram em segurança do lado de fora e à distância. Conforme a estação muda, muito do que tornou os últimos meses “suportáveis” ​​irá desaparecer.

As empresas que chegaram até aqui podem começar a fechar em massa.

A pandemia já forçou pelo menos 100.000 restaurantes a fechar indefinidamente ou permanentemente.

Aqueles que permaneceram abertos em grandes metrôs, o fizeram sentando os clientes do lado de fora. E embora muitas cidades estejam estendendo as autorizações para refeições ao ar livre no outono e no inverno, os donos de restaurantes duvidam que os clientes queiram sentar ao ar livre no frio ou na chuva – a menos que gastem muito em aquecedores externos.

Muitas outras empresas – de estúdios de ioga a escolas de música – deram aulas fora durante todo o verão. Seus clientes também podem desaparecer no inverno.

O fracasso de Washington em fornecer alívio na forma de um pacote de estímulo está afetando a economia.

A situação do desemprego está piorando rapidamente.

“Estamos vendo uma transição do desemprego de curto prazo para uma situação em que muitos desses trabalhadores não terão um emprego para o qual voltar”, disse James Stock, economista de Harvard.

E a falta de dinheiro de estímulo e seguro-desemprego está levando os americanos a apertarem suas carteiras – um sinal preocupante para a saúde da economia.

“A expiração dos benefícios do seguro-desemprego retirou US $ 667 bilhões em poder de compra da economia somente em agosto”, afirma o Instituto de Política Econômica.

A próxima temporada de férias pode desencadear picos de casos de covid-19 em todo o país – ou devastar ainda mais a duramente a atingida indústria de viagens.

“As pessoas estão cansadas de isolamento e confinamento”, diz Stock. Muitos podem usar os feriados como desculpa para se reunir em grupos internos, o que aumenta dramaticamente a probabilidade de transmissão e disseminação.

Mas se as pessoas decidirem não viajar nas férias, a já destruída indústria de viagens – que deve perder US $ 500 bilhões este ano – perderá ainda mais dinheiro e eliminará ainda mais empregos.

Não precisava ser assim. Com máscaras, distanciamento social e outras precauções, a América poderia ter controlado o vírus. Mas não o fizemos!

“É tecnicamente e totalmente viável ter uma recuperação ‘pré-vacina’, mas simplesmente optamos por não fazer isso”, diz Stock. “Escolhemos mortes e perdas de empregos em vez de saúde e recuperação.”

Conclusão, em julho, foi previsto que a dor da pandemia estava para piorar muito. Acontece que ainda não tínhamos visto nada acontecer, por enquanto…!

Fonte: Axios

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez + 17 =