A Segunda Grande Guerra Patriótica e a reformatação da Rússia

A teoria da Guerra justa, originalmente Teologia da Guerra justa, recusou corretamente deduzir o carácter justo ou injusto – e, por conseguinte, a legitimidade – de uma guerra apenas do facto de quem atacou primeiro. Do mesmo modo, o caráter patriótico de uma guerra não pode ser deduzido do fato de um Estado estar ou não a combater no seu próprio solo. Se a Rússia é o alvo pretendido, então a guerra assume um carácter patriótico que não é negado pelo seu carácter antecipativo ou preventivo.

bandeira soviética

*Dayan Jayatilleka 

O que a Rússia enfrenta agora é a segunda edição, a edição do século XXI da Grande Guerra Patriótica.

Os EUA estão a experimentar um novo modelo de guerra, uma atualização tanto do modelo de vietnamização como do modelo de guerra híbrido. Extermínio económico; presença sobre o território; sem botas no chão; fornecimento de multiplicadores de força e inteligência no campo de batalha em tempo real às forças locais; e um espectro de modos de combate convencionais, móveis e de guerrilha.

O Ocidente está a travar uma guerra político-militar de carácter total ou absoluto contra a Rússia. Este carácter total ou absoluto não deve ser obscurecido pelo facto de os papéis político e militar envolverem uma divisão do trabalho e de a própria componente militar ser hibridizada, onde as operações de combate propriamente ditas são conduzidas pelas forças ucranianas enquanto o armamento e a inteligência são fornecidos pelo Ocidente.

Quando a revista Newsweek entrevistou recentemente especialistas norte-americanos sobre a possibilidade de ataques com drones americanos a alvos militares russos na Ucrânia, a sua intencionalidade revelou que na mente militar ocidental a linha de atuação é confusa e a Rússia é considerada como o alvo.

O objetivo da guerra político-militar é total e absoluto: destruir a base material da Rússia e atacar a economia, os meios de subsistência e o tecido social dos russos, colocando assim o país de joelhos e forçando-o a instalar uma liderança fantoche que transformará a Rússia num estado vassalo do Ocidente.

A Rússia está a ser punida por um regime de sanções que nunca foi imposto à África do Sul do apartheid. As sanções contra e o desinvestimento da Rússia são tão maciças que poderiam ser descritas como “choque e espanto”, com o objetivo de criar um sistema global de apartheid económico e cultural, que isola, marginaliza e suprime a Rússia.

A cultura e as artes russas foram “canceladas” como uma componente da cultura e civilização ocidentais, enquanto as artes e a cultura ocidentais foram afastadas da Rússia.

Qualquer canal de televisão mostra agora que o Ocidente, ao nível da sua elite política e formadora de opinião, está cheio de desejo de sangue contra a Rússia e os russos. O Ocidente está a usar abertamente a Ucrânia como uma procuradora para infligir milhares de mortes na Rússia. Como nunca antes, a conversa na corrente dominante é sobre infligir baixas às forças russas e o máximo dano à economia e sociedade russas. O discurso oficial ocidental ao mais alto nível é sobre cortar a “artéria principal” da economia russa – as exportações de petróleo e gás. Estas ações e linguagem indicam castigos coletivos e raiva sociopática em relação à Rússia.

Tais sentimentos dificilmente estiveram ausentes do Ocidente, desde o desejo de estrangular a criança bolchevique no seu berço (Churchill) para a Rádio Europa Livre durante a Hungria de 1956, até o documento de Santa Fé. Mas estes sentimentos foram mantidos em cheque e retidos nas margens, pela realidade da existência da URSS. Com o colapso implosivo da União Soviética e o nascimento de um momento unipolar, estes sentimentos, embora não expressos em público, moldaram a atual agenda bipartidária como se viu na destruição da Jugoslávia, Iraque e Líbia e, acima de tudo, nas sucessivas ondas de expansão da NATO.

O Ocidente mudou, e a Rússia tem de mudar para sobreviver e prevalecer sobre os sintomas comportamentais do triplo H do Ocidente: hipocrisia, histeria e ódio (hatred).

O Ocidente nem sequer ficará satisfeito com o regresso ao cumprimento e à miséria dos anos 90, porque sabe por experiência que o espírito russo poderia produzir ciclicamente outro líder forte. Em vez disso, vai querer uma satanização permanente da Rússia, a sua transformação no que o Ocidente chama um país “normal”, ou seja, uma versão maior de um dos seus aliados da Europa de Leste.

Reinicialização da Rússia

Se este novo modelo de guerra for bem sucedido, então, como dita a sua lógica inerentemente auto-expansiva, será repetido na beira da Rússia, no solo da Rússia. Portanto, a Rússia tem de resolver uma equação complexa: prevalecer tão decisivamente na Ucrânia de modo que o modelo de guerra falhe, que seja administrada uma lição e que o esforço não se repita. Mas a Rússia tem de o fazer sem entrar num pântano tipo Afeganistão, uma armadilha da espécie que Brzezinski preparou para Moscovo em 1979. As abordagens de pensadores militares como Tukhachevsky e BH Liddell Hart, bem como as tácticas cubanas em Angola e no Ogaden, assumem agora grande relevância.

Embora ninguém conheça o pensamento do Estado-Maior russo, a lógica indica que a armadilha ocidental de transformar a Ucrânia num pântano para a Rússia poderia talvez ser evitada se se evitasse o foco na apreensão de território e cidades, e se privilegiasse a doutrina da maior mente militar da era pós II Guerra Mundial, o General Vo Nguyen Giap do Vietname, o qual insistia numa estratégia de contra-força, ou nas suas palavras, “a aniquilação das forças vivas do inimigo”, ou seja, a liquidação do adversário como uma força combatente.

Uma vez que os militares ucranianos são uma máquina quase-NATO, certos paralelos podem não ser totalmente relevantes, mas pode ser útil recordar o contraste entre os fracassos da Rússia e da América no Afeganistão e o êxito do Vietname na sua operação no Camboja e de Cuba em Angola.

Para enfrentar as máquinas de cerco económico do Ocidente, a Rússia deve buscar o seu passado quando era determinadamente bloqueada pelo imperialismo. A restauração de alguma forma de planeamento económico será necessária. A Rússia tem experiência de muitos modelos de economia planificada, desde o de Nikolai Bukharin ao de Lieberman e o do Prof. Kudratsyev até à ideia de Yuri Andropov de uma fusão de planeamento e cibernética.

Isto talvez tenha de ser combinado com um regresso à ênfase de Stalin na indústria pesada, incluindo a auto-suficiência no fabrico de máquinas (o sector de bens de capital ou o chamado Departamento I).

A minha experiência diz-me que a Rússia tem nas suas instituições de investigação económica, todos os cérebros necessários para uma política criativa capaz de enfrentar e superar as sanções. Cuba sobreviveu às sanções e ao colapso da União Soviética e passou a produzir duas vacinas anti-COVID próprias.

Muito depende da dinâmica real do sistema de tomada de decisões na Rússia. Se for estrangulada, então a matéria será mais difícil. A Rússia tem um bloco de poder que pode agora ter de ser reformatado para lidar com o desafio existencial de um estado de sítio global, o qual é parte da ofensiva estratégica do Ocidente. A guerra contra a Rússia não pode ser derrotada unicamente pelo Estado. Na situação histórica extrema que a Rússia hoje enfrenta, será necessária uma frente unida de patriotas; estadistas e comunistas russos; de tradicionalistas e modernistas; de conservadores e radicais; de românticos e realistas para resistir e prevalecer contra os seus adversários.

A Grande Guerra Patriótica não poderia ter sido travada com êxito se não fosse o novo instrumento, o Partido Comunista, que era ao mesmo tempo um partido de vanguarda e um partido de massas, funcionando como uma “correia de transmissão” (na terminologia de Stalin) entre o povo e o Estado. Era também um partido capaz de ligar o profundo patriotismo do povo russo a um vasto apelo internacional. Na Rússia soviética, entre os principais académicos, havia também membros do Partido Comunista. O Partido Comunista da China é um mandarinato confucioniano meritocrático com uma base de massa e é, portanto, um filtro e um elevador para os melhores cérebros e talentos.

O maior erro que o Estado russo poderia cometer é pensar que a situação de conflito e bloqueio poderia ser enfrentada sem uma frente unida com os comunistas russos. Nenhuma tendência ou tradição na Rússia tem mais experiência e doutrina para enfrentar e travar uma guerra político-militar-ideológica à escala mundial contra o imperialismo ocidental do que o comunismo russo. Quando o Partido Comunista da União Soviética perdeu o seu caminho, foram os comunistas russos que se separaram, reconstruíram o partido e combateram ideologicamente contra o apaziguamento da NATO e as reformas económicas neoliberais que visavam liquidar o Estado. Nenhuma outra força política tem maior experiência de combate na guerra ideológica internacionalmente.

A incorporação dos comunistas russos no bloco dominante também cimentaria laços com os partidos comunistas da China, Vietname e Cuba – mais crucialmente, o da China.

Os comunistas russos têm uma tradição mais robusta de “agit-prop” do que qualquer outra força política. Têm também uma história de mobilização da solidariedade internacional para com a Rússia, que apelos puramente nacionalistas-estatais não podem alcançar. Como repositório da memória da Rússia soviética, os comunistas russos podem ser úteis para manter elevado o apoio social, especialmente da classe trabalhadora russa.

Os trinta e cinco países que se abstiveram durante a votação da ONU sobre a Rússia e os poucos que votaram com a Rússia fizeram-no não só devido às atuais relações com a Federação Russa, mas também porque os seus dirigentes, partidos no governo e público tinham uma memória residual da URSS que os tornou relativamente desprovidos de reflexos russófobos. Isso, juntamente com as memórias que estes países têm da hipocrisia ocidental, deu-lhes um certo cepticismo e agnosticismo. Não foi a memória da Rússia czarista e sim a da Rússia soviética. Estes países, principalmente asiáticos e africanos, são o embrião de uma ordem mundial multipolar.

A vasta frente global com que a Rússia poderia contar, baseada na soberania do Estado, está fendida pelo facto de o secessionismo e o tema-mestre da soberania do Estado ser virado contra a Rússia pelo Ocidente. Existe apenas uma doutrina que reconciliou a principal agência do Estado na luta contra o imperialismo com o direito das nações e dos povos à autodeterminação e essa era a tradição Lenin-Stalin.

O patriotismo estatal russo dá uma profundidade imperativa, mas não uma amplitude; ele é nacional, não global; ele é definidamente e inerentemente auto-limitador.

A Rússia precisa de entrar na sua própria história política e intelectual para uma doutrina que tenha uma dimensão de universalidade. A única que contém uma dimensão universal é o comunismo russo. Não pode e não deve substituir o nacionalismo estatal russo, mas é um suplemento existencial e grandemente imperativo.

Ninguém tem uma tradição combativa melhor do que o Exército Vermelho e ninguém tem uma cultura de combate político melhor do que a dos comunistas russos. Para fazer face ao desafio extremo que a Rússia enfrenta atualmente, a bandeira vermelha pode ser necessária juntamente com a bandeira vermelha-azul e branca.

‘Stalinização’?

Stalinização é o crime de que o Presidente Putin é acusado por The Economist, do Reino Unido, numa recente matéria de capa, ilustrada por uma fotografia de um tanque russo com o seu ‘Z’ no lugar da letra ‘z’ na palavra ‘Stalinização’.

Mas o que significaria a Stalinização, não no seu sentido propagandístico ocidental, mas no seu sentido histórico, estratégico e conceptual, para a Rússia de hoje?

Para a Rússia, não seria estrategicamente realista basear-se no postulado de que o Ocidente acabará por regressar ao bom senso. Como disse Stalin num debate no seio do Partido Bolchevique sob a liderança de Lenine, acerca da revolução alemã, “essa é uma possibilidade, mas não nos podemos basear em possibilidades, só em factos”.

Houve e continua a haver um debate considerável sobre a sabedoria das políticas de Stalin no período que antecedeu o ataque da Alemanha à Rússia em 1941. Isso inclui a sua estratégia na Espanha, o expurgo do Exército Vermelho, o pacto Molotov-Ribbentrop e a insuficiente atenção dada aos despachos de Richard Sorge. Será que Stalin ganhou tempo para mover as indústrias para além dos Urais ou perdeu tempo e permitiu que a Alemanha nazi se tornasse mais forte? Seja qual for o caso, sabemos que estava despreparado e chocado quando o ataque nazi chegou.

No entanto, o que é vital hoje é a lição daquele tempo: o povo e o exército russos, bem como aqueles que em todo o mundo compreenderam o significado global e histórico da existência da Rússia soviética, enterraram todas as dúvidas e alinharam-se em torno do Estado e da liderança de Stalin, apesar dos erros que ele possa ter cometido.

Numa época em que a revolução europeia esperada por Lenine, Trotsky, e a maioria dos líderes bolcheviques foi efetivamente bloqueada após a derrota na Polónia, e a URSS sofreu o choque da morte de Lenine alguns anos depois, foi Stalin que deu ao povo russo a perspectiva e a esperança de que poderia construir um país forte com base nos próprios recursos e no potencial da Rússia, mesmo que a transformação europeia fosse adiada indefinidamente. Isto foi a famosa fórmula “Socialismo num só país”. Evidentemente, ele permitiu que a fórmula caducasse após a Segunda Guerra Mundial e a extensão do socialismo à Europa pelo Exército Vermelho e, mais importante ainda, o acontecimento maciço da Revolução Chinesa em 1949. Stalin foi capaz de reconhecer a necessidade e a possibilidade de construir uma civilização industrial, embora num padrão alternativo (socialismo), mesmo numa Rússia isolada. Isto deu ao povo russo uma perspectiva de esperança e uma tarefa concreta, ainda que totalmente desafiadora.

Em termos de estratégia global, ao contrário de outros líderes bolcheviques, apenas Stalin, seguindo Lenine, foi capaz de compreender o potencial do Oriente, desde o Irão (Pérsia) até à China. Quando todos os olhos estavam postos na revolução europeia, Stalin escreveu, em novembro de 1918, um ensaio intitulado “Don’t Forget the East” (Não esquecer o Oriente), que se seguiu ao ensaio de dezembro de 1918 “Light from the East” (Luz do Oriente). Foi necessária uma enorme perspicácia e originalidade para o fazer naquele tempo: “Numa altura em que o movimento revolucionário se ergue na Europa… os olhos de todos estão naturalmente virados para o Ocidente… Nesse momento tende-se a perder de vista, a esquecer o longínquo Oriente, com as suas centenas de milhões de habitantes…”

Prosseguiu neste ensaio a enumerar “Pérsia, Índia, China”. Embora isto tenha sido cinco anos após o admiravelmente pouco ortodoxo “Backward Europe, Advanced Asia” (1913) de Lenin, foi antes do último ensaio de Lenine no qual ele fez a sua aposta final na Rússia, Índia, e China (proporcionando a base da perspectiva Primakoviana). Stalin foi o autor do pivô estratégico e paradigmático da Ásia e, nesse sentido, o primeiro estrategista euro-asiático da modernidade ou da modernidade (“soviética”) alternativa.

Obviamente, a mais famosa contribuição de Stalin foi recuperar dos seus custosos erros iniciais e dar liderança política de gênio à União Soviética e ao Exército Vermelho na derrota dos nazis, bem como negociar a ordem do pós-guerra em Yalta e Potsdam. Ele também teve um claro entendimento das intenções do Ocidente nos primeiros anos da Guerra Fria.

Tanto na arena nacional como internacional, foi sob Stalin que se formou um novo bloco sobre o patriotismo, mesmo nacionalismo, estatismo e esquerdismo; uma amálgama que alimentou a vitória na Grande Guerra Patriótica e ajudou a Ásia durante meio século na sua luta contra o imperialismo predatório japonês e ocidental.

Se bem que a história reconheça o aspecto negativo das repressões interna de Stalin (e nesse sentido a crítica e o relaxamento de Khrushchev a Gorbachev foram positivos), as suas políticas externas provaram ser menos positivas.

No balanço histórico global, a contribuição de Stalin foi muito mais positiva do que negativa, e esse aspecto positivo é relevante para a situação da Rússia no mundo de hoje e indispensável à Rússia. A acusação ocidental de stalinização poderia, numa inversão dialética (ou lance de judô), ser um ingrediente essencial para a sobrevivência e êxito da Rússia, como foi outrora. Se a questão que a Rússia enfrenta é “OTAN-ização ou neo-stalinização?”, só pode haver uma resposta racional e patriótica.

[*] Ph.D. em Ciência Política, antigo Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República Democrática Socialista do Sri Lanka junto da Federação Russa.

Fonte: globalaffairs.ru

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!