América Latina procura China e Rússia em busca de vacinas COVID-19

Vários países nas Américas receberam suas primeiras remessas de vacinas nas últimas semanas – não da superpotência regional ou de gigantes farmacêuticos ocidentais, mas da China, Rússia e, em alguns casos, Índia.

As Américas do Norte e do Sul foram atingidas pela pandemia e registraram várias das maiores taxas de mortalidade do mundo. Poucos países além dos Estados Unidos têm capacidade para fabricar vacinas em grande escala e a maioria não tem recursos para comprar seu caminho até a linha de frente das importações. Isso levou a uma disputa por qualquer suprimento disponível.

  • Apenas Chile (17%), Estados Unidos (15%), Barbados (12%), Canadá (3%), Brasil (3%), Argentina (2%), México (2%), Costa Rica (1%) e o Panamá conseguiram fornecer uma primeira dose a pelo menos 1% de suas populações.

vacina

O presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador – que tem protestado contra o “entesouramento” de vacinas pelos países ricos – deve pedir ao presidente Biden em sua reunião virtual na segunda-feira para compartilhar uma parte do fornecimento de vacina dos EUA com o México.

Antes da reunião, a secretária de imprensa da Casa Branca Jen Psaki disse que a resposta seria “não”, pelo menos até que todos os americanos tenham acesso.

O Canadá, que comprou mais doses em relação à sua população do que qualquer outro país, mas teve dificuldade em obtê-las devido à capacidade limitada de fabricação, recebeu uma resposta semelhante de Washington.

Outras potências mundiais têm começado a enviar doses para a região. Pelo menos 10 países latino-americanos obtiveram a vacina russa Sputnik V ou esperam obtê-la em breve, enquanto outros 10 esperam doses do Sinovac ou Sinopharm da China.

A Argentina foi um dos primeiros países da região a iniciar vacinação, usando o Sputnik V, enquanto o Chile subiu ao topo das tabelas de vacinação usando uma combinação de Pfizer e Sinovac.

Enquanto isso, a maioria das doses que chegaram ao Caribe até agora vieram da Índia, que se tornou um player global na distribuição de vacinas devido à sua enorme capacidade de fabricação. Nova Delhi doou doses Oxford / AstraZeneca para países como Barbados e Dominica.

Israel entrou no jogo da “diplomacia da vacina” em pequena escala, enviando 5.000 doses cada para governos amigos na Guatemala e em Hondura

Pelo menos oito países assinaram acordos bilaterais com a Pfizer ou AstraZeneca. Cuba, por sua vez, aposta em uma vacina desenvolvida internamente.

Enquanto a Bolívia negociava a compra de 5,2 milhões de doses de Sputnik em dezembro, a US $ 10 a injeção, o governo também estava em negociações com empresas farmacêuticas ocidentais que “nos disseram aos países em desenvolvimento que tínhamos de esperar até junho”, disse o ministro do Comércio, Benjamin à Reuters.

O presidente boliviano, Luis Arce, deu um grande lance quando o primeiro carregamento de Sputnik chegou. Na mesma época, ele falou com Vladimir Putin sobre potenciais projetos conjuntos de energia.

Mas embora Psaki tenha alertado no mês passado que a Rússia e a China poderiam usar vacinas para aumentar sua influência sobre outros países, é a Pfizer que foi acusada de intimidar os países latino-americanos durante as negociações.

As vacinas que chegam da Rússia e da China costumam ser recebidas com grande alarde, com líderes políticos e câmeras de TV à disposição, apesar das remessas geralmente são bem pequenas.

Até agora, a Rússia forneceu à Bolívia 20.000 doses e ao Paraguai 4.000, o suficiente para cobrir uma fração de 1% de sua população.

Tanto a Rússia quanto a China enfrentarão desafios de capacidade de manufatura para cobrir suas próprias populações, quanto mais enviar doses para todo o mundo.

No entanto, acordos para produzir as vacinas Sinovac e Sputnik no Brasil e Sputnik na Argentina devem impulsionar o abastecimento. Crucialmente, as vacinas não requerem temperaturas ultra-frias.

No entanto, questões sobre a eficácia permanecem, particularmente para as vacinas chinesas. Um ensaio no Brasil constatou que a vacina Sinovac foi apenas 50,4% eficaz na prevenção da COVID-19 sintomática, embora tenha sido mais eficaz na prevenção de casos graves.

A iniciativa global COVAX, que é crucial para as perspectivas de vacinação nas Américas, também começará a aumentar a distribuição neste mês. Deve ultrapassar a Rússia e a China como a maior fonte de vacinas para vários países.

A conclusão que se chega é que apesar de vários obstáculos, Moscou e Pequim podem ter obtido boa vontade e influência duradouras na região ao intervir quando as vacinas eram mais escassas.

Fonte: Axios

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!