Aos médicos cubanos que chegam hoje à Itália, muito obrigado!

Hoje (21/03), 65 cubanos desembarcaram em Milão: médicos, enfermeiros, técnicos especializados enviados de seu país para ajudar a Itália contra o Coronavírus. O Conselho Regional da Lombardia solicitará que eles vá a Crema, para ajudar uma das áreas mais afetadas da Lombardia, quase ao extremo. A Junta de direita, tão orgulhosamente “soberana”, tão ligada ao governador anterior Formigoni que, da saúde pública da Lombardia, roubou indevidamente mais de 70 milhões de euros, pediu ajuda à República Socialista de Cuba: e Cuba respondeu imediatamente.

Não é a primeira vez que ela faz isso: em 2014 ela enviou mais de 250 médicos para a África Ocidental para combater um vírus ainda mais assustador do que esse, o Ebola. Era o New York Times, então, admitir que Cuba havia desempenhado um papel de “líder” na vitória sobre o mal. E os médicos cubanos estavam no Haiti, alguns anos antes, quando um terremoto devastou a ilha, causando uma terrível epidemia de cólera. Eles também estavam prontos para partir para Nova Orleans após o terrível furacão Katrina – mas Bush recusou a ajuda deles, condenando seu povo ao sofrimento que conhecemos.

Até agora, médicos e enfermeiros cubanos estão em quase 70 países ao redor do mundo: trazendo experiência, ajuda e soluções. “Não oferecemos o que resta: compartilhamos o que temos” é o slogan deles. E o que eles têm é um sistema de saúde completamente público, fortemente financiado pelo Estado e implementado por um dos sistemas escolares e universitários mais estruturados (públicos, é claro) do mundo: uma saúde que a Organização Mundial de Saúde reconhece como a mais eficiente e avançada em todo o continente latino-americano.

O sistema de saúde cubano certamente não nasceu por acaso: nasceu das idéias de um jovem médico argentino que veio a Cuba para a Revolução. Seu nome era Ernesto Guevara de la Serna e ele escreveu que o dever do “médico revolucionário” e da “medicina social” era conceber um sistema que nunca levasse em conta o lucro, mas um conceito que ligava o bem-estar do corpo individual ao de todo a comunidade: através da escola, nutrição e trabalho: “Educar e alimentar as crianças … compartilhar a terra entre os agricultores é o maior trabalho de medicina social já realizado”. Então, médicos e enfermeiros estão vindo de Cuba hoje para nos ajudar a derrotar o Coronavírus. Eles não pediram nada em troca, nem nos pediram para tentar convencer nosso principal “aliado”, os Estados Unidos de Donald Trump, para mitigar o embargo feroz que vem tentando passar fome na ilha há décadas. Eles trazem sua experiência, trazem seus remédios, trazem sua própria vida: e colocam à nossa disposição, contra o vírus, a luta juntos. Hasta la victoria!

Fonte: Fortebraccio

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × um =