Argentina: Como sair do labirinto neoliberal

Uma profunda crise social e uma economia desarticulada que exige definições urgentes. Pobreza, inflação e crise monetária, o tripé da tragédia nacional!

A pobreza como um flagelo, mas também como um desafio para alcançar um modelo de inclusão. Reprodução.

Um curso de quatro anos rumo a uma catástrofe social

Pobreza em níveis alarmantes, destruição do mercado doméstico devido à queda do consumo, produção em queda livre em uma ampla gama de setores, recessão econômica, mas com inflação acelerada, armadilha monetária por meio de altas taxas de juros que pulverizaram o investimento, mas não estabilizaram o mercado de câmbio, uma queda acentuada na renda da população no contexto do aumento do desemprego. O território no qual o novo governo deve operar, em questões econômicas e sociais, destruiu muitas terras, embora não falte as ferramentas para combater. A questão é como se livrar o país dessas amarras. As consequências do programa econômico do FMI, assinado em abril de 2018, quando a política macroeconômica já havia deixado o país incapaz de pagar a dívida, piora dos indicadores econômicos e sociais. Lidar com essa catástrofe social exigirá que o futuro governo se livre das limitações desse acordo para começar a consertar a economia. Um acordo que nem sequer aliviou o país da situação da dívida externa, uma vez que os grandes fundos que entraram no mega-acordo, foram com a mesma magnitude sair pela janela.

O governo de Mauricio Macri, após quatro anos de aplicação de seu modelo econômico, não apenas deixa um estado de destruição em massa nos aspectos econômico e social, mas também sérios conflitos de articulação intersetorial, o que exigirá pelo menos o repensar dos compromissos de cada um. Um novo modelo de desenvolvimento e coexistência, inexistente hoje. “Precisamos reverter o dogmatismo fundamentalista do mercado, que faz com que os interesses privados passem pelo público”, diz Rafael Kohanoff, um veterano líder industrial que teve intervenção ativa em crises e acordos sociais em diferentes momentos do país. “O compromisso é repolitizar a economia”, diz ele quase provocativamente, observando que um acordo ou acordo nacional não se baseia simplesmente em uma soma de reivindicações setoriais, mas no compromisso das organizações políticas, econômicas e sociais de formar um projeto político capaz de recompor uma nova ordem funcional. “Um novo contrato social”, diz ele. Não é através das regras do mercado que as respostas à pobreza generalizada e à inflação descontrolada serão encontradas, por exemplo.

Pobreza, inflação e dólar

Existem três conflitos que exigem respostas urgentes, intimamente ligadas entre si em relação à concepção da solução. Por causa da natureza escandalosa e por refletir injustiça social, a questão da pobreza surge como a mais urgente. Combater a pobreza, gerando trabalho e abrigo genuínos, substituindo gradualmente o bem-estar como a principal resposta. É uma tarefa que não se pode esperar realizar no mercado, se o setor público não o tomar em suas mãos, em seus diferentes níveis (o município em primeiro plano, para estas questões mais próxiaos e para um maior conhecimento do problema), com os recursos às quais as instâncias máximas devem fornecer o devido trabalho público. “Muitas obras públicas, muitas moradias acessíveis”, insistem as principais referências na área de desenvolvimento social.

Outra questão a ser abordada simultaneamente é o sistema de preços. O futuro governo está ciente da necessidade de monitoramento permanente de itens básicos da cesta da família, de um estudo aprofundado das cadeias de formação de preços e da demanda por comportamentos transparentes por empresas com posição dominante nos mercados.

O terceiro tema central é o relacionado ao gerenciamento de moeda. A crise externa no país determina as possibilidades de um rápido início de recuperação econômica se o problema da escassez de moeda não for tratado como prioritário. Dada a situação que o novo governo herdará, a questão da dívida deve ter uma resposta imediata – talvez negociada antes de assumir – para imediatamente aliviar a pressão dos vencimentos externos, renegociando os prazos pelo menos. Em seguida, estabeleça as prioridades para o uso e a disponibilidade de moedas de acordo com as urgências, por item de importação de bens ou serviços. O valor e a disponibilidade de moedas tornam-se questões-chave na organização política e econômica, o que exige “impor o interesse público sobre o privado “

Produção e emprego

O modelo de produção e desenvolvimento da Argentina requer um novo design. E em momento de crise, como aconteceu nesses quatro anos, deixa uma grande oportunidade de repensá-lo. Produção e emprego são as principais ferramentas de recuperação econômica e logicamente andam de mãos dadas. Nesse sentido, pequenas e médias empresas, por um lado, e economias regionais, por outro, podem constituir fatores dinâmicos fundamentais para o desenho de uma política produtiva que responda rapidamente às necessidades de recuperação da atividade e do emprego. Além disso, deve-se definir os setores dos quais um aumento urgente da produção será reivindicado. Por exemplo, em alimentos básicos, se você apostar na reintegração em um curto prazo de mais de um terço da população que foi condenada a uma situação de pobreza.

Certamente, áreas como o sistema bancário e seu papel no financiamento da recuperação da produção e consumo, ou compras públicas destinadas a promover a produção nacional, não estariam fora da agenda, assim como a participação do setor científico e tecnológico, a economia social e relacionado à matriz energética. Em quase todos eles retrocedeu e desmembraram um modelo nacional. Todos eles fazem parte de uma discussão mais ampla sobre uma economia estruturalmente mais articulada e socialmente mais justa.

Fonte: Página 12

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

11 + catorze =