Argentina – Encurralado pelo pânico que causou, o governo Macri recorre ao controle de câmbio

Controle cambial, restrição de compra de dólares e liquidação imediata obrigatória para exportadores, o governo Macri tenta o último recurso procurando evitar o colapso econômico
fotos
Crédito: Página 12

Tendo criticado por anos um regime de gerenciamento de mercado de câmbio, Macri acaba impondo controles sobre o acesso a dólares para tentar chegar a 10 de dezembro.

O governo estabeleceu controles de capital e limitou a venda de dólares em uma nova tentativa de conter a taxa de câmbio que está abalando a economia argentina. Os regulamentos de intercâmbio de emergência foram implementados por meio de um decreto assinado pelo presidente Mauricio Macri que já entrou em vigor. Os instrumentos para administrar a fuga de capitais restringem a compra de moeda estrangeira de até 10 mil dólares por mês para poupadores, bloqueiam a remessa ao exterior dos lucros das empresas e obrigam os exportadores a liquidar os dólares de suas operações em um prazo de até 5 dias úteis. Os regulamentos do Banco Central estabelecem que as ferramentas serão válidas até o final do ano. Com a substituição tardia de alguns dos mecanismos de gestão do mercado de câmbio existentes até 2015 e a reestruturação obrigatória da dívida de muito curto prazo que retrocede a carga de vencimento para o próximo governo, o governo espera garantir a disponibilidade de dólares que permitirão finalizar o mandato sem novos choques no preço da moeda americana. Nenhuma das medidas anunciadas contém a debandada do capital financeiro.

Os responsáveis pela implementação dos controles admitem que a crise financeira gerou pânico entre os pequenos poupadores e, portanto, enfatizam que não haverá restrições para retirar dólares dos bancos. Como medida para acalmar a população, elas permitem que as instituições financeiras estendam o horário de funcionamento ao público até 17h, embora a decisão dependa de cada banco. A rapidez na retirada de depósitos do sistema bancário que acompanhará os anúncios de domingo dependerá da capacidade de cada entidade atender aos pedidos em suas diferentes agências. Alguns dos instrumentos anunciados no domingo faziam parte dos mecanismos de gestão do mercado de câmbio usados para lidar com a escassez de dólares durante o governo anterior.

O presidente do Banco Central, Guido Sandleris, e o chefe do Palácio do Tesouro, Hernán Lacunza, são responsáveis por informar as medidas aos banqueiros e empresários. Os funcionários relataram as medidas ao pessoal do Fundo Monetário Internacional e conversaram com os referentes econômicos da Frente de Todos. O diagnóstico oficial é que, com o preço do dólar pelas nuvens e uma política de afogamento monetário, os diferentes controles cambiais devem garantir folga para evitar um colapso financeiro. (…)

Fonte: Página 12

Related Posts
BRICS, outra maneira de moldar o mundo
brics

Uma ordem internacional justa e humanista só poderá ser instaurada por povos inconformados com o uso e abuso de sua [...]

Hegemon ordena Europa: aposte na guerra e roube o dinheiro da Rússia
fotos

Sem os BRICS, não há absolutamente nada que o Ocidente coletivo – como o Hegemon e diversos vassalos – possa [...]

Estará uma nova crise dos mísseis cubanos a formar-se na Ucrânia?
fotos

Em 12 de junho, três navios russos e um submarino com propulsão nuclear chegaram a Havana, Cuba. Depois de cruzar o Atlântico, [...]

Uma proposta, uma última chance, um ultimato
combate

Condições de paz recentemente expostas por Putin estabelecem uma nova fase da operação militar especial.

O fim do pacto do petrodólar
fotos

Os EUA persuadiram os sauditas a comercializar o petróleo somente em dólares, o que se tornou parte integrante do comércio [...]

Com relação às propostas de Putin para paz na Ucrânia
fotos

Contra o pano de fundo da "cúpula de paz", isso indicará que, na verdade, é o Ocidente que está prolongando [...]

Compartilhar:

One thought on “Argentina – Encurralado pelo pânico que causou, o governo Macri recorre ao controle de câmbio

  1. Quando era criança na década de oitenta surgiu uma propaganda de uma marca de vodka que ficou famosa pela expressão o “efeito Orloff”. Um dos personagens sem nenhum vestígio de ressaca dizia: Eu sou você amanhã!
    A partir dai esse slogan foi apropriado pelos analistas econômicos para retratar as idas e vindas e as similaridade entre os dois países (Brasil e Argentina). Se um país passava por crise econômica logo em “solidariedade” o outro passava pelo mesmo processo. Atualmente a Argentina passa por um momento crítico ocasionado por Macri ao adotar o fracassado neoliberalismo, que Bolsonaro e seu economista Paulo Guedes vem adotando no Brasil.
    Parafraseando a propaganda, o Brasil será a Argentina amanhã!

Deixe um comentário

error: Content is protected !!