Bolsonaro recua em relação à 5G da Huawei

Depois que os EUA falharam em sua promessa de fornecer as vacinas extremamente necessárias ao Brasil, o compromisso do fantoche pró-EUA derreteu

fotos
O presidente Jair Bolsonaro, que se opôs ao Huawei 5G devido à pressão dos EUA, voltou atrás em sua oposição à oferta da Huawei. Crédito: Folheto.

Custos financeiros na faixa de bilhões de dólares e a saída do presidente dos Estados Unidos Donald Trump estão forçando o presidente Jair Bolsonaro, que se opôs à Huawei por motivos não comprovados, a recuar em sua oposição à oferta da Huawei, informou a Reuters , citando o jornal local Estado de S. Paulo .

O Brasil não tentará barrar a gigante chinesa das telecomunicações de seus leilões de rede 5G em junho de 2021, informou o jornal brasileiro.

Analistas chineses disseram que o movimento relatado é significativo, pois torna o Brasil o primeiro país a enfrentar os EUA na questão da Huawei após a derrota eleitoral de Trump.

Fu Liang, um especialista da indústria de telecomunicações de Pequim, disse ao Global Times no domingo que, enquanto Trump deixa a Casa Branca e os EUA não cumprem sua promessa de fornecer vacinas extremamente necessárias ao Brasil, que foi duramente atingido pelo vírus, o Brasil que havia se comprometido com a postura pró-EUA, naturalmente não se materializou por motivos óbvios.

O vice-presidente Hamilton Mourão disse ao Estado de S. Paulo que qualquer empresa que participar do leilão estará sujeita às leis de proteção de dados do país e deve respeitar a soberania do Brasil.

Um dos argumentos apresentados pela atual administração dos Estados Unidos é que a Huawei tem ligação com o Partido Comunista da China e, portanto, os dados não estarão seguros se a Huawei tiver permissão para entrar em redes 5G, informou a Neowin.net .

No entanto, nenhuma prova foi divulgada publicamente, comprovando esta alegação. 

E embora a saída de Trump possa ter salvado as perspectivas da Huawei no Brasil, provavelmente já é tarde demais para a empresa em outros países como Polônia e Reino Unido, que já tomaram medidas para banir a Huawei de suas redes 5G e removê-la de onde já estava instalada.

O Brasil tem o segundo maior número de mortes por Covid-19, depois dos EUA, e o governo está sendo extremamente criticado por um processo falho e lento de vacinação.  

O movimento relatado para permitir que a Huawei faça uma oferta é um revés para o esquema de “Rede Limpa” do governo Trump, pelo qual fez lobby árduo em todo o mundo, coagindo e induzindo os países a evitarem as empresas chinesas de alta tecnologia.

“Sem a abordagem agressiva do governo Trump, mais países voltarão a uma posição neutra depois de se aventurarem contra a Huawei”, disse Fu. 

Fu previu que mais países poderiam adotar uma abordagem semelhante à do Brasil, que está defendendo sua soberania com ousadia. Quanto ao esquema denominado “Rede Limpa”, provavelmente será alterado sob Joe Biden, de acordo com Fu.

Isso poderia, por exemplo, também reforçar a oferta do CEO da Ericsson, Börje Ekholm, de anular a decisão da Suécia de banir a Huawei.

“A China é responsável por 8% de nossa receita. Para nós, tem sido uma questão estrategicamente importante estar presente na China ”, disse Ekholm à mídia local.

De acordo com o Globe and Mail do Canadá, os militares desse país estão pedindo ao primeiro-ministro Justin Trudeau que proíba a Huawei de suas redes sem fio, por questões de segurança.

Trudeau, considerado longo na boa aparência, mas curto na coluna vertebral, deve ceder à pressão dos Cinco Olhos.

Uma proibição total poderia obrigar empresas como a BCE e a Telus a retirar os equipamentos existentes da Huawei para acomodar um novo fornecedor, uma proposta cara, relatou o Globe and Mail.

Apesar da repressão dos EUA, a Huawei ainda manteve sua posição nº 1 como fornecedor global de equipamentos de telecomunicações com uma participação de mercado de 30% nos primeiros nove meses de 2020, de acordo com dados da empresa de mercado Dell’Oro.

Enquanto isso, segue as notícias de que o governo Trump infligiu ainda mais danos às empresas chinesas – incluindo a fabricante de smartphones Xiaomi – faltando poucos dias para que o presidente eleito Biden tome posse, informou a CNN .

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos acrescentou nove firmas chinesas, incluindo a Xiaomi, a uma lista de empresas que a agência afirma serem de propriedade ou controladas pelos militares chineses. As empresas na lista estão sujeitas a duras restrições, incluindo a proibição de investimentos americanos.

A adição a lista é uma notícia preocupante para a Xiaomi, que recentemente ultrapassou a Apple para se tornar a terceira maior fabricante de smartphones do mundo.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!