China – Educação a base da construção de uma sociedade moderna

educação

MA XUEJING/CHINA DAILY

Nota do Editor: O povo chinês sempre deu grande importância à educação. No século 20, a China passou por uma longa e árdua jornada de escolas com um único professor a universidades de classe mundial e alcançou excelência em diferentes campos, incluindo ciência e tecnologia. Como será a jornada educacional do futuro na China? No segundo de uma série de comentários sobre educação, o jornalista sênior do China Daily busca as respostas:

Após a fundação da República Popular da China em 1949, o novo governo fez da industrialização um de seus principais objetivos. Mas logo percebeu que será quase impossível atingir essa meta com mais de 80% de sua população analfabeta. Para piorar a situação, o país mais populoso do mundo tinha apenas cerca de 100.000 alunos estudando em universidades e cerca de 1 milhão em escolas de ensino médio.

Percebendo que tal situação frustraria seus esforços para transformar o país em uma sociedade moderna, o governo iniciou uma campanha nacional de uma década para eliminar o analfabetismo. Dezenas de milhares de pessoas foram enviadas a todos os cantos do país para ensinar crianças e adultos a leitura, escrita e aritmética. Milhares de escolas noturnas gratuitas foram abertas, e trabalhadores e fazendeiros, velhos e jovens, foram incentivados a pegar livros e canetas. Uma pesquisa de 1964 descobriu que, graças a mais de uma década de esforços rigorosos, a taxa de analfabetismo na China havia reduzido para 50%.

Enquanto seus pais e avós trabalhavam duro para aprender, a maioria das crianças em idade escolar era enviada às escolas para receber educação normal. Embora a escolaridade nacional obrigatória de nove anos só tenha sido introduzida em 1986, as crianças de famílias pobres podiam solicitar a isenção das taxas escolares. Em 2000, o sistema de educação obrigatória de nove anos foi quase totalmente implementado com quase 100 por cento das crianças em idade escolar frequentando escolas primárias e secundárias.

Hoje, a China tem cerca de 160.000 escolas primárias com 100 milhões de alunos e mais de 50.000 escolas secundárias frequentadas por mais de 48 milhões de crianças.

Encorajado pelo sucesso na implementação do sistema de ensino obrigatório de nove anos, o governo voltou sua atenção para o ensino superior. Algumas regiões ricas em recursos tornaram o ensino médio obrigatório, enquanto o número de novas matrículas em faculdades aumentou dramaticamente na última década. Este ano, por exemplo, mais de 10 milhões de alunos fizeram o exame de admissão à faculdade (ou gaokao), com cerca de 9 milhões se matriculando em universidades ou escolas profissionais.

A melhoria contínua do sistema de educação e a atualização das instituições de ensino superior não só ajudaram a nutrir os melhores cientistas e educadores que tornaram a China um líder em muitos campos, incluindo ciência e tecnologia, mas também deram origem a milhões de trabalhadores bem formados que transformaram a país na maior base de manufatura do mundo.

Por cerca de cem anos, líderes e visionários têm defendido que a China faça da educação a base para construir uma sociedade moderna e realizar o rejuvenescimento nacional. Mas, dada a condição geral do país no passado, incluindo o alto índice de analfabetismo, sua proposta parecia missão impossível. Portanto, só em 1995, quando a taxa de analfabetismo caiu para 5%, o governo central, pela primeira vez, anunciou oficialmente que a educação, especialmente o ensino de ciências, é a base sobre a qual a China construirá uma sociedade moderna. Essa decisão impulsionou ainda mais o desenvolvimento da educação. Hoje, quase 50% dos jovens do país na faixa etária de 18 a 22 anos podem buscar o ensino superior em faculdades e universidades. No ano passado, havia até 33,1 milhões de alunos nas universidades da China.

No entanto, a notável melhoria na educação e a expansão do setor educacional – há cerca de 270 milhões de alunos nas escolas e faculdades da China – também encontraram alguns problemas. Alguns relatos da mídia dizem que há falta de professores qualificados em áreas remotas e que a taxa de evasão durante o período de escolaridade obrigatória de nove anos aumentou. Quanto ao ensino médio, tanto alunos quanto professores se tornaram obcecados por exames, prestando pouca ou nenhuma atenção à criatividade, inovação ou exercícios físicos. No caso dos universitários, muitos não estão trabalhando bastante e a qualidade de alguns deles está longe de ser satisfatória.

De fato, o governo tomou medidas para lidar com esses problemas. Pediu às autoridades educacionais locais que garantam que nenhuma criança abandone os estudos de nove anos e aumentou os salários dos professores rurais, introduziu os esportes obrigatórios e outras atividades físicas no currículo escolar e reduziu o dever de casa para as crianças. Também deu início a regulamentos para expulsar do campus os alunos que colam nos exames.

Certamente, a educação terá um papel cada vez mais importante nos esforços do país para construir um futuro melhor. O presidente Xi Jinping prometeu fornecer às pessoas educação de alta qualidade, uma educação de alta moralidade, que ensine patriotismo aos alunos, torne-os socialmente mais conscientes e ajude a promover a criatividade e a inovação.

Certamente, podemos esperar muito, muito mais da educação.

O autor é ex-editor-chefe adjunto do China Daily.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − oito =