Cinco estados árabes mais o Irã entre as 19 nações prontas para se juntar ao BRICS

Enquanto as nações do Sul Global continuam a abandonar o dólar americano para o comércio, as autoridades do BRICS disseram que o bloco está trabalhando no desenvolvimento de uma nova moeda.

brics
(Photo Credit: Roberto Stuckert Filho/PR)

Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Argélia, Egito, Bahrein e Irã pediram formalmente para se juntar ao grupo de nações BRICS enquanto se prepara para realizar sua cúpula anual na África do Sul.

No total, 19 nações manifestaram interesse em ingressar no bloco de mercados emergentes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, de acordo com Anil Sooklal, embaixador da África do Sul no grupo.

“O que vai ser discutido é a expansão do BRICS e as modalidades de como isso vai acontecer… Treze países pediram formalmente para aderir e outros seis pediram informalmente. Estamos recebendo inscrições para ingressar todos os dias ”, disse o funcionário sul-africano à Bloomberg no início desta semana.

O BRICS realizará sua cúpula anual na Cidade do Cabo durante a primeira semana de junho. Os ministros das Relações Exteriores dos cinco Estados membros confirmaram sua presença.

No início deste mês,  a Bloomberg revelou que o BRICS deve superar em breve os estados do G7 liderados pelos EUA em expectativas de crescimento econômico.

De acordo com sua análise, enquanto os países do G7 e do BRICS contribuíram igualmente para o crescimento econômico global em 2020, o desempenho do bloco liderado pelo Ocidente diminuiu recentemente. Até 2028, espera-se que o G7 represente apenas 27,8% da economia global, enquanto o BRICS representará 35%.

As estimativas surgiram poucas semanas depois que o vice-presidente da Duma russa, Alexander Babakov, revelou que o BRICS está trabalhando no desenvolvimento de uma “nova moeda” que será apresentada na próxima cúpula da organização.

Os estados membros do BRICS representam mais de 40% da população global e cerca de um quarto do PIB global.

O interesse das nações do Sul Global em ingressar no bloco ocorre em um momento em que cada vez mais governos se afastam do dólar americano. O dólar tornou-se menos confiável  para as economias dolarizadas devido ao aumento das taxas de juros reguladas pelo Federal Reserve (FED) dos EUA e ao armamento do dólar pelo banco por meio de sanções financeiras.

Além disso, o ocidente – especialmente a Europa – está enfrentando uma crescente crise de energia resultante de sanções contra os mercados de energia russos devido à invasão da Ucrânia e à sabotagem dos EUA ao oleoduto Nordstream .

Fonte: The Cradle

Related Posts
Transcendendo Avdeevka
fotos

É claro que a guerra por procuração na Ucrânia não terminará com Adveevka, e a batalha no sopé de Donetsk, [...]

Eixo da Resistência: do Donbass a Gaza
fotos

A resistência no Donbass e em Gaza partilham uma visão comum essencial: derrubar a hegemonia unipolar que anulou as suas [...]

Guerra com o Irã inviável para os EUA
fotos

Washington é forçado a responder indiretamente aos ataques diretos, uma vez que não pode entrar em guerra com o país [...]

Será que o Hegemon algum dia aceitará uma nova ordem mundial da Vestfália?
fotos

Um novo livro do estudioso Glenn Diesen, The Ukraine War & The Eurasian World Order,  lançado em meados de fevereiro, coloca [...]

‘Enxameando’ os EUA na Ásia Ocidental, até que desmorone
fotos

Os EUA estão tão profundamente atolados numa batalha invencível desde o Levante até ao Golfo Pérsico que apenas os seus [...]

Como a ‘asabiyya’ do Iêmen está a remodelar a geopolítica
fotos

A palavra árabe Asabiyya, ou “solidariedade social”, é uma frase de efeito no Ocidente, mas levada muito a sério pelos [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!