Com cautela, Japão suspende a última etapa do estado de emergência

“O modelo japonês demonstrou sua força”, disse Abe, acrescentando que o governo diminuirá gradualmente as restrições a eventos como shows

Shinzo Abe
O primeiro-ministro Shinzo Abe suspendeu o estado de emergência do país. | REUTERS

A primeira fase da batalha do Japão contra o novo coronavírus terminou nesta segunda-feira (25/05), quando o governo rescindiu o estado de emergência em Hokkaido e na região metropolitana de Tóquio, abrindo caminho para uma nova realidade ainda cheia de incertezas.

Após consultar um painel consultivo composto por especialistas em doenças infecciosas, o governo suspendeu a declaração nas prefeituras de Hokkaido, Tóquio, Saitama, Chiba e Kanagawa, removendo a última das restrições. A declaração já havia sido aprovada em 39 províncias em 14 de maio e em três províncias na região de Kansai – Osaka, Hyogo e Kyoto – na última quinta-feira, antes da conclusão prevista para 31 de maio.

A decisão do governo de suspender a declaração antecipadamente destaca seu forte desejo de reativar a economia vacilante do país o mais rápido possível. No geral, o país conseguiu manter o número de mortes relativamente baixo em comparação com outros países e reduzir o número de novos pacientes com coronavírus aos limites estabelecidos pelo governo para reabertura.

Em uma entrevista coletiva na noite de segunda-feira, o primeiro-ministro Shinzo Abe elogiou a capacidade do país de achatar a curva e levantar a declaração de emergência em cerca de um mês e meio – sem medidas de bloqueio compulsórias vistas nos Estados Unidos e na Europa.

“O modelo japonês demonstrou sua força”, disse Abe, acrescentando que o governo diminuirá gradualmente as restrições a eventos como shows.

Ele acrescentou que o governo aprovará nesta segunda-feira um segundo pacote de orçamento suplementar para reforçar as medidas econômicas, e disse ainda que a escala total do primeiro e do segundo pacotes de ajuda será de cerca de 200 trilhões de ienes, cerca de 40% do PIB do país.

Ele também disse que o país introduzirá um aplicativo para smartphone até meados de junho, que enviará notificações para pessoas que tiveram contato próximo com uma pessoa infectada.

O ministro da revitalização econômica, Yasutoshi Nishimura, que lidera a resposta do governo ao coronavírus, disse que analisará a situação da infecção a cada três semanas para determinar se deve reduzir as restrições de passeios e realizar grandes eventos lotados.

“Não é possível fazer com que esta doença infecciosa causada pelo novo vírus desapareça”, disse Nishimura. “Somos capazes de elevar o estado de emergência suprimindo essa grande onda (de infecção), mas a infecção ocorrerá esporadicamente a partir de agora. Com base nessa premissa, é importante expandir as atividades econômicas e implementar medidas preventivas, e não negligencie as pequenas ondas antes que elas se tornem grandes. ”

O governo identificou três critérios para rescindir a declaração: uma proporção de pacientes recém-infectados por semana, de 0,5 ou menos por 100.000 pessoas, a estabilidade do sistema de saúde – levando em consideração o número de leitos hospitalares disponíveis e de pacientes com sintomas graves – e a capacidade de monitorar a infecção, inclusive através de testes.

Tóquio, Chiba e Saitama alcançaram a meta, com taxas de 0,36, 0,10 e 0,15, respectivamente, até domingo, segundo dados compilados pela emissora pública NHK.

Kanagawa e Hokkaido, no entanto ultrapassou a meta, com proporções de 0,70 e 0,76. No entanto, o governo começou a reduzir as restrições nessas duas prefeituras, julgando que são capazes de rastrear rotas de infecção, seus sistemas de saúde não estão sobrecarregados e o número geral de pacientes tem tendência de queda.

Embora o governo tenha expressado otimismo cauteloso e as empresas estejam reabrindo, é improvável que as atividades cotidianas retornem aos níveis pré-pandêmicos no futuro próximo.

Nesta segunda-feira de manhã, os passageiros inundaram as estações de trem, mas a maioria usavam máscaras.

No fim de semana passado, as lojas de departamentos nas grandes áreas metropolitanas de Tóquio retomaram suas operações, mas seus funcionários usavam protetores faciais transparentes e pulverizadores desinfetantes para as mãos dos clientes foram disponibilizados na entrada. Dados de telefone celular mostraram que as comparações nas principais estações de trem eram entre 40% e 70% menores no domingo, em comparação de antes da infecção começar a se espalhar.

De acordo com especialistas em doenças infecciosas, o país permanece em um estado de atenção, com muitos alertas de que a propagação do vírus continuará mesmo que não seja aparente.

As autoridades de saúde pública e os governos locais foram incumbidos de permanecer vigilantes, observando os primeiros sinais de transmissão enquanto executavam o mantra de “teste, rastreamento, isolamento e apoio” do país para evitar surtos.

O público também foi incentivado a adotar o que o governo descreve como uma abordagem de “novo estilo de vida” para combater o vírus, adotando medidas como o uso de máscaras, mantendo a distância social e o teletrabalho. As diretrizes do governo, que devem ser publicadas em breve, recomendam limitar o número de espectadores em shows e galerias de arte em até metade, antes de aumentar gradualmente a capacidade dos eventos.

Na semana passada, o governo metropolitano de Tóquio divulgou seus critérios para facilitar medidas de distanciamento social e solicitações voluntárias de fechamento de negócios com base em sete critérios que seriam avaliados em um período de duas semanas.

Abe impôs a declaração de emergência em sete prefeituras em 7 de abril e depois a expandiu para cobrir todo o país em 16 de abril. Ele decidiu estender a data efetiva até o final de maio, preocupando-se com o movimento de massa de pessoas antes e durante o “as férias da Semana Dourada”, entre o final de abril e o início de maio, poderia acelerar a transmissão de vírus e agravar a crise.

Na manhã de segunda-feira, cerca de 16.600 pessoas haviam sido infectadas com o novo coronavírus no Japão e aproximadamente 840 pessoas haviam morrido.

Fonte: Japan Time – Tradução OPP

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × dois =