Davos é um fóssil vivo de um império em guerra consigo mesmo e com o mundo

O Fórum Econômico Mundial dá-nos o privilégio excepcional de um estudo que só os fósseis vivos podem proporcionar.

fotos

Por Hugo Dionísio

O Fórum Econômico Mundial dá-nos o privilégio excepcional de um estudo que só os fósseis vivos podem proporcionar. Representante de uma época que podemos assumir estar em processo de superação, se não materialmente, pelo menos em termos da tendência observada, em Davos encontramos tudo o que é primordial da ideologia neoliberal e da supremacia ocidental, o seu potencial, as suas limitações e as próprias causas de sua destruição. Como um fóssil vivo, em cada palavra, em cada expressão, tema ou conclusão, encontramos as razões fundamentais pelas quais a espécie não venceu e não pôde vencer.

Davos fala-nos, sobretudo, de um problema de adaptação ao mundo real. A cada momento, o Fórum Econômico Mundial revelou toda a extensão do ressentimento, da amargura e da desilusão face a um mundo que revelou, e insiste em revelar, cada vez mais teimosamente, que não aceita as premissas que fariam do neoliberalismo uma hegemónica duradoura e universal. sistema.

Neste sentido, o Fórum de Davos é uma lição de moral. Uma lição moral do Ocidente à maioria global, numa espécie de grito recriminatório, para esta última por não aceitar as soluções que tão “sábia e racionalmente” teve de transmitir; mas também uma lição moral da maioria global ao Ocidente, que aproveitou todas as oportunidades, em todos os escassos momentos de atenção dispensados, para transmitir as razões pelas quais o contrato proposto nunca seria aceitável.

Os temas escolhidos revelam, sobretudo, as grandes preocupações e desilusões do Ocidente, bem como o que considera serem os alicerces de uma tentativa de regresso a um paradigma perdido. Um paradigma que, hoje, o Ocidente sente que lhe escapa.

O primeiro tema é emblemático e diz muito sobre o nível de desilusão: “Alcançar Segurança e Cooperação num Mundo Fraturado”. Se, por um lado, revela que o Ocidente se sente inseguro, ao escolher a “segurança” como um dos pontos de partida da sua análise, por outro lado, revela também as dificuldades que o Ocidente enfrenta para impor o seu modelo de “segurança”. cooperação”, que é cada vez mais relutantemente aceite pelos países da maioria global. O resultado e a causa ficaram bem refletidos no próprio tema, quando classificou o atual estado geopolítico como um “mundo fragmentado”.

Neste “mundo fragmentado” encontramos o alfa e o ômega do discurso hegemônico. A recusa cada vez mais explícita da maioria global em aceitar os ditames da “nação indispensável”, “a nação líder”, resulta, aos seus olhos, na fragmentação, num vácuo de poder. O sinal é claro: os EUA ainda lutam para encontrar o seu lugar no mundo e esta dificuldade constitui um perigo imenso. Os EUA nervosos, com uma crise de identidade e num estado de negação, são um perigo para si próprios, mas também são um perigo para os outros, especialmente considerando todo o potencial destrutivo à sua disposição. Ao escolher a “segurança”, quase podemos dizer que, no fundo, e sem nunca o admitir, os EUA sabem de onde realmente vem o problema.

As condições de “segurança” definidas pelos EUA também estão omnipresentes em Davos, como “espectador ausente”. Um mundo seguro é um mundo sem a Rússia, o país afastado, de forma autoritária e discricionária, do evento. Diz muito sobre um evento dito “mundial” que remove a maior potência nuclear e uma das duas maiores potências militares do planeta. É também o maior país do mundo em termos territoriais, com maior diversidade/número de recursos naturais, parceiro estratégico de países importantes que representam mais de metade da população mundial, como a China, a Índia e o Irão; líder tecnológico nas áreas espacial, aeroespacial, nuclear, naval e militar; e um dos maiores produtores de alimentos e cereais do mundo. Falar de “segurança”, “cooperação”, “energia”, “natureza” e “clima” sem envolver a Rússia só pode ser uma piada de mau gosto. Mas para os EUA, e portanto para Davos, um mundo “seguro” é um mundo sem contradições de qualquer tipo, e é por isso que não vemos nenhum dos renegados habituais como Cuba, Nicarágua ou a República Popular da Coreia. É a política externa dos EUA que nos diz quem faz ou não parte do “fórum mundial”.

Mas este conceito de “segurança” é aprofundado por um acontecimento espectacular, nunca visto na história da diplomacia: falar de paz entre dois países, envolvendo apenas um deles. Não lembraria nem mesmo os maiores ditadores da história, mesmo que fosse para se exibir. Com os EUA, os luminares da “democracia liberal”, nem mesmo para exibição. Na verdade, para enviar um sinal claro ao mundo de que, para o Fórum Econômico Mundial – desculpe, para os EUA – “segurança” significa “aceitar as condições unilaterais impostas sem pestanejar”, ​​o evento abre com uma conferência de imprensa sobre um reunião entre os Conselheiros de Segurança Nacional (dia 4) para alcançar uma “paz justa e duradoura na Ucrânia”.

Uma “paz justa” que não é negociada, mas imposta; uma paz com “justiça” que não envolva negociações com um dos países envolvidos no conflito; uma paz “duradoura” que foi construída à revelia pelos principais e mais fortes dos envolvidos. Bem-vindos àquilo que podemos chamar de política “Eu quero, posso e comando”, responsável pela derrota do Ocidente, como tão bem escreveu Emmanuel Todd no seu último livro “La Défaite de l’óccident”.

É claro que qualquer pessoa remotamente séria teria de questionar a credibilidade de tudo isto. Como é que se pretende fazer cumprir um plano de paz que não é negociado, mas imposto, além disso, por aqueles que não têm capacidade para o fazer? E aqui chegamos imediatamente ao objectivo fundamental do FEM: continuar a vender a ilusão de um mundo impossível, dominado em toda a extensão pelo Ocidente, e especialmente pelos EUA.

Reminiscente de uma era de “cooperação” em que as nações aceitavam ou eram imediatamente sancionadas, excluídas do comércio diplomático, político, financeiro, militar e mesmo cultural, todo o discurso sobre “segurança”, “cooperação” está enquadrado noutro conceito: “ reconstruir a confiança”.

Para os EUA e para o Ocidente coletivo, é tudo muito claro: a cooperação está em perigo porque “não há confiança entre as partes”. Mas, como acontece com tudo o que envolve a doutrina hegemônica e as narrativas comissionadas, a análise nunca vai tão longe quanto é necessário. Afinal de contas, se o fizesse, o FEM perderia rapidamente o seu efeito propagandístico e doutrinador. Talvez nem pudesse existir.

Portanto, não é surpreendente que um dos pilares teóricos do Fórum de Davos deste ano seja o “Barômetro de Cooperação Global 2024” em colaboração com o sempre pronto, competente e bem gerido Mackinsey. De acordo com este “Barômetro” — e especialmente considerando as palavras de Jane Harman (Freedom House, “pró-comércio livre”, “pró-mercado livre” e “progressista” (resta saber o quê) e ex-congressista) — a cooperação global está numa situação difícil. Claro que, olhando os dados, podemos perceber que em 2012 o índice de cooperação estaria em 0,87, em 2020 (período definido como referência) estaria em 0,97 e em 2022 estaria em 0,96. Por outras palavras, em 2012, quando os EUA ainda chafurdavam impunemente no seu poder hegemônico, o índice de cooperação era mais baixo. Então, por que está ruim agora?

A verdade é que, olhando para as diversas formas de cooperação definidas (comércio e capital; clima e natureza; inovação e tecnologia; saúde e bem-estar; paz e segurança), apenas duas estão abaixo dos níveis de 2020: saúde e bem-estar (pouco) e paz e segurança (muito menor). E a partir daqui compreendemos imediatamente a grande preocupação e o que está por detrás da agenda do FEM deste ano, e a razão do “problema” da Cooperação.

Mais uma vez, os EUA estão a dar-nos uma lição sobre a sua proverbial falta de vergonha: o que poderia ter acontecido para fazer com que a cooperação em segurança diminuísse tanto, especialmente desde 2015? O que motivou tal falta de confiança? Que país de repente rasgou todos os tratados de não-proliferação nuclear que tinha com a Rússia? Que país formou a QUAD, Aukus, expandiu a OTAN para a Europa Oriental, minando a confiança com dois dos principais centros de cooperação militar do mundo: a China e a Rússia? Que país cujos líderes falavam constantemente da “derrota estratégica da Rússia”; “a contenção da China” e “a aniquilação do Irã”? O que isto tem a ver com a deterioração dos níveis de confiança?

E quanto à saúde e ao bem-estar? Quem usou a Covid-19 como arma contra a China? Quem está a proliferar e tem proliferado laboratórios secretos de investigação biológica, especialmente em torno da Rússia e da China? Como disse, os relatórios e análises do Fórum Econômico Mundial têm uma virtude fantástica: todos vemos quem é o culpado, mas eles insistem em nunca apontar isso.

No único exemplo real de cooperação entre iguais, com respeito pela diversidade de cada um e capacidade de olhar para o que une, e não para o que separa, sem imposições, autoritarismos, birras e discrição; num exemplo concreto da emancipação dos países em desenvolvimento e revelando a sua capacidade de cooperar, unir e tomar o seu próprio futuro nas próprias mãos; o FEM achou por bem dar-lhe apenas um painel muito secundário, no qual o jornalista estava mais preocupado em desenterrar diferenças e divergências, em vez de pontos de cooperação real. Estou falando dos BRICS. Aqui tiramos duas conclusões imediatas: o modelo de cooperação entre iguais que os BRICS representam não é valorizado, mas sim condenado ao ostracismo, pelos EUA; os EUA e os seus vassalos ainda estão a tentar “vender” um modelo neocolonial de cooperação. Para os EUA, a cooperação é um jogo em que só uma pessoa ganha, razão pela qual o conceito de “coopetição” que foi introduzido é perfeito: revela toda a intenção por trás dessa “cooperação”, que é “competir” e aniquilar o adversário, fazendo-o acreditar que está “cooperando”. Acho que é demais para a China ter comprado a coisa, mas sabendo que os chineses jogam no longo prazo… vamos esperar para ver.

Então, por que o BRICS conseguiu um painel? Quer tenha sido porque os EUA queriam demonstrar que não têm medo de projetos de cooperação “menores”, ou porque sucumbiram a alguma pressão da China e da Índia para o provarem, o fato é que tiveram de aceitá-lo. No entanto, demonstra claramente o espaço que lhe atribuem no cenário das relações políticas globais. Vamos ver por quanto tempo eles conseguirão marginalizar esse bloco de interesses convergentes.

Porém, por outro lado, a realidade insiste em se impor e demonstrar que nada mudou, por mais narrativas que sejam criadas. Um exemplo concreto? A negociação do acordo UE-Mercosul. Depois de chegar a uma versão provisória do acordo, a UE enviou ao Brasil uma proposta final, contendo um anexo que prevê sanções a serem aplicadas aos países amazônicos em caso de descumprimento das metas de proteção da Floresta Amazônica. Tudo feito de forma unilateral, sem ouvir os stakeholders. Isto é o que “reconstruir a confiança” significa para o Ocidente.

Embora o Barómetro da Cooperação nos diga muito sobre o que o Fórum Econômico Mundial pretende, o “Relatório de Riscos Globais 2024” não é menos explícito. Aí encontramos a razão de ser de grande parte do discurso pseudocientífico que fervilha em torno do Fórum de Davos. O relatório deste ano aponta a “desinformação” como o principal risco. A recente derrota ocidental da narrativa sionista deve ter feito soar todas as sirenes. Acrescente a isso o fato de a maioria global não ter acreditado na narrativa ucraniana… Não há dúvida de que, atualmente, o ambiente não é muito propício a narrativas falaciosas dos EUA. Sobre como combater esta “desinformação”, somos também apresentados: no fórum falou-se em “educação”, na prática as redes sociais são censuradas; as pesquisas no Google são omitidas, os meios de comunicação social são controlados, os meios de comunicação social russos são censurados e jornalistas como Julien Assange são perseguidos.

O Fórum Econômico Mundial está a revelar-se embaraçosamente útil para os críticos dos EUA: as soluções que sugere para o futuro podem ser observadas em tempo real, completamente ao contrário, pelos EUA e pelos seus vassalos. É quase como se estivessem tentando nos dizer indiretamente: “Vocês veem essa medida? Os EUA e os seus vassalos estão a fazer o contrário”!

Mas os restantes temas são eles próprios indicativos das preocupações ocidentais: a escassez de mão-de-obra na “criação de crescimento e empregos para a nova era”, ao mesmo tempo que a União Europeia e os EUA impedem a dignificação das condições de trabalho das plataformas informáticas trabalhadores e é descoberto o escândalo, através do qual a Uber comprou o favor dos governos europeus e em que as tecnologias digitais são utilizadas para suprimir empregos e degradar salários; o domínio da inteligência artificial na “inteligência artificial como força motriz da economia e da sociedade”, ao mesmo tempo que trava a guerra dos semicondutores contra a China para impedir que ela e os seus aliados cheguem à fronteira tecnológica, especialmente no campo militar; o domínio da energia numa “estratégia climática de longo prazo, natureza e energia”, ao mesmo tempo que trava uma guerra pelo petróleo no Médio Oriente, tenta a internacionalização (ou será “ocidentalização”) da Floresta Amazônica e impõe o clima condições que impedem os países empobrecidos de se desenvolverem e afirmarem a sua soberania. Um verdadeiro menu de intenções maliciosas.

Para alguém que quer ensinar ao mundo uma lição sobre o futuro, a elite globalista de Davos comete demasiados pecados, que só podem ser explicados pelo seu proverbial complexo de superioridade. Em primeiro lugar, a arrogância, ao assumir que a elite ocidental tem algo a ensinar a alguém. O supremacismo, que está muito presente quando vemos Klaus Shwab elogiando o louco Milei por trazer “a Argentina de volta aos valores ocidentais”, demonstra o que Davos é, um centro de propaganda da ideia de civilização ocidental, mesmo às custas de um país destruído e um povo na mais abjeta miséria. Aqui, Klaus Shwab diz-nos: não importa se estão todos na miséria, desde que avancem em direção aos “valores ocidentais”.

O cinismo é outra característica das elites globalistas, neoliberais ou neoconservadoras. Davos é um festival de doutrinação do resto do mundo, à custa de apagar, silenciar e condicionar o debate crítico dos problemas, apenas dando voz à narrativa ocidental. Por fim, o elitismo daqueles que se consideram superiores aos outros também está muito presente na composição dos painéis, que são esmagadoramente ocidentais, maioritariamente americanos, com a menção ocasional de alguém do Sul global, só para se ter uma ideia. da diversidade.

Debate aberto, crítica, confronto de ideias, argumentação e contra-argumentação, cooperação real, no verdadeiro sentido da palavra, aproximando o que une e afastando o que separa, tomando decisões em conjunto e não contra alguém, respeito pelos valores étnicos, culturais e diversidade ideológica, como pressupõe uma visão verdadeiramente democrática, respeito pelas crenças, tradições e características de cada povo, como deveria ser uma visão universalista… Não vimos nada disto em Davos.

Em Davos assistimos a um império que luta consigo mesmo (com a “desinformação”) e com os outros (“segurança”), incapaz de encontrar um lugar num mundo que se recusa a vê-lo como superior… Daí a tentativa de vestir o monstro com trajes atraentes , mas que no entanto se revela pela sua brutalidade latente…

Como tudo… Davos vende o que ninguém quer comprar…. Daí todo o marketing!

strategic-culture.su

Related Posts
A ideia de confiscar ativos russos congelados e transferi-los para a Ucrânia prejudicaria gravemente os Estados Unidos – NYT
fotos

O confisco de ativos russos representa um perigo para a economia dos EUA, pois outros países verão isso como um [...]

Assim o neoliberalismo capturou a família
fotos

Nos anos 60, o sistema saiu em defesa desta instituição: desmontar o Estado, exigia que ela assumisse o ônus do [...]

O que nos dizem os mercados financeiros sobre Israel e a Ucrânia?
fotos

Uma série de drones russos, iranianos e até chineses deveria servir como um lembrete de que o mercado de ações, [...]

A bala de prata contra as invasões bárbaras do Ocidente: desdolarização do sistema internacional
fotos

A desdolarização é urgente como um imperativo ético e humanitário contra as invasões bárbaras do Ocidente

Os BRICS lançarão um novo mundo em 2024?
fotos

Os BRICS duplicaram o seu número de membros no início de 2024 e enfrentam enormes tarefas pela frente: integrar os [...]

A Internacionalização do Choque Neoliberal
fotos

Olhar para os dias de hoje, sob a luz da formulação revelada pela obra "A Doutrina do Choque", de Astrid [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!