Derrota dos EUA no Afeganistão – um contraste com a experiência soviética

A decisão do presidente Joe Biden de retirar “todas as tropas dos EUA” do Afeganistão (nem todas) foi uma decisão importante na história contemporânea do império dos EUA desde o fim da Guerra Fria

retirada
As tropas dos EUA em 2011 transportaram o Salang Pass durante a guerra no Afeganistão, a rota usada pelas forças soviéticas durante a intervenção, 32 anos antes. (Forças Armadas dos EUA, Michael Vanpool, Wikimedia Commons)

Por Asad AbuKhalil Especial para Consortium News

A decisão do presidente Joe Biden de retirar “todas as tropas dos EUA” do Afeganistão (nem todas) foi uma decisão importante na história contemporânea do império dos EUA desde o fim da Guerra Fria. A guerra dos EUA no Afeganistão durou mais do que a intervenção militar soviética no Afeganistão, mas a mídia ocidental nunca considerou o envolvimento dos EUA pelo que foi: uma tentativa de remodelar o Oriente Médio – e além – de acordo com os planos dos EUA. Muitos dos fatos relativos ao pano de fundo da intervenção americana raramente chegam às narrativas da mídia americana.

Há uma grande diferença entre a experiência dos EUA e da União Soviética no Afeganistão. A União Soviética nunca inventou grupos de exilados e os obrigou à população nativa do Afeganistão a governá-los. Apenas no nome, é claro, já que os militares dos Estados Unidos e a burocracia do serviço exterior realmente governaram o país. Assim como no Iraque, os EUA dependiam de fantoches, com muito pouca legitimidade popular na maioria dos casos, para governar em seu nome.

Ahmad Chalabi era um dos principais favoritos do governo Bush, e o homem que os EUA esperavam que levasse o Iraque à órbita americana e até mesmo à paz com Israel. Mas na última eleição iraquiana antes de sua morte, ele teve que se alinhar com o clérigo xiita Muqtada As-Sadr para garantir uma cadeira para si mesmo no parlamento iraquiano. O homem que foi fundamental para a inteligência e os militares dos EUA (e que recebeu o dinheiro de milhões de contribuintes para conduzir operações secretas em nome dos EUA) acabou se tornando um aliado do Irã e seus aliados na região.

Os soviéticos, por outro lado, dependiam de afegãos populares locais que tinham raízes profundas em seu país e que já haviam formado partidos políticos populares progressistas. Essas fotos em preto e branco, que mostram como o Afeganistão era secular, são apenas um testemunho do impacto do governo secular de esquerda ali.

Por mais que a intervenção soviética do Afeganistão tenha recebido cobertura da mídia dos EUA na época (lembre-se do correspondente da CBS Dan Rather vestindo o guarda-roupa afegão de Hollywood e promovendo o fanático mujahideen?), E tanto quanto os governos do Ocidente e do Golfo reclamaram e expressaram indignação com o chamado de excessos do exército soviético, o empreendimento de ocupação americana no Afeganistão provou ser muito mais brutal e devastador – mas com pouca atenção da mídia às violações dos direitos humanos dos EUA naquele país. O número de civis mortos no Afeganistão pelos Estados Unidos ou por seus aliados, muitas vezes excede o número de civis mortos por ano pelo Taleban .

afegãs
Mulheres na universidade no Afeganistão na década de 1970. Os EUA, que choram lágrimas de crocodilo sobre a situação das mulheres no Afeganistão, apoiaram os jihadistas na década de 1980 que acabaram com isso. (Amnistia Internacional do Reino Unido)

Preparando o povo para a invasão

Para cada invasão, os Estados Unidos preparam um conjunto de pontos de discussão de propaganda, e esses pontos são devidamente carregados na mídia ocidental como fatos. Esses pontos de discussão podem ser alterados dependendo da situação. Os EUA invadiram o Iraque pela primeira vez ostensivamente para livrar o país das “armas de destruição em massa”, mas quando nenhuma “armas de destruição em massa” foi encontrada, os EUA propuseram outro objetivo: estabelecer a democracia no Oriente Médio. E enquanto os Estados Unidos lutavam contra todas as tentativas de democratizar o Iraque e tentavam substituir as eleições livres por “eleições indiretas”, eles então surgiram com o objetivo de estabilizar o país (o país ainda não foi estabilizado).

No Afeganistão, os EUA invadiram para punir o Taleban pelos ataques de 11 de setembro, embora ainda não haja evidências de que a liderança do Taleban sabia dos planos de Osama bin Laden. Quando os EUA solicitaram que o governo do Taleban entregasse Bin Laden na esteira do 11 de setembro, o governo do Taleban (que tinha o reconhecimento diplomático de apenas três países – Arábia Saudita, Paquistão e Emirados Árabes Unidos – todos os principais aliados regionais dos EUA) seriamente considerou entregá-lo e pediu aos EUA que apresentassem evidências da culpa de Bin Laden.

Mas os EUA se recusaram a negociar porque tinham a intenção de invadir o país para dar uma lição e “ chutar alguns traseiros ”. Os EUA queriam uma guerra de vingança e 93% dos americanos apoiaram essa guerra na época (a invasão do Iraque não foi tão popular, mas ainda assim uma esmagadora maioria dos americanos a apoiou). O presidente George W. Bush aproveitou a ocasião para afirmar que os Estados Unidos queriam superar a Síndrome do Vietnã, embora seu pai tenha dito em 1991 que ela havia sido chutada de uma vez por todas . De qualquer forma, era tudo um mito, já que os EUA nunca pararam de intervir militarmente nos assuntos dos países e invadir desde o Vietnã, mas o Partido Republicano criou esse mito para racionalizar seus apelos por mais guerras e mais invasões.

força delta
Soldados da Força Delta disfarçados de civis afegãos, enquanto procuravam por Bin Laden em novembro de 2001. (Wikimedia Commons)

Na época da intervenção soviética, o Afeganistão estava dividido entre forças reacionárias, de orientação religiosa e obscurantistas e esquerdistas que desejavam uma agenda social progressista baseada no feminismo, no secularismo e na justiça social. Os EUA, é claro, se aliaram aos fanáticos reacionários e religiosos, que se apressaram em organizar, financiar e armar após a entrada dos militares soviéticos no país.

Bin Laden foi o produto direto do envolvimento dos EUA no Afeganistão, já que os EUA foram a parteira para o nascimento de uma força internacionalista de fanáticos religiosos, malucos e fanáticos. Os soviéticos enfrentaram uma série de forças regionais e internacionais que os EUA organizaram para minar os esforços de Moscou no Afeganistão e um regime afegão progressista. Com a ajuda especialmente da Arábia Saudita, Paquistão e jihadistas regionais, os EUA na década de 1980 infligiram uma guerra internacionalizada em toda a região da qual a região não se recuperaria, nem mesmo hoje.

Os soviéticos lidaram com sua guerra no Afeganistão de maneira bastante diferente. Eles não organizaram uma força internacional para apoiar seu regime aliado. Além disso, os comunistas mundiais falharam miseravelmente em ver o significado histórico do conflito afegão: eles não sabiam que a derrota do projeto progressista no Afeganistão teria graves repercussões no progresso em toda a região – se não no mundo.

Eles não viam a importância de derrotar o projeto reacionário ali; se eles tivessem se organizado – exatamente como o fizeram na Guerra Civil Espanhola – eles poderiam ter sido capazes de preservar a ordem progressista em Cabul. Foi uma oportunidade perdida de progresso em todo o mundo. A URSS não estava, ao que parecia, meramente defendendo um regime progressista no Afeganistão, mas estava defendendo a progressividade em terras muçulmanas em todo o mundo.

Em contraste, os Estados Unidos e as potências ocidentais em geral estavam promovendo forças reacionárias no mundo islâmico. E essas forças estavam em sincronia com o regime reacionário da Arábia Saudita, que aproveitou a oportunidade para colaborar – mais uma vez – com os EUA no combate aos progressistas árabes e muçulmanos.

Os EUA não enfrentaram no Afeganistão a gama internacionalista de forças que a URSS enfrentou. Washington formou uma coalizão internacional de vários governos ao redor do mundo – que, curiosamente, considerou a ocupação do Afeganistão pelos Estados Unidos como uma resposta justa ou vingança pelo 11 de setembro.

Derrota de hoje

Os EUA foram derrotados hoje no Afeganistão não por uma superpotência com militares avançados, mas por um exército maltrapilho de fanáticos locais que aperfeiçoaram e consolidaram seu fanatismo sob a tutela dos EUA, Arábia Saudita e Paquistão na década de 1980 para lutar contra os soviéticos.

Os EUA deixam o Afeganistão derrotado, enquanto geralmente culpam uma variedade de forças que nada têm a ver com os feitos americanos no país. O legado dos EUA é a destruição da vida na aldeia, o aumento do número de vítimas civis e a imposição de um governo de ladrões, estelionatários, usurpadores, funcionários do Banco Mundial e uma boa dose de criminosos de guerra que antes eram remendados na Aliança do Norte e seus aliados em sua guerra contra o Taleban.

Assim como expatriados iraquianos (como Chalabi e Kanaan Makiyya) garantiram a George W. Bush que os iraquianos nativos receberiam as tropas de ocupação dos EUA de braços abertos, um seleto grupo de expatriados afegãos garantiu a Bush que os afegãos acolheriam a ocupação americana para sempre. Mas os EUA não conseguiram entender por que os locais – em qualquer lugar – resistiriam ao domínio colonial dos EUA.

A mídia ocidental, especialmente o The Washington Post e o The New York Times, ficou horrorizada com a retirada do governo Biden do país após “apenas” 20 anos de ocupação. Eles perguntaram sobre o destino dos bons afegãos – ou seja, aqueles afegãos que trabalharam, traduziram, espionaram em nome dos militares dos EUA. Várias manchetes lamentavam o status das mulheres após a partida dos Estados Unidos: o que as mulheres muçulmanas fariam sem as tropas americanas?

Mas os militares dos Estados Unidos não poderiam sustentar a ocupação para sempre e a esperança de uma pacificação estável iludiu os Estados Unidos. Ao retirar suas forças do Afeganistão, é certo que os Estados Unidos, que nunca entenderam o país, o estão deixando em um estado muito pior do que quando começou sua intervenção há 40 anos.

Asad AbuKhalil é um professor libanês-americano de ciências políticas na California State University, Stanislaus. Ele é o autor do “Dicionário Histórico do Líbano” (1998), “Bin Laden, o Islã e a Nova Guerra da América contra o Terrorismo (2002) e“ A Batalha pela Arábia Saudita ”(2004).

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!