Do deserto à floresta: o milagre de Saihanba

floresta

Por Hu Ying da CGTN

Localizado na província de Hebei, no norte da China, o Parque Florestal Nacional de Saihanba se estende por 748,6 km² de floresta.

Saihanba já foi um retiro real graças ao seu clima frio de verão e área de caça, no entanto, a região se transformou em um deserto no final da Dinastia Qing devido a incêndios florestais, desmatamento e guerras constantes. Fortes ventos do norte da vizinha Região Autônoma da Mongólia Interior pioraram a situação.

saihanba
Foto fornecida à CGTN por Saihanba National Forest Park

A expansão do deserto também fez com que Pequim enfrentasse décadas de tempestades de areia, que ameaçaram seriamente o meio ambiente da capital. 

Mais de 350 silvicultores foram enviados pela primeira vez à região para lutar contra a desertificação já na década de 1960. O dever deles era reconstruir uma floresta em Saihanba, mas quando viram a extensão da desertificação na região, ninguém sabia se o objetivo era realista.

árvore solitária
Foto fornecida à CGTN por Saihanba National Forest Park

Foi só quando encontraram um lariço de 200 anos, balançando sozinho ao vento, que sua esperança em sua missão se reacendeu.

Chen Zhiqing, vice-diretor do Parque Florestal Nacional de Saihanba, disse que a única árvore provou que havia uma chance de construir uma cobertura floresta ali.

casebre
Foto fornecida à CGTN por Saihanba National Forest Park

Embora Saihanba fosse um deserto, os silvicultores tiveram que construir abrigos e plantar para si próprios. Eles também tiveram que suportar o inverno extremamente frio lá. As temperaturas costumam cair para 40 graus Celsius negativos. 

A guarda florestal aposentada Zhao Huiqin disse que ainda sentia frio, mesmo quando estava sentada ao lado do fogão.

Após 55 anos de esforços de três gerações de especialistas, Saihanba se tornou o maior parque florestal artificial do mundo. As copas também trouxeram ricos recursos naturais, como o sequestro de carbono.

reflorestamento
Foto CGTN

Atualmente a floresta absorve 747.000 toneladas de dióxido de carbono por ano, o que pode produzir um volume total de transações de mais de 30 milhões de yuans, de acordo com os preços atuais do mercado de comércio de emissões de carbono de Pequim.

A receita ajudará muito a manter a floresta e a melhorar o ecossistema do norte da China.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!