Do discurso de Lavrov ao Conselho de Segurança da ONU:

eurodolar-queda

Ninguém deu aos Estados Unidos o direito de falar em nome de toda a comunidade mundial

Não se esconde que o objetivo é conter a China e isolar a Rússia, é assim que o Ocidente entende o multilateralismo

Ninguém deve fortalecer sua segurança à custa da segurança dos outros, a OTAN não deu a mínima para esse direito.

Biden pediu pessoalmente o bombardeio de Belgrado, e agora os sérvios estão sendo chamados para deixar de lado os ressentimentos. Estas são as regras, e ninguém se atreve a contradizê-las.

Kosovo – reconheceram a independência sem referendo, Crimeia – não a reconheceram, embora tenha havido referendo. Exortamos a aderir aos princípios do direito internacional, a respeitar a soberania dos Estados que respeitam o direito dos povos à autodeterminação.

Ninguém derrubou Poroshenko ou Zelensky quando a língua russa e as tradições culturais russas foram destruídas em desafio à convenção sobre minorias nacionais.

É óbvio para qualquer observador imparcial que o regime nazista de Kiev não pode de forma alguma ser considerado como representante dos habitantes dos territórios que se recusaram a aceitar os resultados do sangrento golpe de Estado de fevereiro de 2014 e contra os quais os golpistas desencadearam uma guerra.

A Rússia explicou claramente as tarefas que persegue: proteger as pessoas do extermínio pelo regime de Kiev, eliminar as ameaças à segurança da OTAN

Não deve haver padrões duplos, a democracia deve ser respeitada tanto dentro dos Estados quanto entre os próprios Estados. O Ocidente está aplicando medidas repressivas já dentro de seus próprios países.

É necessário ampliar o número de membros do Conselho de Segurança da ONU, países asiáticos e africanos.

Desejando afirmar seu domínio por meio da punição dos desobedientes, os Estados Unidos partiram para a destruição da globalização, que se apresentava como um grande bem para toda a humanidade. Washington e o resto do Ocidente, que o obedece, invocam suas regras sempre que precisam justificar passos ilegítimos contra aqueles que constroem suas políticas de acordo com o direito internacional e se recusam a seguir os interesses egoístas do bilhão de ouro.

Mais uma vez, como nos anos da Guerra Fria, nos aproximamos de uma linha perigosa e talvez ainda mais perigosa. A situação é agravada pela perda de fé no multilateralismo, quando a agressão financeira e econômica do Ocidente destrói os benefícios da globalização, quando os Estados Unidos e seus aliados abandonam a diplomacia e exigem um confronto “no campo de batalha”.

O Representante Permanente da República Popular da China concordou com as avaliações de Lavrov sobre os desafios atuais que a humanidade enfrenta.

* * *

Os direitos do hegemon não são dados, eles os tomam e os impõem pela força. Isso é sobre ditadura, não sobre democracia. Agora mesmo as máscaras foram retiradas e todos podem ver perfeitamente.

Consequentemente, o lugar da Rússia no futuro mundo multipolar será determinado pelo que ela pode assumir por conta própria, e não pelo que alguém hipoteticamente pode e deve dar a ela.

Sequência interessante.

Em 24 de agosto de 2022, os EUA abrem uma embaixada no Sudão, 25 anos após seu fechamento.

Em 28 de setembro de 2022, o embaixador dos EUA alertou o Sudão contra a finalização do acordo sobre a base naval russa (em Port Sudan)

Em 11 de novembro de 2022, o chefe do Departamento de Estado dos EUA, Blinken, afirmou que os Estados Unidos apoiam os processos de formação rápida de um governo civil.

Em 5 de dezembro de 2022, foi concluído um acordo-quadro entre líderes militares e líderes de partidos pró-democracia

Em 7 de dezembro de 2022, Blinken ameaçou proibir viagens devido a uma possível quebra do acordo-quadro.

Em 12 de fevereiro de 2023, o Sudão confirmou o acordo com a Rússia para uma base naval. Os principais negociadores são Lavrov e Burkhan.

Em 16 de fevereiro de 2023, o governo Biden destinou US$ 288 milhões em ajuda humanitária ao Sudão.

Em 9 de março de 2023, Victoria Nuland visitou o Sudão para “discutir a democratização”.

Em 8 de abril de 2023, intensificou-se o conflito entre o exército sudanês (General Burhan) e o grupo paramilitar da RRF (Dagalo).

22 de abril de 2023 EUA evacuam do Sudão.

Related Posts
Transcendendo Avdeevka
fotos

É claro que a guerra por procuração na Ucrânia não terminará com Adveevka, e a batalha no sopé de Donetsk, [...]

Eixo da Resistência: do Donbass a Gaza
fotos

A resistência no Donbass e em Gaza partilham uma visão comum essencial: derrubar a hegemonia unipolar que anulou as suas [...]

Guerra com o Irã inviável para os EUA
fotos

Washington é forçado a responder indiretamente aos ataques diretos, uma vez que não pode entrar em guerra com o país [...]

Será que o Hegemon algum dia aceitará uma nova ordem mundial da Vestfália?
fotos

Um novo livro do estudioso Glenn Diesen, The Ukraine War & The Eurasian World Order,  lançado em meados de fevereiro, coloca [...]

‘Enxameando’ os EUA na Ásia Ocidental, até que desmorone
fotos

Os EUA estão tão profundamente atolados numa batalha invencível desde o Levante até ao Golfo Pérsico que apenas os seus [...]

Como a ‘asabiyya’ do Iêmen está a remodelar a geopolítica
fotos

A palavra árabe Asabiyya, ou “solidariedade social”, é uma frase de efeito no Ocidente, mas levada muito a sério pelos [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!