Efeito bumerangue: O Ocidente disparou sanções contra a Rússia, mas atingiu a si mesmo

Surgiram problemas não apenas na economia europeia, mas agora a população dos países da UE também será afetada. E isso é apenas o começo

gás natural

por Alexandre GRISHIN

Há alguns dias atrás, o vice-presidente do Conselho de Segurança da Federação Russa, Dmitry Medvedev, escreveu um post em uma das redes sociais, pedindo aos europeus em resposta às sanções contra a Rússia “se acostumem a viver com gás por 2 mil dólares” por mil metros cúbicos. Então alguns “especialistas” tentaram ridicularizá-lo. Disseram então: “O mundo inteiro” é contra a Rússia, e esse “mundo inteiro” nunca permitirá isso. Agora já podemos afirmar que Medvedev foi “excessivamente otimista” em seu prognóstico em relação ao Ocidente.

Pela razão de que os preços dos hidrocarbonetos não estão apenas quebrando recordes. Eles subiram para algumas alturas transcendentais. O petróleo já está sendo negociado em contratos futuros a US$ 138 por barril. O máximo histórico é de US$ 142, ​​mas nesse ritmo será superado em alguns dias.

Com o gás, a situação é ainda mais catastrófica para a Europa. Somente hoje, as cotações se alteram na velocidade de uma rajada de metralhadora. Aproximadamente uma vez a cada 15-20 minutos, um resumo das “operações de combate” na frente do gás leva outro marco. Cotações de $ 2.600 por mil metros cúbicos, $ 2.700, $ 2.800, o marco de $ 2.900 foi alcançado, a altura de $ 3.000 foi superada. E mesmo que o preço dos contrato de futuros caiam desses três mil, isso é apenas uma liberação tática de vapor. Não há razões para um declínio constante nos preços, especialmente depois que Washington anunciou sua mais recente iniciativa, que foi calorosamente aprovada por Kiev – de excluir a Rússia da OMC.

A população da Alemanha, Grã-Bretanha e dos mesmos EUA já está em choque. O crescimento nos pagamentos de serviços comunitários em 35, 40 e até 67% claramente não é o que os governos de seus países prometeram quando anunciaram as penalidades para a Rússia. Como o ex-primeiro-ministro da Itália escreveu em seu relato: “Eu também pensei que as sanções fossem impostas à Rússia até que eu me transformasse em um posto de gasolina”.

Nos EUA, os preços da gasolina chegaram perto de dois dólares por litro, e o diesel já ultrapassou essa linha. O custo de uma tonelada de carvão ultrapassou US$ 400. Praticamente não há alternativas para o setor de energia na Alemanha, por exemplo, em caso de renúncia de gás e carvão, já que há vários anos começaram a fechar ativamente usinas nucleares lá.

Mas este é apenas o começo. E não se trata apenas de aquecimento para a próxima temporada, embora todos os especialistas internacionais já tenham afirmado que o atual esgotamento do gás das instalações de Europa será muito difícil, quase impossível, de repor o estoque bombeando gás natural no verão.

Sob a ameaça, a mais real e quase inevitável – a segurança alimentar da Europa. Os preços do trigo subiram para mais de US$ 100 por bushel (uma medida de peso dos EUA, 1 bushel é 27,2 kg de trigo). Da mesma forma, o custo dos contratos de leguminosas está crescendo e assim por diante. Mas não se trata apenas de dinheiro. A Europa pode não conseguir encontrar alimentos fisicamente. O rendimento das colheitas está ameaçado devido à falta de fertilizantes (muitas empresas na Europa que produzem fertilizantes fecharam devido ao preço do gás, que é a matéria-prima para tal produção, e a exportação de fertilizantes da Rússia foi suspensa antes mesmo o início de todos esses eventos), e a Ucrânia, minha nossa!, a colheita deste ano dificilmente será suficiente para suas próprias necessidades. A campanha de semeadura na Ucrânia, já podemos dizer com confiança, fracassou. Porque não é só “semear”

A safra russa, depois de abastecer seu país, será inteiramente exportada para a China, que retirou todas as restrições à compra de trigo da Rússia, e para assistência humanitária à população da Ucrânia. E os dois maiores exportadores do mundo para uma série de itens de commodities no mercado de alimentos são a Rússia e a Ucrânia.

Para ser honesto, é até difícil imaginar agora toda a gama de problemas que já começaram a enfrentar o Ocidente, principalmente a Europa (mesmo porque os Estados Unidos permitiram que empresas americanas comprassem petróleo russo através de empresas intermediárias de terceiros países – são muito espertos, não?) e aqueles que ainda pode surgir. .

O mantra sobre a economia dilacerada do posto de gasolina do país (Rússia), que foi plantado intensamente em seu tempo por Barack Obama, formou uma seita daqueles que acreditam firmemente nele. Agora é hora deles ficarem sóbrios.

A Rússia também tem dificuldades. Estreias de quadrinhos de filmes americanos são proibidas. Agora muitas celebridades terão que se registrar no VK, porque o Tik-Tok deixou a Rússia, agora eles terão que procurar hotéis em viagens de negócios ligando com antecedência, e não podendo mais reservar um quarto em apenas alguns cliques no serviço correspondente. A excelente diva da ópera Netrebko foi demitida de Nova York e de alguma outra ópera, substituindo-a por uma solista de ópera medíocre da Ucrânia, quase esqueci, Valentin Yudashkin foi proibido de aparecer em alguma semana de moda. Existem muitas outras sanções semelhantes. Os liberais que fugiram da Rússia também serão bloqueados nos cartões bancários dos sistemas internacionais de pagamento. Aí que lástima!

Existem alguns problemas realmente sérios, mas a resposta russa já está funcionando em quase todos eles. Por exemplo, a Europa fechou os céus para aeronaves civis russas, mas por algum motivo agora as companhias aéreas estrangeiras estão começando a demitir ou enviar licenças indefinidas (muitas vezes sem remuneração) de seus pilotos e aeromoças. Porque não é lucrativo para eles voar de outra forma que não seja pelos céus da Rússia.

É claro que não vale a pena minimizar a importância das sanções. Mas a cada dia fica cada vez mais claro que, querendo “atirar” na Rússia, o Ocidente atirou em si mesmo. E não no pé, mas em órgãos muito mais vitais.

PS E outra coisa maravilhosa. O Ministério da Indústria e Comércio da Rússia “devido a dificuldades com a logística” recomendou que “as empresas químicas suspendam a exportação de derivados de metanol para a Europa”. E a participação dos produtores nacionais dessas substâncias no mercado da UE é de 40% (pentaeritritol) e 50% (urotropina). O que significa dificuldades não só grandes, mas muito grandes para…, como diz a mensagem do Ministério da Indústria e Comércio, “a indústria europeia de materiais de construção, farmacêutica, cosmética, química e outras”. Vamos voltar a desenvolver nossa produção. Não há mal sem o bem.

Ps.: O custo dos contratos futuros de gás na bolsa de Londres ultrapassou 3.800 dólares americanos por mil metros cúbicos. Como se vê, Dmitry Medvedev foi comedido e até gentil em seu prognóstico!

Compartilhar:

One thought on “Efeito bumerangue: O Ocidente disparou sanções contra a Rússia, mas atingiu a si mesmo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!