O Império da Mentira está ansioso para receber o cartão de visita do Sr. Sarmat

O único antídoto para a demência da propaganda é servido por vozes esparsas da razão, que por acaso são russas, assim silenciadas e/ou descartadas.

Sarmat
O novo míssil Sarmat, capaz de destruir uma região tão grande quanto a França.

Por Pepe Escobar

Especialmente desde o início da GWOT (Guerra Global ao Terror) no início do milênio, ninguém nunca perdeu dinheiro apostando contra a combinação tóxica de arrogância e ignorância implantada em série pelo Império do Caos e da Mentira.

O que passa por “análise” na vasta zona intelectual de exclusão aérea conhecida como Think Tankland dos EUA inclui balbucios de pensamento positivo como Pequim “acreditando” que Moscou desempenharia um papel coadjuvante no século chinês apenas para ver a Rússia, agora, no cenário geopolítico no banco do motorista.

Este é um exemplo adequado não apenas de paranoia franca russófoba/sinofóbica sobre o surgimento de concorrentes na Eurásia – o pesadelo anglo-americano primitivo – mas também de ignorância crassa sobre os pontos mais delicados da complexa parceria estratégica abrangente Rússia-China.

À medida que a Operação Z atinge metodicamente a Fase 2, os americanos – com uma vingança – também embarcaram em sua Fase 2 simétrica, que de fato se traduz como uma escalada direta em direção a Totalen Krieg, de tons de híbridos a incandescentes, tudo, é claro, por procuração. O notório vendedor de armas da Raytheon reconvertido na cabeça do Pentágono, Lloyd Austin, entregou o jogo em Kiev:

“Queremos ver a Rússia enfraquecida ao ponto de não poder fazer o tipo de coisa que fez ao invadir a Ucrânia.”

Então é isso: o Império quer aniquilar a Rússia. Por causa do frenesi de carregamentos ilimitados de armas da War Inc. descendo sobre a Ucrânia, a esmagadora maioria a caminho de ser devidamente eviscerada por ataques de precisão russos. Os americanos estão compartilhando informações 24 horas por dia, 7 dias por semana com Kiev, não apenas no Donbass e na Crimeia, mas também no território russo. A Totalen Krieg prossegue paralelamente à demolição controlada por engenharia da economia da UE, com a Comissão Europeia agindo alegremente como uma espécie de braço de relações públicas da OTAN.

Em meio à demência da propaganda com uma dissonância cognitiva aguda em toda a esfera do OTANstan, o único antídoto é servido por vozes esparsas da razão, que por acaso são russas, assim silenciadas e/ou descartadas. O Ocidente os ignora por sua própria conta e risco coletivo.

Patrushev vai Triple-X desplugado

Vamos começar com o discurso do Presidente Putin no Conselho de Legisladores em São Petersburgo, comemorando o Dia do Parlamentarismo Russo.

Putin demonstrou como uma “arma geopolítica” pouco nova, baseada em “russofobia e neonazistas”, aliada a esforços de “estrangulamento econômico”, não apenas não conseguiu sufocar a Rússia, mas impregnou no inconsciente coletivo o sentimento de um conflito existencial: um “Segunda Grande Guerra Patriótica”.

Com uma histeria fora do comum em todo o espectro, uma mensagem para um Império que ainda se recusa a ouvir, e nem mesmo entende o significado de “indivisibilidade da segurança”, tinha que ser inevitável:

“Gostaria de enfatizar mais uma vez que, se alguém pretende interferir nos eventos que ocorrem de fora e criar ameaças de natureza estratégica inaceitáveis ​​​​para a Rússia, eles devem saber que nossos ataques de retaliação serão rápidos como um raio. Temos todas as ferramentas para isso. Como ninguém pode se gabar agora. E não vamos nos gabar. Nós os usaremos se necessário. E eu quero que todos saibam sobre isso – nós tomamos todas as decisões sobre este assunto.”

Tradução: provocações ininterruptas podem levar Kinzhal, Zircon e Sarmat a serem forçados a apresentar seus cartões de visita em determinadas latitudes ocidentais, mesmo sem um convite oficial.

Provavelmente pela primeira vez desde o início da Operação Z, Putin fez uma distinção entre as operações militares no Donbass e no resto da Ucrânia. Isso se relaciona diretamente com a integração em andamento de Kherson, Zaporozhye e Kharkov, e implica que as Forças Armadas Russas continuarão indo e vindo, estabelecendo soberania não apenas nas Repúblicas Populares de Donetsk e Luhansk, mas também sobre Kherson, Zaporozhye e mais adiante no estrada do Mar de Azov para o Mar Negro, todo o caminho para estabelecer o controle total de Nikolaev e Odessa.

A fórmula é clara: “A Rússia não pode permitir a criação de territórios anti-russos em todo o país”.

Agora vamos passar para uma entrevista extremamente detalhada do Secretário do Conselho de Segurança Nikolai Patrushev para Rossiyskaya Gazeta, onde Patrushev meio que desligou o triplo X.

A principal lição pode estar aqui: “O colapso do mundo centrado nos Estados Unidos é uma realidade na qual é preciso viver e construir uma linha de comportamento ideal”. A “linha ideal de comportamento” da Rússia – para grande ira do hegemon universalista e unilateralista – apresenta “soberania, identidade cultural e espiritual e memória histórica”.

Patrushev mostra como “cenários trágicos de crises mundiais, tanto nos anos passados ​​quanto hoje, são impostos por Washington em seu desejo de consolidar sua hegemonia, resistindo ao colapso do mundo unipolar”. Os Estados Unidos não têm restrições “para garantir que outros centros do mundo multipolar nem ousem levantar a cabeça, e nosso país não apenas ousou, mas declarou publicamente que não jogaria pelas regras impostas”.

Patrushev não podia deixar de enfatizar como a War Inc. está literalmente matando na Ucrânia: “O complexo militar-industrial americano e europeu está exultante, porque graças à crise na Ucrânia, não tem trégua na ordem. Não é de surpreender que, ao contrário da Rússia, que está interessada na rápida conclusão de uma operação militar especial e minimizar as perdas de todos os lados, o Ocidente esteja determinado a adiá-la pelo menos até o último ucraniano”.

E isso reflete a psique das elites americanas: “Você está falando de um país cuja elite não é capaz de apreciar a vida de outras pessoas. Os americanos estão acostumados a andar em terra arrasada. Desde a Segunda Guerra Mundial, cidades inteiras foram arrasadas por bombardeios, incluindo bombardeios nucleares. Eles inundaram a selva vietnamita com veneno, bombardearam os sérvios com munições radioativas, queimaram iraquianos vivos com fósforo branco, ajudaram terroristas a envenenar sírios com cloro (…)

Anteriormente, em uma entrevista com o programa The Great Game na TV russa, o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, mais uma vez detalhou como os americanos “não insistem mais na implementação do direito internacional, mas no respeito à ‘ordem mundial baseada em regras ‘. Essas ‘regras’ não são decifradas de forma alguma. Dizem que agora existem poucas regras. Para nós, eles não existem. Existe direito internacional. Nós a respeitamos, assim como a Carta da ONU. A disposição-chave, o princípio principal é a igualdade soberana dos Estados. Os EUA violam flagrantemente suas obrigações sob a Carta da ONU quando promovem suas ‘regras’”.

Lavrov teve que enfatizar, mais uma vez, que a atual situação incandescente pode ser comparada à crise dos mísseis cubanos: “Naqueles anos, havia um canal de comunicação em que ambos os líderes confiavam. Agora não existe esse canal. Ninguém está tentando criá-lo.”

O Império das Mentiras, em seu estado atual, não faz diplomacia.

O ritmo do jogo no novo tabuleiro de xadrez

Em uma sutil referência ao trabalho de Sergei Glazyev, como explicou o Ministro Encarregado da Integração e Macroeconomia da União Econômica da Eurásia em nossa recente entrevista , Patrushev atingiu o coração do jogo geoeconômico atual, com a Rússia agora se movendo ativamente para um padrão-ouro : “Os especialistas estão trabalhando em um projeto proposto pela comunidade científica para criar um sistema monetário e financeiro de dois circuitos. Em particular, propõe-se determinar o valor do rublo, que deve ser garantido tanto pelo ouro quanto por um grupo de bens que são valores monetários, para colocar a taxa de câmbio do rublo em linha com a paridade do poder de compra real”.

Isso foi inevitável após o roubo total de mais de US$ 300 bilhões em reservas estrangeiras russas. Pode ter levado alguns dias para Moscou ser totalmente certificada, pois estava enfrentando Totalen Krieg. O corolário é que o Ocidente coletivo perdeu qualquer poder de influenciar as decisões russas. O ritmo do jogo no novo tabuleiro de xadrez está sendo definido pela Rússia.

No início da semana, em seu encontro com o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, Putin chegou a afirmar que estaria mais do que disposto a negociar – com apenas algumas condições: neutralidade ucraniana e status de autonomia para o Donbass. No entanto, agora todos sabem que é tarde demais. Para Washington no modo Totalen Krieg, a negociação é um anátema – e esse tem sido o caso desde o rescaldo da reunião Rússia-Ucrânia em Istambul no final de março.

Até agora, na Operação Z, as Forças Armadas russas usaram apenas 12% de seus soldados, 10% de seus caças, 7% de seus tanques, 5% de seus mísseis e 4% de sua artilharia. O dial da dor está definido para subir substancialmente – e com a liberação total de Mariupol e a resolução de uma forma ou de outra do caldeirão do Donbass, não há nada que a combinação de histeria/propaganda/armas implantado pelo ocidente coletivo possa fazer para alterar os fatos no mundo. terra.

Isso inclui jogadas desesperadas, como a descoberta pela SVR – inteligência estrangeira russa, que raramente comete erros. A SVR descobriu que o eixo Empire of Lies/War Inc. está pressionando não apenas por uma invasão polonesa de fato para anexar a Ucrânia Ocidental, sob a bandeira da “reunificação histórica”, mas também por uma invasão conjunta romena/ucraniana da Moldávia/Transnístria , com os “mantenedores da paz” romenos já se acumulando perto da fronteira com a Moldávia.

Washington, como sustenta o SVR, está planejando a jogada polonesa há mais de um mês. Iria “liderar por trás” (lembra-se da Líbia?), “encorajando” um “grupo de países” a ocupar a Ucrânia Ocidental. Portanto, a partição já está nos cartões. Se isso se concretizar, será fascinante apostar em quais locais Sarmat estaria inclinado a distribuir seu cartão de visita.

Compartilhar:

One thought on “O Império da Mentira está ansioso para receber o cartão de visita do Sr. Sarmat

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!