EUA continuam ameaçando o Nord Stream 2 e como uma vitória de Biden afetaria a Rússia

As iminentes sanções de Washington contra o Nord Stream 2 provocam fendas entre EUA e a União Européia

eleições usa
© EPA-EFE / TRACIE VAN AUKEN

Os Estados Unidos continuam sua cruzada contra o projeto de oleoduto Nord Stream 2. Nos próximos dias, ambas as casas do Congresso deverão concordar com um projeto de lei que amplie as sanções contra empresas europeias na construção do oleoduto. Segundo o jornal Izvestia, a linha dura de Washington que se opõe ao projeto já estragou e pode prejudicar ainda mais as relações entre os Estados Unidos e a Europa.

Os senadores americanos apresentaram restrições contra todos os participantes do trabalho de colocação de tubos, bem como as empresas envolvidas no seguro de navios e equipamentos técnicos. Segundo os EUA, a principal razão para essas restrições ao oleoduto é o desejo de impedir que a Europa se torne dependente do suprimento de energia russo. Ao mesmo tempo, Washington está claramente protegendo os interesses de seus próprios produtores de gás natural liquefeito, de olho no mercado europeu, escreveu. Os parceiros europeus da Gazprom serão os principais alvos das novas sanções americanas.

A Alemanha, a maior economia da UE, enfrentou as sanções iminentes com hostilidade. Segundo Oliver Hermes, presidente da Associação de Empresas Alemã Oriental, as ameaças de Washington criam riscos de investimento para a UE em torno de 12 bilhões de euros, e as sanções podem afetar cerca de 120 empresas de 12 países europeus.

Se as novas ameaças dos EUA se tornarem realidade, a Europa poderá introduzir contra-sanções, escreveu o jornal. Uma das opções mais óbvias é uma nova alta nos direitos de importação de mercadorias dos EUA – por exemplo, no GNL. A “guerra de deveres” já é um território familiar para a Europa e os Estados Unidos, a questão é para onde pode levar, observou Izvestia. O analista de mercado, Vladimir Rozhankovsky, disse ao jornal que esse confronto pode resultar em “nacionalismo dos mercados – a Europa lançará o rótulo ‘Buy European’ como slogan, enquanto os Estados Unidos dirão ‘Buy American’ e a China, respectivamente, pressionará ‘Buy China’.

Izvestia observa que esse padrão de produção e consumo só levará a um auto-isolamento ainda maior das economias nacionais e regionais no contexto da pandemia do COVID-19. As economias focadas no mercado internacional podem sofrer mais, incluindo os próprios EUA. Assim, ao tentar “desligar” o gás russo na Europa, Washington estará cortando o próprio ramo de negócio.

O que uma vitória eleitoral de Joe Biden significaria para a Rússia

Com as eleições presidenciais dos EUA agendadas para 3 de novembro, a pouco mais de três meses, o resultado parece ser cada vez mais imprevisível. A partir de junho, o ex-vice-presidente Joe Biden ultrapassou consistentemente Donald Trump nas pesquisas de opinião. Segundo especialistas entrevistados pela Kommersant, a potencial vitória de Biden pode ser decepcionante para as relações bilaterais com a Rússia.

Não se espera que Biden reconsidere radicalmente a política de sanções de Washington contra a Rússia. Segundo o diretor de programas do Conselho de Assuntos Internacionais da Rússia, Ivan Timofeev, Moscou enfrentará um de dois cenários: moderadamente negativo ou radicalmente negativo. Um cenário moderadamente negativo, segundo ele, é possível na ausência de uma nova “crise de interferência” e com a manutenção do status quo em áreas-chave das relações entre os dois países. “Especialmente aqueles que são as causas diretas das sanções.

Ao mesmo tempo, algum espaço para manobras pode aparecer em determinadas áreas. “Por exemplo, Joe Biden pode estar menos inclinado a pressionar a União Européia. Talvez ele possa fechar os olhos ao Nord Stream 2”, acrescentou Timofeev.

O controle de armas e a não proliferação de armas de destruição em massa talvez sejam as únicas áreas em que se espera que Biden faça progressos que sejam benéficos para a Rússia, escreveu Kommersant. Isso diz respeito ao novo acordo START (Tratado de Redução de Armas Estratégicas), que Biden já prometeu estender se eleito.

Fonte: Izvestia

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 + 10 =