Como as Redes de TV conservadoras americanas divulgam fake news e teorias da conspiração

Fenômeno mundial, a divulgação de fake news e teorias da conspiração, tem solo fértil nas grandes Redes de TV conservadoras americanas

fake news
Reprodução

Várias redes de TV inclinadas à direita foram forçadas a voltar atrás ou a reconhecer relatos que foram ao ar divulgando teorias da conspiração nas últimas semanas.

Nos últimos anos, houve muito foco de desinformação que se espalharam online através de grandes plataformas como YouTube e Facebook; no entanto, algumas das fake news mais prejudiciais vêm de redes de transmissão de TV que atingem milhões de americanos diariamente.

O Sinclair Broadcast Group pediu a dezenas de afiliadas locais nos EUA neste fim de semana que não divulgassem uma entrevista controversa realizada em seu programa “America This Week”, que divulgou teorias da conspiração de que o diretor do NIAID Anthony Fauci iniciou a pandemia de coronavírus.

  • A entrevista, realizada na semana passada, mostra a pesquisadora e ativista desacreditada Judy Mikovits, dizendo que acredita que Fauci “fabricou o coronavírus” em linhagens de macacos e enviou para Wuhan, na China.
  • Essa afirmação foi amplamente desacreditada por cientistas e autoridades de saúde.
  • A Sinclair depois esclareceu que “a empresa não apóia as alegações infundadas que já foram refutadas”.

O apresentador da Fox News , Jesse Waters, disse em uma entrevista no sábado com Eric Trump que o QAnon, um movimento da teoria da conspiração de extrema direita, “descobriu muitas coisas excelentes quando se trata de Epstein e do Deep State (Estado Profundo)”.

  • Mais tarde, ele esclareceu em uma declaração: “Ao discutir o duplo padrão de censura às grandes tecnologias, mencionei o grupo de conspiração QAnon, no qual não apoio ou acredito. Meus comentários não devem ser confundidos com credibilidade a essa plataforma marginal.”

A One America News Network (OANN), uma rede conservadora que se tornou a favorita recente do presidente Trump, também espalhou seu quinhão de informações falsas, mas, ao contrário de seus pares, tem sido mais relutante em pedir desculpas ou recuar esses segmentos.

  • No início deste ano, o presidente twittou uma teoria da conspiração promovida pela OANN de que um homem idoso que foi empurrado para o chão por policiais em Buffalo, Nova York, era membro do movimento antifascista marginal chamado Antifa.
  • A liderança da rede não se desculpou ou retrocedeu o comentário, embora tenham surgido relatos de que parte dos funcionários da rede ficou horrorizada com o relatório.

O público da OANN é pequeno em comparação com Sinclair e Fox, mas ainda está disponível em mais de 35 milhões de residências nos EUA, de acordo com a  Bloomberg . A Fox está disponível em mais de 80 milhões de residências e é rotineiramente classificada como a rede de notícias a cabo com a melhor classificação no país.

Mesmo os sites de grandes redes sociais, que geralmente são mais hesitantes do que as empresas tradicionais de mídia para remover informações erradas, reprimiram esses tipos específicos de conspiração.

A televisão, especialmente a televisão local, ainda é o principal local em que os americanos recebem suas notícias, de acordo com o Pew Research Center.

Fonte: Axios

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 + 12 =