Expansão dos BRICS abre oportunidades para influenciar a governança global

A ascensão econômica do BRICS também marca um importante desafio para a ‘ordem mundial liberal’ liderada pelos EUA

brics1

Por SWARAN SINGH

Nesta semana, os cinco chanceleres dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) se reunirão na Cidade do Cabo. No segundo dia do encontro, eles se juntarão a outros 15 ministros das Relações Exteriores representando a África, o Sul Global e as nações “Amigas dos BRICS”. Entre outras coisas, essas deliberações buscarão firmar a agenda da Cúpula do BRICS a ser realizada de 22 a 24 de agosto deste ano.

Quais são as questões centrais que devem envolver suas interações e o que torna o BRICS um fórum cada vez mais decisivo para a governança global?

BRICS 2.0

Em sua segunda década, o BRICS emergiu como o agrupamento mais poderoso do mundo, com crescente reconhecimento por ser a locomotiva do crescimento global. Mas a ascensão econômica do BRICS também marca uma importante deriva geopolítica, já que esse agrupamento passou a ser visto como uma alternativa à “ordem mundial liberal” liderada pelos EUA.

Por exemplo, o produto interno bruto coletivo dos BRICS ultrapassou o Grupo das Sete nações industrializadas avançadas, liderado pelos Estados Unidos. Em termos de paridade de poder de compra, enquanto o PIB coletivo do G7 encolheu de 50,42% do PIB mundial em 1982 para 30,39% em 2022, o PIB dos BRICS no mesmo período aumentou sua participação de 10,66% para 31,59%.

Além disso, enquanto a pandemia de Covid-19 desacelerou as economias do G7, as economias do BRICS – especialmente as da China e da Índia – continuaram mostrando forte potencial.

Além disso, a guerra na Ucrânia preparou o cenário para o BRICS se tornar cada vez mais visível, já que o grupo é visto como o parceiro mais confiável para a Rússia. Além da própria Rússia, nenhuma das outras quatro nações do BRICS apoiou qualquer uma das resoluções ocidentais para condenar as operações militares de Moscou. Eles também não colaboraram com as sanções econômicas ocidentais que buscam impor obrigações a outras nações.

De fato, o BRICS emergiu como a base de apoio singular que mantém a economia russa à tona. Além disso, enquanto os Estados Unidos estão ocupados formando uma coalizão de cerca de 50 nações para fornecer à Ucrânia seus esforços de guerra, a África do Sul, atual presidente, priorizou o BRICS desempenhando um papel maior no fim do conflito entre a Ucrânia e a Rússia.

Também individualmente, a China e a Índia têm explorado maneiras de facilitar o fim precoce da guerra na Ucrânia.

Isso reflete claramente o novo ousado BRICS. Diante do Tribunal Penal Internacional ter emitido mandados de prisão para o presidente Vladimir Putin por seus chamados crimes de guerra na Ucrânia, a África do Sul anunciou imunidade diplomática a todos os funcionários da Rússia. Essa confiança e entusiasmo dentro do BRICS e sobre o BRICS torna suas negociações interessantes e intrigantes, com implicações muito além dessas cinco nações.

expansão do BRICS

Por exemplo, cerca de duas dúzias de nações manifestaram interesse em ingressar no grupo BRICS. Cerca de 20 solicitaram formalmente a adesão, o que obviamente permaneceu congelado desde que a África do Sul ingressou no grupo BRIC original em 2011.

Esses candidatos incluem nações de todo o mundo: Argélia, Argentina, Bahrein, Bangladesh, Bielorrússia, Egito, Indonésia, Irã, Nigéria, Arábia Saudita, Senegal, Sudão, Tailândia, Tunísia, Uruguai, Venezuela, Zimbábue e assim por diante.

Também dentro do BRICS, a relutância dos países membros em se abrir testemunhou mudanças. A China costuma ser o maior defensor da expansão, enquanto a Índia é vista como a mais relutante. Ao longo dos anos, Rússia, Brasil e África do Sul – nessa ordem – também mostraram maior inclinação para agregar novos membros, embora cada um tenha suas próprias preferências.

A guerra na Ucrânia fez com que a Rússia se tornasse cada vez mais favorável à expansão do BRICS. Isso é impulsionado por sua necessidade de expandir sua base de apoio contra a censura e as sanções ocidentais.

Nova Delhi continua preocupada com a tentativa de Pequim de reunir mais amigos no fórum, o que pode resultar na marginalização da Índia. Mas com a Índia agora como a quinta maior economia do mundo, Nova Delhi pode ter suas próprias razões para apoiar nações amigas como Argentina, Indonésia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

Embora os membros do BRICS precisem chegar a um consenso sobre critérios detalhados e outras modalidades para a inclusão de novos membros, esse crescente interesse global certamente aumenta a credibilidade e a influência do BRICS na governança global.

A expansão do comércio intra-BRICS tem sido a principal ferramenta para fortalecer o fórum. Ultimamente, isso tem visto um foco crescente na exploração de alternativas para reduzir sua dependência do dólar americano, e a criação de uma moeda do BRICS deve estar no topo de sua agenda esta semana.

O congelamento de ativos russos pelo Ocidente tornou isso uma prioridade, onde alguns dos membros do BRICS já implementaram mecanismos para o uso de moedas locais. A China tem trabalhado na globalização de seu yuan. Nova Delhi também desenvolveu acordos para negociar rúpias indianas com 18 nações.

agenda da Índia

A Índia, que sediará duas cúpulas consecutivas – a da Organização de Cooperação de Xangai em 3 e 4 de julho, seguida pela reunião do Grupo dos Vinte de 9 a 10 de setembro – procurou usar essas reuniões multilaterais para desenvolver um consenso sobre sua própria agenda. Mas, além dessas preocupações, a reunião dos ministros das Relações Exteriores do BRICS esta semana verá as reuniões bilaterais do ministro das Relações Exteriores da Índia, Subrahmanyam Jaishankar, com a China e a Rússia atraindo atenção e interesse especiais.

A cúpula do G7 em Hiroshima, há duas semanas, viu o primeiro-ministro indiano Narendra Modi ter sua primeira reunião bilateral presencial desde o início da guerra na Ucrânia com o presidente Volodomyr Zelensky.

Durante a guerra, esses dois líderes falaram quatro vezes por telefone e, antes disso, eles se encontraram apenas brevemente na cúpula de mudança climática de Glasgow em 2021. Mas agora, após a reunião deste mês, o apelo de Modi para “levantar a voz contra as tentativas unilaterais de mudar o status quo”, mesmo que seja falado no contexto das tensões fronteiriças entre a Índia e a China, exigirá algumas explicações com a Rússia, amiga de longa data da Índia.

Isso também será visto no contexto da reunião de Modi com Vladimir Putin durante a Cúpula de Samarkand SCO em setembro passado, onde o primeiro-ministro indiano disse ao presidente russo que “a era de hoje não é uma era de guerra”, palavras que foram repetidas ad nauseam em ucraniano com narrativas da  mídia ocidental tentando pintá-los como um aviso da Índia para Moscou.

Da mesma forma, com a Índia se preparando para receber o presidente Xi Jinping nas cúpulas da SCO e do G20, isso criou fortes expectativas de que os dois lados encontrem um avanço em suas tensões fronteiriças.

Estes entrarão em breve em seu quarto ano, com ambos os lados mantendo desdobramentos avançados pesados, enquanto 18 rodadas de conversas de alto nível e mais de uma dúzia de reuniões interministeriais, além de reuniões entre seus ministros das Relações Exteriores e da Defesa, não foram muito úteis até agora. .

Na Cidade do Cabo, esta semana, os ministros das Relações Exteriores da Índia e da China terão seu terceiro encontro bilateral em três meses. A Índia sustenta que as relações bilaterais não podem ser normais até que o impasse na fronteira seja resolvido.

Conclusão

Todas essas equações bilaterais dos membros do BRICS devem impactar seus esforços na construção de um consenso multilateral sobre uma série de questões, desde a expansão do número de membros até iniciativas para enfrentar os desafios globais. Muitas dessas questões também são reverberadas em outros fóruns e terão um impacto direto nas negociações das próximas cúpulas da SCO, BRICS e G20.

O BRICS é visto hoje como a voz mais formidável do Sul Global na alta mesa das grandes potências da ordem mundial liderada pelos Estados Unidos pós-Segunda Guerra Mundial. Com a guerra na Ucrânia ampliando essa bipolaridade, o BRICS terá que caminhar com cuidado.

Em segundo lugar, o fato de o brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva se tornar o próximo presidente do BRICS em agosto também fortalecerá suas credenciais como uma alternativa à governança global liderada pelos EUA.

Para que o BRICS supere suas disjunções internas e aproveite suas oportunidades históricas, será necessário não apenas forte compreensão e confiança mútuas, mas sutileza diplomática cotidiana e previsão de iniciativas ousadas. E isso continuará sendo um trabalho em andamento, já que um BRICS expandido apenas tornará o consenso muito mais difícil de alcançar.

Fonte: asiatimes

Related Posts
Três destinos possíveis para os EUA num mundo multipolar
fotos

Dada a situação instável nos EUA, vale a pena analisar os possíveis impactos das mudanças geopolíticas na política externa americana. [...]

Pressão americana contra China e Indonésia: os detalhes por trás do desmantelamento da indústria de defesa brasileira
fotos

Intenção de sabotar triângulo industrial de defesa entre Brasil, China e Indonésia estaria por trás de liberação de crédito para [...]

O grande panorama por trás do voo da paz de Viktor, o Mediador
fotos

O panorama geral permanece: o futuro da “ordem internacional baseada em regras” está sendo decidido no solo negro de Novorossiya.

A cabala do lítio foi derrotada na Bolívia, mas venceu na Sérvia
fotos

Há indícios de que setores da população sérvia estão despertando para o perigo existencial à vida e à saúde representado [...]

Eurásia contra a OTAN: Rússia lidera a criação do Pacto Militar Multipolar
fotos

Proliferação de acordos de defesa coletiva promovida por Moscou deixa claro que a Federação Russa está criando uma espécie de [...]

“Precisamos de quebra-gelos” – e de mais parcerias estratégicas
fotos

O fórum de São Petersburgo ofereceu diversas sessões cruciais para discutir corredores de conectividade. Uma das principais foi a Rota do [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!