Fernanda Montenegro é ofendida por bolsonarista que prega o “extermínio da classe teatral”

fotos
Fernanda Montenegro Foto: Leo Aversa / Agência O Globo

A total incompatibilidade do bolsonarismo com qualquer verniz de civilização, sobretudo em relação à arte e à ciência, foi exibida outra vez na segunda-feira (23/09), quando uma pulga nomeada para diretor de artes cênicas da Funarte, um certo Alvim, chamou Fernanda Montenegro de “sórdida” e “mentirosa”.

fotos

O motivo foi um ensaio fotográfico, em que Fernanda aparece caracterizada como bruxa, que ilustra uma resenha de três livros sobre a caça às bruxas na Idade Média, publicada na revista literária “Quatro cinco um”, e uma entrevista sobre sua autobiografia.

Sentindo-se atingido – isto é, colocando-se, muito apropriadamente, no lugar dos queimadores de bruxas e de livros – escreveu o sujeito, em alguma rede antissocial:

“Um amigo meu, bem-intencionado, me perguntou hoje se não era hora de mudar de estratégia e chamar a classe artística pra dialogar. Não, absolutamente não. Trata-se de uma guerra irrevogável. A foto da sórdida Fernanda Montenegro como bruxa sendo queimada em fogueira de livros, publicada hoje na capa de uma revista esquerdista, mostra muito bem a canalhice abissal destas pessoas, assim como demonstra a SEPARAÇÃO entre eles e o povo brasileiro. Temos, sim, que promover uma RENOVAÇÃO completa da classe teatral brasileira. É o ÚNICO jeito de criarmos um RENASCIMENTO da Arte no Teatro nacional. Porque a classe teatral que aí está é radicalmente PODRE. E com gente hipócrita e canalha como eles, que mentem diariamente, deturpando os valores mais nobres de nossa civilização, propagando suas nefastas agendas progressistas, denegrindo nossa sagrada herança judaico-cristã, bom – com essa corja”.

É quase chover no molhado dizer que Fernanda Montenegro é um consenso nacional como grande atriz. Até o marechal Castello Branco, primeiro presidente da ditadura, achava isso – e já naquela época.

Além disso, Fernanda vai fazer, agora em outubro, 90 anos de idade – o que, por si só, deveria merecer respeito.

Entretanto, esse débil mental parece seguir o seu chefe: não respeita nada, nem conhece o seu lugar.

O que provocou o estrebucho do diretor da Funarte foi que o obscurantismo, o fascismo, a estupidez, contam com o repúdio geral da “classe teatral”. Certamente, ele considera que Fernanda é a condensação da nossa “classe teatral”.

Ser insultada por um fascista, sobretudo por esses motivos, é mais uma honra que Fernanda pode acrescentar àquelas que já recebeu nestes anos todos.

Sobretudo nessa condição, em que um anormal quer “promover uma RENOVAÇÃO completa da classe teatral brasileira”.

É verdade que isso é uma fantasmagoria nazista, mais do que alguma realidade ou possibilidade. Mas, exatamente por isso, expõe qual é o plano bolsonarista para o teatro: liquidar a “classe teatral”, isto é, liquidar o teatro.

Como seria possível “uma RENOVAÇÃO completa da classe teatral brasileira” sem eliminar a única “classe teatral” que existe no Brasil, proibindo-a de fazer teatro – ou coisa pior?

Na segunda-feira, a solidariedade à Fernanda foi muito além dos que fazem teatro – ia de Nelson Sargento a Ciro Gomes e ao prefeito de São Paulo, Bruno Covas.

Até o presidente da Funarte, Miguel Proença, declarou-se “completamente chocado” com as ofensas expelidas pelo diretor (de Artes Cênicas!) da instituição, em nome da qual enviou as suas desculpas a Fernanda. Além disso, pediu audiência a ministro da Cidadania, Osmar Terra, sob o qual está a Funarte, para “tomar providências”.

A Associação dos Produtores de Teatro do Rio de Janeiro (APTR) emitiu nota em que ” repudia veementemente as declarações do diretor de Artes Cênicas da Funarte, Sr. Roberto Alvim, em suas redes sociais, onde classifica o não diálogo com a classe artística como uma “guerra irrevogável.

” Com a mesma intensidade, repudiamos a classificação da fala de dona Fernanda Montenegro como infantil, mentirosa e canalha. É absolutamente inadmissível que uma atriz com a sua trajetória seja atacada em seu livre exercício de expressão.

” Desde que o mundo é mundo, as identidades de todos os povos são construídas através de símbolos, plenos de significados, originando histórias transmitidas de geração em geração. Por este motivo, quando o objetivo é destruir algo, o alvo é sempre o sagrado, o simbólico ou aquilo de maior valor afetivo“.

Fonte: HP

Related Posts
“A justiça ainda não foi feita”, diz viúva do músico Evaldo Rosa
fotos

Julgamento de militares que assassinaram músico com tiros de fuzil no Rio de Janeiro será realizado nesta quinta no STM

Multas por desmatamento na Amazônia caem 90% em janeiro com protesto de fiscais do Ibama
fotos

Após um ano de intensa fiscalização, que teve como resultado mais visível a queda de 50% nos alertas de desmatamento [...]

Quais são as organizações que promovem “terapias” de conversão sexual no Brasil
fotos

Filho e neto de pastores, Betuel, 23 anos, foi coagido a participar de cultos de libertação da Igreja Quadrangular quando [...]

No Brasil, falta de auditores fiscais dificulta combate ao trabalho escravo
fotos

De janeiro até o último dia 21, os auditores fiscais do trabalho resgataram 2.847 pessoas exploradas em condição análoga à [...]

Onda de calor: Brasil já passa mais de 50 dias ao ano sob altas temperaturas
fotos

Ocorrência do evento extremo aumentou em 6 décadas; entre 1961 e 1990 não passavam de 7 os dias com ondas [...]

Em 6 anos, o limite seguro para o aquecimento global será ultrapassado
queimadas

De acordo com um novo estudo, as emissões globais de carbono excederão os limites de segurança até 2030, o que [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!