Ferrovia queniana construída com ajuda da China vai a todo vapor

fotos
Trem de passageiros é visto sob uma ponte da ferrovia construída pela China que liga a capital queniana Nairobi a Mombasa e Naivasha em 2017. CHEN CHENG / XINHUA

A China vem se tornando um grande parceiro da África, principalmente no setor de infraestrutura, setor este ainda muito carente no continente. Os resultados da ferrovia queniana construída com ajuda chinesa demonstra que a parceria traz grandes benefícios e desenvolvimento para região.

Lucros sobem 135% na linha de peças construídas com apoio chinês para servir a África Oriental

A ferrovia construída na China que liga a capital queniana Nairobi a Mombasa e Naivasha registrou um aumento de 135% nos lucros nos primeiros nove meses de 2019.

Os ganhos de US $ 88 milhões no período superaram os US $ 37 milhões registrados no período correspondente em 2018, impulsionados principalmente pelo aumento do volume de cargas, informou o Bureau Nacional de Estatísticas do Quênia.

Os lucros do frete na ferrovia de bitola padrão Mombasa-Nairobi-Naivasha, ou (Standard Gauge Railway-SGR), subiram para US $ 75 milhões nos nove meses, dos US $ 26 milhões registrado no período do ano anterior, mostra o relatório da agência.

Por outro lado, os ganhos com serviços de passageiros chegaram a US $ 13 milhões, dos US $ 11 milhões registrados nos primeiros nove meses de 2018.

Gilbert Lagat, funcionário do Conselho de Embarcadores da África Oriental, disse que o SGR é um fator decisivo no setor de transporte e logística do Quênia, porque tornou não apenas conveniente, mas barato, transportar mercadorias de e para o principal porto do Quênia em Mombasa.

“O SGR oferece um modo de transporte rápido a preços mais baixos, com segurança garantida e é por isso que está atraindo muitos importadores e exportadores que desejam que sua carga seja entregue a tempo”, disse Lagat.

A ferrovia foi construída com financiamento de US $ 3,6 bilhões do Banco de Exportação e Importação da China em maio de 2014 e a construção foi realizada pela China Communications Construction Company, também conhecida como CCCC.

Serviço de Carga

Jason Reynard, executivo-chefe das operações da África Oriental do Bollore Transport and Logistics Group, com sede em Paris, disse que o SGR reduziu a quantidade de carga transportada por estrada.

Essa tendência fez com que a empresa reestruturasse suas operações mudando suas funções de importação de frete marítimo de Mombasa para Nairobi. Essa mudança garantiria a sobrevivência da empresa no novo ambiente operacional, disse ele.

“Os negócios do Quênia desempenham um papel importante em nossas operações regionais e globais e nosso escritório de Nairóbi continuará a sediar nossa sede na África Oriental”.

As rotas de transporte no Quênia servem a maioria dos países sem litoral do leste da África. Com a nova ferrovia, o tráfego de contêineres cresceu exponencialmente. O Depósito Interno de Contêineres (Inland Container Depot – ICD), em Nairobi, movimentou até sete trens de carga por dia em 2019, muito acima se comparado a apenas um quando o serviço de frete SGR foi lançado em dezembro de 2017.

A construção de um ICD de 45.000 metros quadrados na cidade de Naivasha está quase concluída. O projeto, financiado pelo governo chinês, está sendo construído pela China Roads and Bridges Company, uma entidade afiliada à CCCC.

Com uma capacidade de carga de 2 milhões de toneladas por ano, espera-se que o ICD melhore ainda mais os serviços de frete da África Oriental, com rotas aprimoradas para Uganda, Ruanda e outros países da região.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!