Golpe para os EUA: China e Rússia estão apagando o dólar de seu comércio rumo a uma “aliança financeira”

Rússia e China estão unindo esforços para reduzir sua dependência do dólar, o que, segundo alguns especialistas, pode levar a uma “aliança financeira” entre as duas nações, escreve  o cientista político americano Dimitri Simes em artigo para a revista japonesa  Nikkei Asian Review 

desdolarização
Reprodução

Moscou e Pequim reduziram drasticamente o uso do dólar no comércio bilateral nos últimos anos. Em 2015, aproximadamente  90% das transações bilaterais  foram em dólares americanos. No entanto, após o início da guerra comercial declarada por Washington e um impulso comum da Rússia e da China para se afastarem do dólar, o valor caiu para 51% em 2019.

No primeiro trimestre de 2020, a participação do dólar caiu para 46%, enquanto a do euro atingiu uma alta histórica de 30% e a das moedas nacionais, de 24% (esta também é uma nova alta), aponta para o meio.

Em junho do ano passado, os dois países  assinaram  um acordo para utilizar suas moedas nacionais no comércio bilateral, no âmbito do processo de desdolarização anunciado em 2018.

Alexei Máslov, diretor do Instituto de Estudos do Extremo Oriente da Academia Russa de Ciências, garantiu à revista que a desdolarização do comércio entre a Rússia e a China se aproxima de um  “momento decisivo ” que pode elevar sua relação a uma aliança de fato.

O início da desdolarização remonta a 2014, quando o Ocidente impôs sanções à Rússia devido a reunificação da Crimeia. Pequim, por sua vez, foi forçada a aderir ao processo depois que o presidente Donald Trump impôs tarifas sobre produtos chineses no valor de várias centenas de bilhões de dólares.

 

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 − três =