Ignorância domina posição ocidental sobre crise na Ucrânia

Mas eles não têm problemas em emitir avisos intermináveis ​​para se preparar para a iminente invasão russa, que por algum motivo nunca chega.

otan
A secretária de Relações Exteriores do Reino Unido, Elizabeth Truss, se reúne com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, em Nova York, em 20 de setembro de 2021. Foto: Departamento de Estado dos EUA / WikiMedia Commons

Por GREGÓRIO CLARK

Em 8 de dezembro de 2021, a recém-nomeada secretária de Relações Exteriores britânica Liz Truss disse a uma audiência da Chatham House que o Reino Unido estava tentando construir uma “rede de liberdade” em todo o mundo.

Em 30 de janeiro de 2022, Truss, falando no programa Sunday Morning da British Broadcasting Corporation sobre medidas para impedir a “agressão” russa, disse que “estamos fornecendo e oferecendo apoio extra aos nossos aliados do Báltico em todo o Mar Negro”. Na última contagem, nenhuma nação báltica pôde ser encontrada no Mar Negro.

Chegando em Moscou, ela disse ao seu colega, o inteligente e altamente experiente Sergey Lavrov, que as áreas ucranianas ao redor de Rostov e Voronezh estavam sendo ameaçadas pelos exércitos de Vladimir Putin.

Lavrov então teve que explicar pacientemente a ela que essas áreas são russas há muito tempo e não enfrentam ameaça de invasão.

E assim continua, com grande parte da conversa corajosa sobre confrontar a Rússia vindo de pessoas como Truss, que provavelmente têm pouca ideia de onde fica a Ucrânia, muito menos como e onde a Rússia deve ser confrontada.

Mas eles não têm problemas em emitir avisos intermináveis ​​para se preparar para a iminente invasão russa, que por algum motivo nunca acontece e que Moscou nega ter qualquer intenção de fazer de qualquer maneira.

O bom senso sugere que há muito tempo Moscou tem duas outras razões muito mais compreensíveis para enviar tropas para perto das fronteiras da Ucrânia. Uma delas é encorajar Kiev a cumprir o Protocolo de Minsk que assinou em 2014 junto com outras potências europeias ansiosas por acabar com uma sangrenta guerra civil que forçou elementos pró-Rússia nos pequenos redutos de Donetsk e Lugansk ao longo da fronteira com a Rússia.

O Protocolo pedia um governo autônomo temporário em Donetsk e Lugansk sob uma lei de “status especial” e a realização de eleições locais lá. Conceder autonomia a parte de um país não é grande coisa. Muitos outros fazem isso por diferenças linguísticas ou outras; Quebec no Canadá é um bom exemplo. Alguns fazem isso apenas por conveniência administrativa.

 

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!