Irã-Rússia armaram uma armadilha ocidental na Palestina

fotos
Reprodução

Por Pepe Escobar

A parceria estratégica Rússia-Irâ – com a China nos bastidores – está a preparar uma armadilha elaborada, com o toque de Sun Tzu, para o Hegemon na Ásia Ocidental. 

Além de Israel, não há nenhuma entidade no planeta capaz de desviar o foco, num piscar de olhos, do espectacular desastre do Ocidente na Ucrânia. 

Os fomentadores da guerra encarregados da política externa dos EUA, e não propriamente os partidários bismarckianos, acreditam que se o Projeto Ucrânia for inatingível, o Projeto Solução Final na Palestina poderá, em vez disso, ser uma moleza – de limpeza étnica. 

Um cenário mais plausível, porém, é que o Irâ-Rússia – e o novo “eixo do mal” Rússia-China-Irâ – tenham tudo o que é necessário para arrastar o Hegemon para um segundo atoleiro. É tudo uma questão de usar as oscilações desconcertantes do próprio inimigo para desequilibrá-lo e desorientá-lo até o esquecimento.

A ilusão da Casa Branca de que as Guerras Eternas na Ucrânia e em Israel estão inscritas no mesmo impulso elevado de “democracia” e são essenciais para os interesses nacionais dos EUA, já saiu pela culatra – mesmo entre a opinião pública americana. 

Isso não impede  que gritos e sussurros ao longo de Beltway revelem que os neoconservadores dos EUA, aliados de Israel, estão a aumentar o ritmo para provocar o Irâ – através de uma proverbial bandeira falsa que levaria a um ataque americano. Esse cenário do Armagedon enquadra-se perfeitamente na psicopatia bíblica do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu.

Os vassalos seriam forçados a obedecer humildemente. Os chefes de Estado da OTAN foram diretos a visitar Israel para demonstrar o seu apoio incondicional a Tel Aviv – incluindo o grego Kyriakos Mitsotakis, a italiana Giorgia Meloni, o britânico Rishi Sunak, o alemão Olaf Scholz, o inquilino senil na Casa Branca, e o francês Emmanuel Macron. 

Vingando o “século de humilhação” árabe 

Até agora, o movimento de resistência libanês Hezbollah tem demonstrado uma moderação extraordinária ao não morder qualquer isca. O Hezbollah apoia a resistência palestina no seu conjunto – e até há alguns anos atrás, tinha sérios problemas com o Hamas, com quem entrou em confronto na Síria. O Hamas, aliás, embora parcialmente financiado pelo Irâ, não é dirigido pelo Irâ. Por mais que Teerã apoie a causa palestina, os grupos de resistência palestinos tomam as suas próprias decisões. 

A grande notícia é que todas essas questões estão agora se dissolvendo. Tanto o Hamas quanto a Jihad Islâmica Palestina (PIJ) foram ao Líbano para visitar pessoalmente o secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, esta semana. Isto significa unidade de propósito – ou o que o Eixo de Resistência da região chama de “Unidade de Frentes”.   

Ainda mais reveladora foi a visita do Hamas a Moscou esta semana, que foi recebida com a fúria impotente de Israel. A delegação do Hamas foi chefiada por um membro do seu Politburo, Abu Marzouk. O vice-ministro das Relações Exteriores do Irã, Ali Bagheri, veio especialmente de Teerã e se encontrou com dois dos principais auxiliares do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Lavrov, Sergei Ryabkov e Mikhail Galuzin.  

Isto significa que o Hamas, o Irâ e a Rússia negociam na mesma mesa. 

O Hamas apelou aos milhões de palestinos da diáspora, bem como a todo o mundo árabe e a todas as terras do Islã, para se unirem. Lenta mas seguramente, um padrão pode ser discernido: poderia o mundo árabe – e grandes áreas do Islã – estar prestes a unir-se significativamente para vingar o seu próprio “século de humilhação” – tal como os chineses fizeram após a Segunda Guerra Mundial com Mao Zedong e Deng? Xiaoping ? 

Pequim, através da sua diplomacia sofisticada, está certamente a insinuar isso aos principais intervenientes, mesmo antes de a aproximação pioneira entre o Irâ e a Arábia Saudita, mediada pela Rússia e a China, ter sido alcançada no início deste ano. 

Isso por si só não irá frustrar a obsessão perpétua dos neoconservadores dos EUA em bombardear infra-estruturas críticas no Irâ. Com valor inferior a zero quando se trata de ciência militar, estes neoconservadores ignoram como a retaliação iraniana atingiria – com precisão – cada uma das bases dos EUA no Iraque e na Síria, sendo o Golfo Pérsico um caso aberto. 

O inigualável analista militar russo Andrei Martyanov mostrou o que poderia acontecer àquelas caras banheiras de ferro americanas no Mediterrâneo Oriental no caso de um ataque ao Irã ameaçado por Israel.   

Além disso, há pelo menos  1.000 soldados dos EUA no norte da Síria a roubar o petróleo do país – o que também se tornaria um alvo imediato. 

Ali Fadavi ,  vice-comandante-em-chefe do IRGC, foi direto ao ponto: “Temos tecnologias no campo militar que ninguém conhece, e os americanos saberão delas quando as usarmos”.

Sugestão para os mísseis hipersônicos Fattah Iranianos – primos do Khinzal e do DF-27 – viajando a Mach 15 e capazes de atingir qualquer alvo em Israel em 400 segundos.  

E acrescente a isso a sofisticada guerra eletrônica russa (EW). Tal como confirmado em Moscou há seis meses, no que diz respeito à interligação militar, os iranianos disseram aos russos na mesma mesa: “o que precisarem, basta pedir”. O mesmo se aplica vice-versa, porque o inimigo mútuo é o mesmo.

É tudo sobre o Estreito de Ormuz 

O cerne da questão em qualquer estratégia Rússia-Irâ é o Estreito de Ormuz, através do qual transitam pelo menos 20% do petróleo mundial (quase 17 milhões de barris por dia) mais 18% do gás natural liquefeito (GNL), o que equivale a pelo menos 3,5 bilhões de pés cúbicos por dia.  

O Irã consegue bloquear o Estreito de Ormuz num piscar de olhos. Para começar, isso seria uma espécie de retribuição poética e justa a Israel que pretende devorar, ilegalmente, todo o gás natural multibilionário  descoberto ao largo de Gaza : esta é, aliás, uma das razões absolutamente chave para a limpeza étnica da Palestina. 

No entanto, o verdadeiro negócio será derrubar a estrutura de derivados de 618 bilhões de dólares concebida pela Wall Street, como confirmado durante anos por analistas da Goldman Sachs e JP Morgan, bem como por comerciantes independentes de energia do Golfo Pérsico. 

Assim, quando a pressão chega – e muito além da defesa da Palestina e num cenário de Guerra Total – não apenas a Rússia-Irâ, mas os principais intervenientes do mundo árabe prestes a tornarem-se membros do BRICS 11 – como a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos – têm o que é preciso para derrubar o sistema financeiro dos EUA sempre que quiserem.  

Como sublinha um antigo representante do Estado Profundo, agora em atividade na Europa Central: 

“As nações islâmicas têm a vantagem econômica. Podem explodir o sistema financeiro internacional cortando o petróleo. Eles não precisam disparar um único tiro. O Irâ e a Arábia Saudita estão aliados. A crise de 2008 exigiu 29 bilhões de dólares para ser resolvida, mas esta, caso acontecesse, não poderia ser resolvida nem com 100 bilhões de dólares em instrumentos fiduciários.”

Tal como me disseram os comerciantes do Golfo Pérsico, um cenário possível é a OPEP começar a sancionar a Europa, primeiro a partir do Kuwait e depois espalhando-se de um país da OPEP para outro e para todos os países que tratam o mundo muçulmano como inimigos e alimento de guerra. 

O primeiro-ministro iraquiano, Mohammed Shia al-Sudani, já alertou que o petróleo para os mercados ocidentais poderia ser adiado devido ao que Israel está a perpetrar em Gaza. O Ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Hossein Amir-Abdollahian, já apelou, oficialmente, a um embargo total de petróleo e gás por parte dos países islâmicos contra nações – essencialmente vassalos da NATO – que apoiam Israel.

Assim, os sionistas cristãos nos EUA, aliados ao ativo neoconservador Netanyahu que ameaça atacar o Irâ, têm o potencial de derrubar todo o sistema financeiro mundial.

Guerra Eterna na Síria, remixado  

Sob o atual vulcão, a  parceria estratégica Rússia-China tem sido extremamente cautelosa. Para o mundo exterior, a sua posição oficial mútua é recusar ficar do lado da Palestina ou de Israel; apelar a um cessar-fogo por razões humanitárias; apelar a uma solução de dois Estados; e respeitar o direito internacional. Todas as suas iniciativas na ONU foram devidamente sabotadas pelo Hegemon. 

Tal como está, Washington recusou a luz verde para a invasão terrestre israelita de Gaza. A principal razão é a prioridade imediata dos EUA: ganhar algum tempo para expandir a guerra à Síria, “acusada” de ser o principal ponto de trânsito de armas iranianas para o Hezbollah. Isso também significa reabrir a mesma velha frente de guerra contra a Rússia. 

Não há ilusões em Moscou. O aparelho de inteligência sabe bem que agentes israelitas da Mossad têm aconselhado Kiev enquanto Tel Aviv fornecia armas à Ucrânia sob séria pressão dos EUA. Isso enfureceu os  siloviki e pode ter constituído um erro fatal israelita.

Os neoconservadores, por sua vez, nunca param. Estão a avançar uma ameaça paralela: se  o Hezbollah atacar Israel com algo mais do que alguns foguetes esparsos – e isso simplesmente não vai acontecer – a Base Aérea Russa de Hmeimim em Latakia será “eliminada” como um “aviso” ao Irâ.

Isto nem sequer se qualifica como crianças brincando na caixa de areia. Após os ataques em série israelitas aos aeroportos civis de Damasco e Aleppo, Moscou nem sequer piscou antes de oferecer as suas instalações em Hmeimim à Síria – completas com autorização para voos de carga do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irâ (IRGC), segundo algumas fontes da inteligência russa. Netanyahu não nutrirá exatamente um desejo de morte bombardeando uma Base Aérea Russa totalmente A2/AD (anti-acesso/negação de área).  

Moscou também vê claramente o que aquelas caras banheiras de ferro americanas no Mediterrâneo Oriental podem estar a fazer. A resposta foi rápida: os MiG-31K estão patrulhando o espaço aéreo neutro sobre o Mar Negro 24 horas por dia, 7 dias por semana, equipados com Khinzals hipersônicos, o que levaria apenas seis minutos para visitar o Mediterrâneo.   

No meio de toda esta loucura encharcada de neoconservadores, com o Pentágono a implantar um conjunto formidável de armamento e ativos “não revelados” no Mediterrâneo Oriental, quer o alvo seja o Hezbollah, a Síria, o Irâ, a Rússia, ou todos os anteriores, tanto a China como a Coreia do Norte – parte do novo “eixo do mal” inventado pelos EUA – indicaram que não serão meros espectadores. 

A Marinha Chinesa está, para todos os efeitos práticos, protegendo o Irâ à distância. No entanto, ainda mais contundente foi a declaração do primeiro-ministro Li Qiang – algo invulgarmente contundente e raro na diplomacia chinesa: 

“A China continuará a apoiar firmemente o Irâ na salvaguarda da sua soberania nacional, integridade territorial e dignidade nacional, e opor-se-á fortemente a quaisquer forças externas que interfiram nos assuntos internos do Irâ.”

Nunca se esqueça que a China e o Irâ estão ligados por uma parceria estratégica abrangente. Entretanto, o primeiro-ministro russo, Mikhail Mishustin, reforçou a parceria estratégica Rússia-Irâ numa reunião com o primeiro vice-presidente do Irâ, Mohammad Mokhber.

Lembre-se daqueles comedores de arroz da Coreia 

As milícias pró-Irâ em todo o Eixo da Resistência mantêm um grau de confronto cuidadosamente moderado contra Israel, próximo do atropelamento e fuga da guerrilha. Eles não estarão envolvidos em ataques massivos ainda. Mas todas as apostas serão canceladas se Israel invadir Gaza. É evidente que o mundo árabe, apesar de todas as suas enormes contradições internas, simplesmente não tolerará o massacre de civis. 

Sem rodeios, na atual conjuntura incendiária, o Hegemon encontrou  a humilhação do seu Projeto Ucrânia. Eles acreditam erroneamente que a mesma velha Guerra Eterna reacendida na Ásia Ocidental pode ser “modulada” à vontade. E se duas guerras se transformarem num imenso albatroz político, como acontecerá, o que mais há de novo? Eles simplesmente começarão uma nova guerra no “Indo-Pacífico”. 

Nada disso engana a Rússia-Irâ e a sua monitorização fria da Hegemon em constante movimento a cada passo do caminho. É esclarecedor lembrar o que Malcolm X  já previa em 1964 :

“Alguns comedores de arroz o expulsaram da Coreia. Sim, eles o expulsaram da Coreia. Comedores de arroz com nada além de tênis de ginástica, um rifle e uma tigela de arroz pegaram ele e seus tanques e seu napalm, e todas aquelas outras ações que ele deveria ter e o levaram através do Yalu. Por que? Porque o dia em que ele poderia vencer no chão já passou.” 

Fonte: The Cradle

Related Posts
Vídeo do canal turco TRTWORLD: Como Israel bombardeia áreas povoadas
fotos

Vídeo de um canal turco mostra como as forças israelense exterminam sistematicamente o povo palastino. Não há onde se esconder, [...]

Ele lutou pela nossa liberdade. As audiências finais sobre a extradição de Julian Assange para os EUA foram concluídas
fotos

O Supremo Tribunal de Londres concluiu as audiências sobre o apelo do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, de 52 anos, [...]

Scholz e Lackeys cavam sepultura para a Alemanha
fotos

A imagem que mostra o Chanceler Olaf Scholz com uma pá na mão a cavar alegremente a terra diz muito [...]

No Brasil, Blinken abordou sobre a possibilidade de negociações paz na Ucrânia
fotos

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse ao presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva

Rússia introduzirá punição para deepfakes
fotos

A questão da regulamentação dos deepfakes foi discutida em uma reunião da comissão governamental de prevenção ao crime em fevereiro [...]

O 10º aniversário do Maidan
fotos

Antes deste acontecimento, eu tinha ingenuamente a certeza de que a pior coisa que poderia acontecer à Ucrânia seria o [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!