Julian Assange foi detido a mando dos EUA

fotos

REBELIÓN Eloy Osvaldo Proaño

O fundador do WikiLeaks, o ativista australiano Julian Assange foi preso quinta-feira em Londres pela Polícia Metropolitana britânica, convidada pelo embaixador equatoriano a entrar na representação diplomática onde estava asilado, depois que o Equador removeu a proteção, a pedido do Estados Unidos.

Segundo a Scotland Yard, a prisão foi feita em resposta a um pedido de extradição dos Estados Unidos. Assange, 47 anos, tinha repetido seu medo de ser entregue a Washington, onde ele pode enfrentar a pena de morte pela divulgação, em 2010, de telegramas diplomáticos confidenciais do governo dos EUA, documentos que vazaram pelo soldado Chelsea Manning, condenado à prisão.

Inicialmente, a polícia havia informado que a prisão respondia à violação de fiança impostas a Assange pelas autoridades britânicas em junho de 2012, quando o acusado não se apresentou à justiça quando foi intimado. “A polícia tinha o dever de executar a ordem e foi convidada a entrar na embaixada pelo embaixador depois que o governo retirou o asilo”, disse a Scotland Yard. Mais tarde, foi confirmado que responde a uma solicitação dos EUA.

Assange, 47, foi levado para uma delegacia de polícia no centro de Londres, onde permanecerá até comparecer perante a Corte de Magistrados de Westiminster “o quanto antes”, disse o comunicado da polícia.

“Quase sete anos depois de entrar na embaixada equatoriana, posso confirmar que Julian Assange está agora sob custódia da polícia e enfrenta a justiça no Reino Unido”, disse o secretário do Interior, Sajid Javid. “Gostaria de agradecer ao Equador por sua cooperação e à Polícia Metropolitana por seu profissionalismo”, acrescentou. “Ninguém está acima da lei”, disse ele em seu Twitter. Segundo a Scotland Yard, os agentes tinham “a obrigação de executar a ordem de detenção e foram convidados a entrar na embaixada pelo Embaixador, após o Governo equatoriano retirar o asilo”.

Imagens de televisão mostraram como policiais de Londres puxaram Assange, que lutava e gritava: “resistir”. Ele usava uma longa barba branca e foi retirado à força do edifício da embaixada do Equador, localizado no elegante bairro londrino de Knightsbridge, onde ele tinha entrado em 19 de junho de 2012 para escapar da extradição para a Suécia, cujas bases acabaram sendo desprezadas.

O governo equatoriano monta seu show

Coincidentemente, o Equador suspendeu a nacionalidade equatoriana que foi concedido a Assange no final de 2017 com o argumento de que houve irregularidades na sua concessão, conforme relatado pelo ministro das Relações Exteriores José Valencia. Por sua parte, o ministro do Interior, María Paula Romo, disse quinta-feira na sede presidencial do Equador, que há dois hackers russos e uma pessoa ligada à WikiLeaks que estão envolvidas na intervenção política interna de outros países e na desestabilização no Equador. Disse Romo que, nas últimas semanas, há “intromissões de Assange e sua organização aliada em assuntos de política interna do Equador”.

“Há vários anos, vive no Equador um dos principais membros do WikiLeaks, pessoa próxima a Julian Assange. Temos provas suficientes de que ele vem colaborando com tentativas de desestabilizar o governo. Ele viajou para outros países com Ricardo Patiño, o chanceler da República quando foi concedido o asilo: duas vezes para o Peru e também para a Espanha. Tivemos a última pista no final de fevereiro de 2019, quando eles viajaram com uma diferença de um dia para a Venezuela”, acrescentou Romo. “Não vamos permitir que o Equador se torne um centro da pirataria diplomática e não podemos permitir que atividades ilegais ocorram no país para prejudicar os cidadãos equatorianos ou de outros países, ou a qualquer governo”, disse ele.

A origem do isolamento

Em 2010, o Ministério Público da Suécia ordenou a detenção de Assange, acusado de violação e abuso sexual, e emitiu um mandado de detenção europeu. O Reino Unido concordou em extraditá-lo e Assange pediu asilo na embaixada equatoriana. Um advogado da equipe jurídica de Assange, Jen Robinson, disse que a ordem dos EUA foi emitida em dezembro de 2017 por conspiração com Chelsea Manning.

Embora os Estados Unidos nunca tenham anunciado publicamente um processo contra Assange, os documentos divulgados em novembro de 2018 sugerem que há um processo secreto contra ele. O então procurador-geral adjunto dos EUA, Kellen S. Dwyer, obrigou um juiz a manter o caso de Assange em segredo “devido à sofisticação do acusado e da publicidade em torno dele”. Não está claro do que Assange seria acusado, embora no passado os Estados Unidos tenham estudado possíveis acusações de conspiração, roubo de propriedade do governo ou violação da Lei de Espionagem devido ao grande vazamento do Wikileaks em 2010. Espanhóis espionaram Assange na embaixada

Um dia antes de sua prisão, o portal do WikiLeaks em Londres denunciou a descoberta do que considera ser “uma enorme operação de espionagem” a Julian Assange dentro da Embaixada do Equador em Londres. Entre as informações roubadas, há uma nota sobre a estratégia de defesa de Assange escrita por um de seus advogados.

O editor chefe do WikiLeaks, Kristinn Harfnsson, jornalista islandês, observou que grande parte do material vem das câmeras instaladas dentro da embaixada, em uma “invasão total da privacidade do Sr. Assange”. “Desde que Lenín Moreno chegou ao poder, Julian Assange viveu em uma situação como a do Truman Show”, disse Harfnsson.

O editor disse que teve conhecimento desta trama por um pedido de dinheiro de um grupo de cidadãos espanhóis que tinham na sua posse um “enorme quantidade de documentos”, incluindo, além das gravações das câmeras, “centenas de fotografias” e de documentos. Harfnsson disse que aqueles que tinham em suas mãos a documentação exigiram dinheiro por ela, razão pela qual o caso foi colocado nas mãos da polícia espanhola e, segundo afirmou, foi aberta uma investigação por extorsão.

Aitor Martínez, o advogado da pasta com a estratégia de defesa, disse que se trata de documentação usada por ele em 12 de dezembro passado perante um tribunal equatoriano. Martinez e Assange fizeram, por videoconferência, uma vista ao processo no qual o fundador do WikiLeaks pedia para reverter o protocolo especial aplicado em Londres desde o ano passado, tendo sido cerceado o seu acesso à internet e ao telefone. De acordo com o advogado, as imagens capturadas pelos chantagistas foram tiradas durante um recesso na audiência em que ele deixou sem vigiar sua pasta em uma sala da embaixada.

Submissão?

“Solicitei à Grã-Bretanha garantia a garantia de que Assange não seria entregue em extradição a nenhum país onde ele possa sofrer torturas ou pena de morte”, disse Moreno em um vídeo divulgado em redes sociais, onde ele acrescentou que “o governo britânico confirmou-a por escrito, em conformidade com as suas próprias regras”.

O Equador decidiu “soberanamente” finalizar o asilo diplomático ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, por “violar repetidamente as convenções internacionais e o protocolo de convivência”, disse no Twitter Lenín Moreno, obviamente, seguindo os ditames de Washington.

A plataforma para a divulgação de documentos secretos WikiLeaks, que há dias avisava que Moreno estava prestes a retirar de Assange a proteção diplomática que lhe deu há quase sete anos atrás seu antecessor Rafael Correa, o qual denunciou imediatamente a decisão de Quito como “ilegal” e “em violação ao direito internacional”.

“Lenín Moreno, presidente nefasto do Equador, mostrou sua miséria humana ao mundo, entregando Julian Assange, não só asilado, mas também cidadão equatoriano, à polícia britânica, algo que põe em risco sua vida e humilha o Equador”, tuitou Correa por sua vez, que agora vive no exílio na Bélgica. “Moreno é um homem corrupto, mas o que ele fez é um crime que a humanidade nunca esquecerá”, disse ele da Bélgica. “O maior traidor da história equatoriana e latino-americana, Lenín Moreno, permitiu que a polícia britânica entrasse em nossa embaixada em Londres para prender Assange”, disse Correa.

Correa ironizou a “decisão soberana” a que aludiu Moreno: “bonita etiqueta para a traição, a entrada da polícia estrangeira” na embaixada equatoriana em Londres e a “entrega de um cidadão equatoriano”, declarou.

O ex-consultor da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA), Edward Snowden, assim como autoridades de vários países expressaram sua solidariedade a Assange. “É um dia sombrio para a liberdade de imprensa”, lamentou Snowden. O líder do WikiLeaks estava refugiado na embaixada do Equador há sete anos.

Edward Snowden, autor de vazamento de mais de um milhão de documentos que desvendaram uma operação maciça de espionagem orquestrada pelos EUA, criticou a prisão de Assange. “Isso vai acabar nos livros de história. Talvez os críticos de Assange a celebrem, mas é um momento sombrio para a liberdade de imprensa “, disse ele. “As imagens do embaixador equatoriano convidando a polícia secreta a entrar na embaixada para retirar à força um editor – gostem ou não – de material jornalístico acabarão nos livros de história”, disse Snowden.

Por seu turno, a Rússia acusou as autoridades britânicas de “estrangular a liberdade”, prendendo o fundador do WikiLeaks. “A mão da ‘democracia’ estrangula a liberdade”, disse a porta-voz da diplomacia russa, Maria Zajárova. “Esperamos que todos os seus direitos sejam respeitados”, disse o porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov.

Desprezo ao direito de asilo

Tanto o presidente Lenín Moreno como o Chanceler José Valencia se tornaram os mais desprezíveis da América Latina, após a expulsão de Julian Assange da embaixada do Equador em Londres, enfatizou Kintto Lucas, ex vice-chanceler do Equador. Para Lucas, este caso permite que Washington diga ao mundo inteiro que ninguém pode ousar denunciar suas atrocidades, como o Wikileaks fez. A esse respeito, o ex vice-chanceler mencionou que, embora Assange não seja condenado à pena de morte nos EUA, ele pode receber uma sentença de 30 a 40 anos ou uma sentença de prisão perpétua.

O ex vice-chanceler lembrou que o asilo é um direito reconhecido internacionalmente como um tema sagrado, até mesmo por ditaduras, “porque se não fosse assim, muitas pessoas seriam assassinadas e perseguidas” e exemplificou com a ditadura do Uruguai, que sequestrou e assassinou centenas de pessoas, mas que jamais se atreveu a entrar nas embaixadas para retirar um asilado. “Se até as ditaduras respeitavam os asilos, imagine o nível em que Lenín Moreno chega (…) É difícil encontrar adjetivos para dizer o que é esse governo. É o desprezo internacional que mostrará o que ele e o chanceler Valencia fizeram”.

Lucas lamentou que os cidadãos tenham votado por um candidato e elegeram outro, bem como por um plano de trabalho, mas é outro que está sendo conduzido, uma vez que todas as ações do regime promovem o entreguismo e a perseguição.

“Já víamos o que estava acontecendo, mas passar a ser o governo que entregou aquele que denunciou as atrocidades dos EUA em nível mundial é realmente um feito difícil de imaginar”. Além de ficar bem com os Estados Unidos, “o desprezo que o Equador receberá internacionalmente será evidente”, disse Lucas.

“Já se ouve o desprezo da política internacional, da cultura e dos setores que lutam pelos direitos humanos (…) Este será um dos governos mais questionados e desprezíveis internacionalmente na história do Equador e da América Latina”. “Mas Moreno e Valencia são tão pequenos quanto uma figuras e pouca coisa, que eles realmente se importam pouco que Assange possa acabar na prisão cumprindo uma sentença desse tipo”, concluiu.

*Analista e investigador equatoriano, associado ao Centro Latinoamericano de Análise Estratégica (CLAE, www.estrategia.la)

Do PCB

Fonte: http://estrategia.la/2019/04/11/assange-fue-detenido-a-pedido-de-eeuu-en-la-embajada-de-ecuador-en-londres/

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!