Líbia, a nova frente de batalha dos EUA contra a Rússia

De modo bastante violento, os EUA estão se posicionando na Líbia de uma maneira que o país se tornará mais uma Síria no que diz respeito ao jogo final deste país devastado pela guerra, destruído pela OTAN e com “intervenções humanitárias”. Há algum tempo, os russos vêm aumentando sua presença na Líbia, apoiando o Exército Nacional da Líbia liderado por Khalifa Haftar. Enquanto o próprio Haftar esteve historicamente próximo da CIA, os EUA alegam que a presença russa na Líbia está tendo um impacto “incrivelmente desestabilizador” no país apenas mostra como a presença russa funcionará fundamentalmente em desvantagem da multidão de interesses ocidentais, particularmente aqueles dos EUA, França e Itália. A presença russa na Líbia e seu apoio ao LNA, que atualmente controla quase 80% da Líbia, incluindo os principais campos de petróleo, já começaram a causar agitação em elementos anti-russos no Ocidente.

David Schenker, secretário assistente do Departamento de Estado para assuntos do Oriente Próximo, disse recentemente em Washington: “Os Estados Unidos estão comprometidos com um futuro seguro e próspero para o povo da Líbia. Para que isso se torne realidade, precisamos de compromissos reais de atores externo. Em particular, a interferência militar da Rússia ameaça a paz, a segurança e a estabilidade da Líbia.”

Embora essa seja a posição oficial dos EUA, a principal mídia ocidental também se juntou à ‘linha de frente’ para espalhar a russofobia. Uma história publicada recentemente pela Bloomberg exortou os EUA a tomar medidas para impedir o “aventureirismo russo” na Líbia. Para o Washington Post, a chegada de militares russos está adicionando “poder de fogo mais mortal” à “guerra civil” da Líbia, uma guerra que, em primeiro lugar, não teria começado se a OTAN não tivesse intervindo e derrubado propositadamente o regime de Kaddafi.

Enquanto especialistas políticos no Ocidente continuam enfatizando maneiras de “expor e isolar a Rússia em suas tentativas de inclinar o equilíbrio de poder na Líbia”, não devemos esquecer aqui que os líbios devem sua crise à política ocidental de mudança de regime. De fato, um relatório de 2016 do comitê de relações exteriores do Parlamento Britânico concluiu que a Líbia era um desastre ocidental completo. Foi um desastre intencionalmente preparado, assim como o Iraque, para forçar um regime estável a sair do poder e espalhar o caos e trazer o desejado regime pró-Ocidente. Como o Ocidente fracassou completamente em estabilizar a Líbia depois de instalar um regime fantoche, o crescente apoio da Rússia a Haftar e LNA significa que as chances de sucesso do objetivo ocidental de manter um regime pró-ocidente  se tornam ainda mais fracas; daí a oposição ocidental ao apoio russo ao LNA.

A presença de um regime apoiado pela Rússia na Líbia, o objetivo de longo prazo dos EUA de transformar a Líbia na sede de seu comando na África ficará seriamente comprometido. Isso está separado dos “interesses do petróleo” que a França e a Itália têm perseguido vigorosamente na Líbia.

Por outro lado, não há como negar que os interesses russos na Líbia não se limitam apenas à Líbia. De fato, a Líbia pode se tornar um trampolim para a expansão geopolítica russa na África, um continente que já está se tornando cada vez mais um centro de intensa rivalidade geopolítica entre os EUA e a China. Uma presença russa no coração da África, nesse contexto, certamente funcionaria contra os interesses ocidentais, limitando sua capacidade de dominar e aumentando a liberdade dos estados africanos para diversificar suas relações e combater os desígnios hegemônicos ocidentais.

A Rússia já se tornou o maior fornecedor de armas para os países africanos, representando 35% das exportações de armas para a região, seguidas pela China (17%), Estados Unidos (9,6%) e França (6,9%). Assim, quando ocorreu a cúpula mais recente entre Rússia e África, as discussões em torno do aumento da cooperação em segurança entre a Rússia e a África foi um dos assuntos mais relevantes. À margem desta cúpula, Putin teve até treze reuniões bilaterais com os líderes africanos. Foram assinados acordos no valor de US$ 12,5 bilhões, na forma de Memorandos de Entendimento. Embora nem todos esses acordos possam se concretizar, a cúpula mostrou a expansão horizontal da Rússia (em termos de número de países dispostos a expandir as relações com a Rússia) e vertical (em termos de áreas de cooperação com esses países) na Rússia.

A oferta russa de expansão na África está intimamente ligada à Líbia, um país que pode se tornar o portão físico da Rússia para o continente africano e uma fonte de presença física no mar Mediterrâneo. Um governo pró-Moscou na Líbia pode não hesitar demais em permitir uma presença razoável da Marinha Russa nos portos do leste da Líbia, Sirte e Benghazi, no Mediterrâneo.

Embora a reentrada da Rússia na Líbia certamente dependa de como o próprio Haftar se situará, entre o “Ocidente” e o “Oriente”, há pouca chance de que a Rússia esteja contando com as relações de ambos os países tal como ocorria na era Gaddafi. A Rússia já teve investimentos no valor de bilhões de dólares na Líbia durante a era Kaddafi, e está buscando reconstruir sobre essa base. Algo que está incomodando muito o Ocidente, fazendo-os projetar a presença russa em termos de um “elemento desestabilizador” e esquecer completamente como a própria intervenção da OTAN semeou em primeiro lugar as turbulências que a Líbia se encontra hoje.

Fonte: Journal Neo

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − 2 =