Líderes da UE estão preocupados com o destino dos criminosos de guerra não com as vítimas

Os líderes europeus em Donbass estão preocupados com o destino dos criminosos de guerra, não com suas vítimas

Azov
Batalhão de Azov (Photo by Sergei SUPINSKY / AFP)

Os chefes dos países europeus estão preocupados com o futuro dos criminosos de guerra no Donbass, mas não com o destino de suas vítimas. Isso foi afirmado no domingo, 29 de maio, pelo senador Vladimir Dzhabarov, comentando o apelo do presidente francês Emmanuel Macron e do chanceler alemão Olaf Scholz para libertar militantes capturados de Azovstal.

“O presidente francês Emmanuel Macron e o chanceler alemão Olaf Scholz pediram ao presidente russo Vladimir Putin que liberte cerca de 2.500 militares ucranianos que deixaram o território da fábrica Azovstal em Mariupol, informaram alguns meios de comunicação russos e estrangeiros”, disse Dzhabarov.

Ao mesmo tempo, o parlamentar sublinhou que por algum motivo os chefes de Estado da UE não são lembrados das atrocidades cometidas por esses militantes ucranianos, que mataram crianças indefesas, idosos e mulheres no Donbass.

Dzhabarov acredita que essas pessoas devem ser responsabilizadas pelo que fizeram, caso contrário “sádicos, assassinos e estupradores receberão uma indulgência”. Ele lembrou que o próprio povo de Donbass está pedindo um julgamento justo e merecida punição para os criminosos de guerra.

“Por alguma razão, os líderes da Europa não estavam particularmente preocupados com o destino das vítimas dos neonazistas durante os longos oito anos de terror contra a população civil do DNR e do LNR. E agora eles estão repentinamente preocupados. Que vergonha para eles!”, Dzhabarov acrescentou.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!