Os primeiros habitantes da Terra eram imortais

Os cientistas encontraram um cristal de sal com microorganismos dentro. Os microrganismos têm 830 milhões de anos. Talvez eles ainda estejam vivos

cristal de halita
No interior dos cristais da cozinha existem cavidades nas quais se encontram substâncias que ali chegaram do meio ambiente. Foto: quadro de vídeo

Quem viveu na Terra há 830 milhões de anos? Que criaturas habitavam nosso planeta em uma época em que a vida estava surgindo nele? Quem, de fato, eram nossos ancestrais distantes?

Essas questões fundamentais serão respondidas em breve por pesquisadores da Geological Society of America. Eles encontraram halita – um cristal de sal de mesa, dentro do qual viram pequenas gotas de líquido.

Os cientistas acreditam que o líquido dentro do cristal é “habitado” – contém microorganismos. E esses microorganismos ainda estão vivos.

“Vamos extraí-los”, diz Kathy Benison, da West Virginia University. E que não pareça estranho nossa suposição de que as criaturas possam estar ainda vivas. Nossos predecessores de alguma forma extraíram procariontes vivos, bactérias unicelulares que ficaram “aprisionadas” por 250 milhões de anos.

halita
Cristal de halita com microorganismos foi descoberto na Austrália na Formação Browne. Foto: quadro de vídeo

As razões para uma capacidade de sobrevivência tão longa ainda são desconhecidas pelos cientistas. Eles apenas assumem que os microorganismos são capazes de cair em uma longa – quase eterna – hibernação. A partir disso, eles podem passar centenas de milhões de anos em cativeiro sem morrer.

Katya Benison acredita que a pesquisa da qual participa será útil para quem busca vida em Marte. Na superfície do planeta vizinho há vestígios de lagos salgados, e até eles mesmos podem estar em forma congelada. É possível que cristais de halita com inclusões de microrganismos vivos também sejam encontrados em seu interior. Ou seja, com imagens de vida extraterrestre.

Nem todos os colegas de geólogos americanos compartilham seu otimismo e aprovam suas intenções. Há também o temor que a liberação de criaturas antigas possa se transformar em algum tipo de problema – como pandemias inesperadas.

E NESTE MOMENTO

Em uma geleira no Tibete, foram descobertos 28 vírus desconhecidos pela ciência que “congelaram” no alto das montanhas nos últimos 15.000 anos. Alguns cientistas temem que entre os congelados e descongelados estejam agentes causadores de doenças terríveis – agentes infecciosos desconhecidos.

Fonte: kp.ru

Related Posts
Matando o bem-estar algoritmicamente
Inteligência artificial

ALGUMAS das mais proeminentes startups de IA, empresas tecnológicas, seus executivos, investigadores e engenheiros querem fazer-nos acreditar que a inteligência [...]

‘Doença X’: o mundo deve se preparar para uma nova pandemia que pode matar 20 vezes mais que o coronavírus
fotos

A Organização Mundial da Saúde usa o termo “Doença X” para se referir a uma infecção com potencial para causar [...]

Carbono azul: aquecimento dos oceanos ameaça plâncton e clima do planeta
fotos

Grande parte do ar que respiramos é produzido nos oceanos por criaturas que nem enxergamos. Um trabalho feito de forma [...]

Cientistas descobriram quanto tempo leva para o cérebro se recuperar após abstinência do álcool
fotos

As funções cerebrais prejudicadas em uma pessoa podem ser restauradas após uma abstinência prolongada de consumo de álcool

O buraco na camada de ozônio sobre a Antártida tornou-se o maior já registrado na história
fotos

Medições do satélite Copernicus Sentinel-5P mostram que sua área atingiu 26 milhões de km² – isto é 3 vezes maior [...]

Ciência: A humanidade moderna surgiu graças a 1.280 indivíduos
fotos

Poderá o destino dos oito bilhões de pessoas que vivem agora na Terra ter dependido da resiliência de apenas 1.280 [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!