Maradona não está na história, ele fez história

O significado do astro para a Argentina e o mundo do futebol

Maradona
Diego Maradona, jamais esqueceu suas origens, por isso foi o maior!

Maradona não está na história, ele fez história. Ele o escreveu com uma bola de futebol presa ao pé esquerdo. E cada gol sacudia de felicidade um país como a Argentina que viveu para ele e com ele, talvez as maiores emoções populares da última metade do século. Em um país de grandes desventuras coletivas, que suportou uma ditadura sangrenta, uma guerra perdida, hiperinflações e crises econômicas recorrentes, entre muitas outras desgraças, Diego Armando Maradona derramou felicidade a milhões de argentinos. Poucas imagens mostram um cartão postal argentino tão forte como o de Diego levantando a Copa do Mundo de 1986. Poucas representam tanto o que queríamos ser e já fomos.

Símbolo poderoso da Argentina, porém, Diego também foi universal. Uma das celebridades mais famosas de todos os tempos. E é por isso que as repercussões de sua morte atingiram tanto o mundo. As notícias enviadas para os portais informativos mais importantes, as imagens da dor sincera que reina nas ruas de Nápoles, as declarações de líderes políticos mundiais e atletas que competiram com ele e contra ele, revelam que um ícone, uma personalidade que se foi, alguém que transcendeu seu próprio status de jogador de futebol. E que deixou um vazio que talvez ninguém possa preencher. Porque Maradona era único. Em tudo que é amável e odioso que como ser humano ele poderia ter.

Muito antes de a notícia de sua morte abalar o mundo,  Diego havia conquistado em vida o que Carlos Gardel, Eva Perón e Ernesto “Che” Guevara conseguiram somente depois de deixar este mundo: ser um mito argentino. Mas o preço que pagou por isso e por ser o maior futebolista argentino de todos os tempos e talvez da história mundial foi o maior de todos: não poder viver a própria existência. Ou viva muitos em um. Ou prenda muitas pessoas dentro de seu próprio corpo. Foi dito que Diego estava muito feliz e nos deixou muito felizes. Mas ele também estava muito infeliz e nos deixou muito infelizes. Mas nunca tanto como nestas horas amargas em que as lágrimas de milhões de habitantes deste solo futebolístico como poucos, embebem a bandeira celeste e branca que Diego defendeu como tão poucos ou como nenhum nos campos do mundo. Com o número 10 nas costas e a eterna braçadeira de capitão. E a bola grudada em seu pé esquerdo imortal.

Parece um excesso chauvinista e pode ser. Mas, como poucos, em tudo de bom e de ruim que teve a azáfama de sua estranha vida, Diego representa o melhor e o pior de certas essências nacionais, realçado por uma fama que o sufocava desde 1976 e com menos de 15 anos ele estreou primeiro no time do Argentinos Juniors. Eduardo Galeano falou dele. “Qualquer um poderia reconhecer nele uma síntese ambulante de fraquezas humanas, ou pelo menos masculinas: mulherengo, ganancioso, bêbado, trapaceiro, mentiroso, prepotente, irresponsável. Mas os deuses não se aposentam, por mais humanos que sejam. Ele nunca foi capaz de voltar para a multidão anônima de onde ele veio. A fama, que o salvou da miséria, o fez prisioneiro” escreveu certa vez, o famoso escritor e jornalista uruguaio, amante do grande futebol que Diego encenou como poucos. Ou como ninguém.

Talvez seja demais revisar os marcos de sua vida única e inigualável. Porque todos nós vivemos a vida de Diego. Primeiro em preto e branco e depois em cores. Seus sucessos e suas derrotas no esporte e na vida, suas grandezas e suas misérias, suas crises e suas ressurreições, suas lutas e suas reconciliações também foram um pouco nossas. Diego vivia à vista do mundo como se as paredes de suas casas fossem feitas de material transparente. E vieram voar com drones sobre sua casa, quando há poucos dias o levaram ao bairro particular do Tigre, onde deu seu último suspiro. Certamente nos lembraremos com o tempo, onde estávamos ou o que estávamos fazendo no exato momento em que sua morte foi conhecida.

“Eu era um garoto de Fiorito que jogava bola mais ou menos bem. Um dia eles me acertaram com um voleio, me mandaram para o topo do mundo e lá me deixaram sozinho ”, disse uma vez Diego quando questionado sobre como tinha sido sua vida. Na viagem, tudo de bom e ruim aconteceu com ele. Ele tinha em mãos a Copa do Mundo no México de 86 e esteve à beira da morte três vezes antes desse resultado. Ele conhecia o poder do dinheiro e o poder das drogas. O sol forte dos estádios lotados que viveram seu nome e a noite escura do vício e do pecado. As mansões mais caras e as camas frias dos hospitais e da neuropsiquiatria. Os elogios mais acalorados dos jornalistas e as letras concisas dos relatórios médicos.

Maradona fez o Papa João Paulo II esperar em uma audiência no Vaticano e passou horas em êxtase em Havana conversando com seu amado Fidel Castro, que também morreu em 26 de novembro, mas há 4 anos. Ele lidou com reis, presidentes, ditadores, empresários, narcotraficantes e máfias. Ele se casou com sua namorada Claudia Villafañe em uma cerimônia principesca no Luna Park e mais tarde a traiu de todas as maneiras possíveis. Ele negou filhos e depois os reconheceu. Ele fez famílias e as quebrou. Seu incrível magnetismo pessoal, tudo o que ele causou apenas por entrar em um estúdio de televisão, um escritório de executivo, um vestiário ou um campo, o salvou muitas vezes. Ele também o condenou. Isso o fez se sentir impune, além de tudo. Até o último momento, apenas uma lei Maradona seguiu: a de seus próprios desejos. O melhor do bom e o pior do mau coexistiam dentro dele. E muitas vezes, sua família e seus melhores amigos foram vítimas daquela luta que ele deu até o último suspiro.

Ficar somente com o grande, único e inigualável jogador de futebol, autor de dois dos gols mais antológicos da história, marcado contra a Inglaterra na mesma partida da Copa do Mundo do México de 86 e em dez minutos, com o manipulador das maiores emoções populares que a Argentina experimentou nos últimos 50 anos, é fazer um corte mesquinho. Maradona conseguiu ser maior do que o próprio futebol. Para o escritor mexicano Juan Villoro, ele é “a figura mais fabulosa que o futebol já produziu dentro e fora do campo”. Por isso doeu tanto vê-lo cambalear e gaguejar, no seu 60º aniversário, quando foi incompreensivelmente levado ao campo do Ginástica e Esgrima de La Plata para receber uma homenagem as portas fechadas que acabou sendo uma despedida cruel. Queriam extrair dele a última fatia, obter o último benefício dele, que havia dado tudo e talvez não tivesse mais nada para dar.

Custa (e vai custar muito) escrever, dizer e assumir. Mas a partida de Diego Maradona é seu corpo e sua alma, extintos por tanto viver à sua maneira. O jogador fenomenal e inigualável, o capitão da seleção argentina campeã mundial no México 86, o mito e a lenda, o orgulho do povo argentino são imortais. Eles vivem e viverão em cada imagem dele com a bola no pé esquerdo, gritando a magia de seus gols e de suas jogadas, erguendo a Copa do Mundo, melhorando nossas vidas que muito ajudou a torná-la mais feliz. Embora ele tenha deixado sua própria vida nessa tentativa.

Fonte: Página 12

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!