Novas revelações da policia mostra que Flordelis usou sua residência como local de orgia gospel

Flordelis oferecia mulheres da casa para prestar favores sexuais para pastores estrangeiros hospedados em sua residência como forma de recepção. Novas revelações da polícia são cada vez mais escabrosas envolve orgias sexuais, sangue e traição

flordelixo

No curso das investigações da polícia sobre o assassinato do pastor Anderson do Carmo novas revelações traçam um perfil criminoso e psicopata da deputada Flordelis. Apesar de manter uma fachada de família grande e unida, a deputada federal e pastora cultivava intrigas entre os filhos, fato que ajudou a polícia na solução do crime.

Uma reportagem do “Jornal das Dez”, da GloboNews revelou o depoimento dado por um dos filhos adotivos da parlamentar. No relato, o homem apontava outros absurdos cometidos por ela, entre eles, o oferecimento de algumas das mulheres da casa a pastores estrangeiros como favor sexual.

O homem disse que passou a morar com a família na casa do bairro Rio Comprido, na Zona Norte do Rio de Janeiro. Logo que se mudou para lá, a testemunha recordou que Flordelis visitou seu quarto e eles tiveram relações sexuais. O relacionamento físico continuou, primeiro constantemente e, depois, de forma esporádica, até ele começar a namorar sua atual esposa, uma frequentadora do Ministério Flordelis na época.

O depoimento divulgado pela polícia ainda relata uma ocasião em que a deputada federal recebeu pastores pentecostais estrangeiros. Segundo a testemunha, os religiosos eram negros e falavam francês. Eles vieram visitar o Ministério e ficaram hospedados na casa dela. Foi aí que Flordelis ofereceu, de forma sexual, as mulheres da casa para os religiosos “como forma de recepção”, segundo descrito pelo filho, que acompanhou tudo de perto até sair de casa em 2000, quando se casou.

Polícia suspeita que Flordelis e marido foram a casa de ‘suruba’ na noite do crime

O caso Flordelis ganha cada vez mais contornos escatológicos e macabros. A nova componente aponta para a explosiva e fatal mistura de sexo, sangue e traição. No momento, a Delegacia de Homicídios de Niterói, Itaboraí e São Gonçalo (DHNISG) suspeita que a deputada federal Flordelis teria ido à uma casa de swing, em Botafogo, na zona sul do Rio, para uma última noitada de amor com o marido, o pastor assassinado Anderson do Carmo.

A madrugada do dia do assassinato do pastor Anderson do Carmo, marido da deputada federal Flordelis dos Santos, ainda é motivo de apuração por parte da polícia.

No depoimento prestado à polícia, a deputada revelou que tinha ido à Copacabana com o marido, contudo não soube informar o local exato do estabelecimento que ela disse ter comido petiscos com ele. As suspeitas são de que Flordelis não quisesse revelar a verdadeira localização do casal naquele dia.

Um gerente de uma boate de Botafogo em depoimento na DHNISG em junho deste ano confirmou que o casal frequentava o estabelecimento. A suspeita que o casal tenha ido a uma casa de swing consta em um relatório da DH do dia 1º de julho, produzido a pedido do Ministério Público estadual.

Em seu último depoimento à polícia, em maio deste ano, Flordelis voltou a afirmar que tinha ido com o marido em Copacabana. A deputada disse também que naquele dia [ela e o marido] foram para um local afastado, onde “namoraram” dentro e fora do carro.

Para a polícia, a deputada Flordelis é a mandante do crime. Ela não pôde ser presa por causa da imunidade parlamentar.

Fonte: Blog do Esmael

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × cinco =