Novos fatos sobre biolaboratórios dos EUA na Ucrânia

biolaboratório

O Ministério da Defesa russo divulgou documentos confirmando que os EUA e a Ucrânia cooperaram para produzir armas biológicas. O tenente-general Igor Kirillov, chefe das tropas de radiação, proteção química e biológica (RKhBZ) das Forças Armadas russas, disse que “ componentes de armas biológicas foram criados ” em território ucraniano.

Ao mesmo tempo, nas reportagens internacionais, tanto os Estados Unidos quanto a Ucrânia se calam sobre esses projetos.

O Pentágono financiou diretamente projetos biológicos militares na Ucrânia. Isso foi confirmado por um documento descoberto pelos militares russos datado de 6 de março de 2015.

O general Kirillov enfatizou que um acordo sobre atividades biológicas militares conjuntas com o Departamento de Defesa dos EUA foi concluído com o Ministério da Saúde da Ucrânia. E o dinheiro, totalizando US$ 32 milhões, chegou aos laboratórios do Ministério da Defesa ucraniano em Kiev, Odessa, Lvov e Kharkov.

Joanna Wintrall, chefe do escritório da Agência de Redução de Ameaças de Defesa dos EUA (DTRA) na Embaixada dos EUA em Kiev, foi uma das curadoras desses projetos.

Kirillov listou vários projetos conjuntos dos Estados Unidos e da Ucrânia e os resultados de seu desenvolvimento.

O Projeto P-782 focou na transmissão de doenças por morcegos. Isso foi feito principalmente por laboratórios ucranianos, e os estudos relevantes foram realizados sob a supervisão de cientistas americanos desde 2009. Especialistas trabalharam em seis famílias de vírus, incluindo coronavírus, e três tipos de bactérias patogênicas – os agentes causadores da peste, brucelose e leptospirose. Eles são rapidamente transmitidos de animais para humanos e são resistentes a drogas.

O Instituto de Medicina Veterinária de Kharkov, no âmbito do projeto Flu-Fly-Way, estudou aves selvagens e a propagação da gripe aviária de alta patogenicidade. Como é de conhecimento, a gripe aviária, a sua infecção e a destruição forçada de aves trazem grandes danos econômicos ao mundo. Os países da Europa em 2021 perderam 2 bilhões de euros e a Rússia 1,7 bilhão de rublos, quando 6 milhões de cabeças de aves tiveram que ser destruídas.

O Laboratório em Khlebodarskoye, juntamente com o Mechnikov Research Anti-Plague Institute em Odessa, trabalhou com patógenos de peste bubônica, antraz, cólera, tularemia e arbovírus. Os funcionários ucranianos não foram autorizados a participar das atividades de destruição e os resíduos biológicos foram levados para as regiões de Tarutino e Berezino.

Medidas semelhantes para destruir vestígios de trabalho com patógenos foram realizadas pelo laboratório em Kherson, onde em fevereiro de 2018, o que é incomum para o inverno, ocorreram quatro surtos de dirofilariose transmitidos por mosquitos. E especialistas que chegaram em abril do Pentágono copiaram os resultados do estudo e da documentação.

O chefe das tropas do RKhBZ, Kirillov, observou que os cientistas ucranianos provavelmente não saberiam sobre os verdadeiros objetivos da pesquisa e foram essencialmente usados ​​“no escuro”. Não é a primeira vez que os Estados Unidos atuam “pelas mãos de outrem”, sublinhou o general e recordou o facto de os americanos terem infectado deliberadamente os habitantes da Guatemala com gonorreia e sífilis. Isso foi reconhecido por Barack Obama em 2010.

Além disso, o Ministério da Defesa russo encontrou evidências de que amostras com biomaterial coletadas na Ucrânia foram transferidas para a Alemanha, Reino Unido e Geórgia.

Compartilhar:

2 thoughts on “Novos fatos sobre biolaboratórios dos EUA na Ucrânia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!