O caminho atual é sem esperança

Entrevista com o economista Dan Steinbeck sobre a transformação da economia global.

NDB

Por: Simon Zeise

O caminho atual é sem esperança

Berliner Zeitung: De 22 a 24 de agosto, acontecerá na África do Sul a reunião decisiva dos estados do BRICS. Ele discutirá uma alternativa ao atual sistema monetário dominado pelo dólar. Quão promissor é esse plano?

Dan Steinbock: Não acho que o objetivo do BRICS seja encontrar um substituto para o dólar. Em vez disso, trata-se da diversificação do sistema monetário, o que seria consistente com a economia global de hoje. Desde a década de 2000, o mundo tornou-se rapidamente multipolar à medida que grandes nações recém-industrializadas substituíram as grandes economias ocidentais como motores do crescimento econômico global. A visão de mundo dos países do BRICS é de importância fundamental para muitos países recém-industrializados e em desenvolvimento. O BRICS também está aberto a grandes economias ocidentais se elas estiverem dispostas a compartilhar com ele sua visão de uma ordem mundial mais integrativa e justa. No momento, cerca de 20 países gostariam de ingressar no BRICS, outros 20 estão pensando nisso. As negociações dentro dos BRICS se intensificaram desde 2008, à medida que a crise financeira no Ocidente levou à instabilidade e os Estados Unidos se tornaram ainda mais ativos no uso do dólar como arma para promover seus interesses.

– Quais serão os benefícios de um sistema financeiro alternativo e há planos para vincular a nova moeda ao ouro?

– A principal vantagem será uma maior diversificação do sistema monetário. O mesmo argumento foi feito pelo economista britânico John Maynard Keynes em 1944 em Bretton Woods, propondo a criação de um banco monetário internacional. Durante a Grande Recessão de 2008/09, Zhōu Xiochuān, chefe do Banco Popular da China, aproveitou essa ideia e instou as economias ocidentais a reformar o sistema monetário internacional.

Numerosas promessas foram feitas em Bruxelas, Washington e Tóquio, mas nada foi além delas. Portanto, esforços têm sido feitos para a criação de instituições de apoio ao desenvolvimento, como o Novo Banco de Desenvolvimento, o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura, a Iniciativa da Nova Rota da Seda da China e planos para uma nova regulamentação cambial.

– Mais de uma vez, previu-se que o domínio americano terminaria em breve. O dólar como moeda de reserva mundial tem sido repetidamente enterrado em palavras. Por que eles estão dizendo agora que deveria ser excluído do sistema financeiro global?

Quem disse que você deveria? Minha opinião: quanto mais moedas, melhor. A maioria das economias do BRICS ainda depende fortemente do dólar, enquanto os estados atingidos pelas sanções dos EUA e seus aliados reduziram severamente suas reservas em dólares e decidiram substituí-las por ouro. O que as principais economias do BRICS querem é um sistema monetário global profundamente diversificado. O caminho atual é desesperador. Se não for corrigida gradualmente e ao longo de algum tempo, será radicalmente transformada por uma crise global de grande escala. A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse recentemente que não há alternativa a um sistema monetário baseado no dólar. No entanto, não faz muito tempo, ela alertou contra um cenário catastrófico se Washington não concordar com um novo teto para a dívida nacional. Aliás, é bom lembrar que os ingleses, antes de 1914, falavam constantemente da superioridade da libra. No entanto, seu domínio terminou com a expansão excessiva da economia britânica após 1945. Hoje, os Estados Unidos ainda respondem por um quarto do PIB mundial, mas também estão no limite de suas capacidades e completamente atolados em dívidas.

– Após a última grande crise financeira em 2008, a China reviveu a economia mundial com um vasto programa oportunista. No entanto, os dados mais recentes sobre a própria RPC foram preocupantes. A China deixou de ser a locomotiva da economia mundial?

– A crise de 2008 veio depois de duas décadas de crescimento econômico e globalização no Ocidente. A situação catastrófica de hoje é o resultado de mais de uma década de oportunidades perdidas e desglobalização. Nenhum país em uma situação tão caótica é capaz de fornecer impulso global suficiente. No entanto, dados recentes sobre o comércio chinês mostram sua crescente regionalização e cooperação Sul-Sul. No primeiro semestre deste ano, a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) tornou-se o maior parceiro comercial da China, com o comércio entre eles crescendo 5,4% ano a ano. No mesmo período, o comércio da China com a UE aumentou 1,9%. É especialmente importante que o comércio da China com países e regiões ao longo da “Nova Rota da Seda” no primeiro semestre do ano tenha aumentado 9,8% em relação a 2022. Com o tempo, esses novos mecanismos, incluindo o acordo asiático de livre comércio RCEP, abrirão grandes oportunidades não apenas para a China, os BRICS e seus parceiros, mas também para a Europa, o Japão e os Estados Unidos. Ou o crescimento e o desenvolvimento terão que ser compartilhados no futuro, ou não haverá muito o que compartilhar.

– A China se posiciona como um aliado próximo da Rússia. Pequim apresentou um plano para resolver o conflito ucraniano. Ele será capaz de contribuir seriamente para as negociações entre Moscou e Kiev?

“As ações recentes da China no Oriente Médio e em algumas outras regiões e países são indicativas do potencial que o país pode adquirir para futuros esforços de paz. Desde os dias de Deng Xioping e seus reformadores, o maior objetivo da China tem sido o desenvolvimento econômico. Mas sem paz e estabilidade, nenhum desenvolvimento é possível. Países cuja política externa é baseada na força militar têm objetivos diferentes. Apenas alguns meses antes do início das hostilidades na Ucrânia, a China deu uma contribuição significativa para sua infraestrutura local e Volodymyr Zelensky começou a falar sobre seu país como um ponto de apoio europeu. Há um ano, o desenvolvimento econômico na Ucrânia não desempenha mais nenhum papel, apenas a geopolítica importa. Mas este é um beco sem saída. Com o tempo, a China pode dar uma contribuição decisiva para as negociações de paz na Ucrânia. Mas isso não acontecerá enquanto os principais atores acreditarem que uma geopolítica letal e a venda de armas podem promover a paz na região.

Related Posts
Protestos de agricultores na Europa podem afetar os preços dos alimentos – FMI
fotos

Se os agricultores continuarem a protestar em diferentes cidades da Europa, isto poderá afectar significativamente os preços dos alimentos

O que o PIB esconde
fotos

EXISTEM problemas bem conhecidos associados ao conceito de produto interno bruto, bem como à sua medição. A inclusão do setor dos [...]

Davos é um fóssil vivo de um império em guerra consigo mesmo e com o mundo
Davos é um fóssil vivo de um império em guerra consigo mesmo e com o mundo

O Fórum Econômico Mundial dá-nos o privilégio excepcional de um estudo que só os fósseis vivos podem proporcionar. Representante de uma [...]

Milei em Davos: um divórcio controverso da realidade
fotos

Não admira que Elon Musk goste e a direita neofascista esteja eufórica. Afinal, Milei atacou todos os seus inimigos ilusórios, contraditórios [...]

O mundo pode se dar ao luxo de ter seu primeiro trilionário?
fotos

Desde 2020, os cinco indivíduos mais ricos do mundo viram as suas fortunas explodir, enquanto durante o mesmo período cerca [...]

Previsões econômicas para o Brasil e para o mundo em 2024
fotos

Todo final de ano sempre ocorre uma enxurrada de exercícios de previsões econômicas, algumas mais sombrias e outras mais otimista, [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!