O círculo se fecha, STF quebra o sigilo bancário de deputados bolsonaristas

O Supremo Tribunal Federal (STF), com decisão do ministro Alexandre de Moraes, determinou nesta terça-feira (16), a quebra do sigilo bancário de 10 deputados federais e um senador bolsonaristas para apurar se eles atuaram no financiamento de atos antidemocráticos contra STF, Congresso Nacional e intervenção militar. A decisão de Moraes foi tomada em conjunto com a autorização de busca e apreensão contra 21 alvos ligados aos atos, operação realizada nesta terça-feira 16/06 pela Polícia Federal

quebra de sigilo
Alexandre de Moraes, determinou a quebra do sigilo bancário da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) e de outros 9 deputados e um senador

Um inquérito aberto no STF pelo ministro Alexandre de Moraes a pedido da Procuradoria Geral da República investiga a organização dessas manifestações.

Moraes autorizou a quebra de sigilo bancários dos deputados junto com a permissão para que a Polícia Federal colocasse em prática a Operação Lume que cumpriu, também nesta terça, mandados de busca e apreensão contra 21 alvos ligados às manifestações antidemocráticas.

Os parlamentares que tiveram seus sigilos bancários quebrados foram: Alê Silva, deputada (PSL-MG), Aline Sleutjes, deputada (PSL-PR), Arolde de Oliveira, senador (PSD-RJ), Bia Kicis, deputada (PSL-DF), Carla Zambelli, deputada (PSL-SP), Caroline de Toni, deputada (PSL-SC), Daniel Silveira, deputado (PSL-RJ), General Girão, deputado (PSL-RN), Guiga Peixoto, deputado (PSL-SP), Junio Amaral, deputado (PSL-MG), Otoni de Paula, deputado (PSC-RJ). Todos eles são aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + 13 =