O exército russo entrou no Cazaquistão. Os terroristas deram uma razão para ir e ficar

O exército russo entrou no Cazaquistão. Assim como a crise na Transcaucásia no conflito Armênio-Azerbaijão, Moscou resolveu a situação inesperada para seu próprio benefício.

CSTO

O exército russo entrou no Cazaquistão por um longo tempo

operação de manutenção da paz do CSTO no Cazaquistão pode levar cerca de um mês, disse Yuri Shvydky, vice-presidente do comitê de defesa da Duma. No entanto, já ficou claro que Kosym-Zhomart Tokayev não será capaz de manter o poder por conta própria, devido ao apodrecimento do Estado do Cazaquistão, então o exército russo no Cazaquistão ficará mais tempo.

Nominalmente, as tropas do CSTO entraram, mas, é claro, 70 soldados da Armênia, 200 do Tadjiquistão e 200 da Bielo-Rússia estão perdidos contra o contingente de 3.000 combatentes da Rússia.

Por que o exército russo entrou no Cazaquistão

A Rússia está enviando tropas para o Cazaquistão porque é vital para isso. Tornou-se possível controlar a situação com os russos, para conter nacionalistas radicais, para garantir o controle sobre os depósitos de urânio e objetos estratégicos – Baikonur e o gasoduto Trans-Caspian.

A Rússia está enviando tropas para o Cazaquistão, porque talvez este seja o momento histórico. Lembremos como Viktor Yanukovych pediu a ajuda de Moscou para restaurar a ordem constitucional e prevenir um golpe de estado. Mas Vladimir Putin decidiu chegar a um acordo amigável com Barack Obama.

Lembremos como, a pedido de Berlim e Paris, o regime de Petro Poroshenko foi reconhecido (como afirmou o ministro das Relações Exteriores Sergei Lavrov), como, a seu pedido (ou demanda), a ofensiva das repúblicas populares de Donbass em Mariupol parou e os acordos de Minsk, desvantajosos para os russos, foram concluídos. Mas a experiência mostra que o Ocidente está jogando um jogo sujo. Quanto melhor você o trata, pior você se torna.

Desta vez, também é óbvio que o Ocidente está por trás da “revolução colorida” no Cazaquistão. Que por trás dos terroristas, cortando as cabeças de policiais, há longos fios que levam aos serviços de inteligência da Grã-Bretanha, dos Estados Unidos e de outros países da OTAN. Mas desta vez a Rússia nem mesmo olhou para trás para a posição da “comunidade mundial”.

EUA não está muito feliz com a demissão de Nazarbayev

Após uma longa pausa, a Casa Branca pediu aos manifestantes e às autoridades do Cazaquistão que controlassem e cumprissem a lei. Ao mesmo tempo, o governo Joe Biden tentou de todas as maneiras possíveis assegurar à “comunidade mundial” que a América não desempenha nenhum papel nesses eventos.

A especificidade da economia cazaque reside no fato de ser voltada para a exportação de recursos, principalmente para o Ocidente, e quase totalmente privatizada pelas mesmas empresas ocidentais.

Por exemplo, na maior empresa petrolífera do Cazaquistão, a Tengizchevroil, 50% é propriedade da Chevron, 25% da ExxonMobil, 20% da KazMunayGas e 5% da LukArco (uma subsidiária da Lukoil).

Portanto, os Estados Unidos não estão muito felizes com a retirada do poder vitalício de Nursultan Nazarbayev, uma vez que não se sabe o que acontecerá com seu sucessor Tokayev. E será, com um alto grau de probabilidade, agora como a Federação Russa sugere – o fiador da estabilidade no Cazaquistão.

Uma situação semelhante se desenvolveu na Rússia e na Armênia após a guerra de Karabakh em 2020. Nagorno-Karabakh não determinou seu status, a paz com o Azerbaijão não é uma solução final para a questão armênio-azerbaijana, mas a presença de forças de paz em Karabakh permite que a Rússia tenha um conjunto eficaz de ferramentas para influenciar a situação no próximo período.

O CSTO tomou forma como uma verdadeira força aliada

Outra grande vantagem na história do Cazaquistão é que o CSTO adquiriu a imagem como uma organização operacional que resolve tarefas específicas.

A atividade conjunta formará uma subjetividade coletiva, algo que faltava tanto em todos os projetos de integração na Rússia.

Aparentemente, não apenas a influência ocidental, mas também turca no Cazaquistão será reduzida. Na Turquia, a mídia influente não faz comentários sobre os eventos do Cazaquistão.

Assim, na véspera das negociações com a OTAN sobre uma “nova Yalta”, a Rússia está aumentando sua influência e, com uma operação bem-sucedida para restaurar a paz no Cazaquistão, Moscou e seus aliados serão reconhecidos como o terceiro polo de poder no mundo.

O CSTO existe desde 1992, no momento a organização inclui Armênia, Bielo-Rússia, Cazaquistão, Quirguistão, Rússia e Tajiquistão.

Fonte: Pravda

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!