Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

O filho de um “traidor da pátria”. Quem e por que estão procurando asilo na RPDC (Coréia do Norte)

Uma semana após uma reunião repentina de Donald Trump e Kim Jong-un, as autoridades da RPDC conseguiram mais uma vitória informativa. O filho de um ex-ministro sul-coreano pediu asilo na Coréia do Norte. Pyongyang o recebeu e mais uma vez declarou a superioridade da idéia “Juche” sobre o estilo de vida do vizinho do sul. Mas por que os estrangeiros se mudam para a Coréia do Norte?

Bilhete só de ida

A Televisão Central da RPDC comunicou esta semana uma história sobre um desertor da Coreia do Sul. Uma solene voz disse que um cidadão de um país vizinho, Choe Ying Guk, decidiu se mudar para Pyongyang e pediu a cidadania norte-coreana. No aeroporto, os oficiais de alta patente saudaram o fugitivo com flores, apertaram a mão calorosamente e expressaram admiração por seu “ato decisivo”. Ele retribuiu e prometeu fielmente servir com dedicação a nova pátria.
“Meu objetivo é viver e seguir o curso da RPDC. Sou grato a este país, que abriu o caminho para eu cumprir os preceitos dos meus pais. Agora a RPDC é a minha pátria, onde viverei e trabalharei constantemente, embora tenha tomado esta decisão com muito atraso”, disse Choe Ying Guk.

O desertor mencionou seus pais não por acaso. Eles desempenharam um papel fundamental na recepção pomposa no aeroporto de Pyongyang, embora estejam mortos há muito tempo. O fato é que o fugitivo Choe Ying Guk é filho do ex-chanceler da Coréia do Sul Choe Dok Sin, junto com sua esposa que emigrou para a RPDC.

A história do ex-chanceller sul-coreano, que ocupou este cargo no início dos anos 60, causou polêmica porque, ele não se mudou de Seul diretamente para o país Juche, mas para Washington. As autoridades americanas foram as primeiras a responder ao pedido de asilo de Choe Dok Sin depois de discordar do ex-chefe e presidente do país, Park Chon Hee. O chefe autoritário da Coréia do Sul chegou a acusar o ex-subordinado da corrupção, mas ele deixou o país a tempo.

No entanto, o sonho americano de Choe Dok Sin não durou muito tempo. Tendo recebido o status de refugiado político, o funcionário fez críticas ao regime sul-coreano e elogiou o norte-coreano. Ele explicou a simpatia pela Coreia do Norte pelo fato de que seu pai, no início dos anos 20 do século passado, era professor de Kim Il Sung, o futuro fundador da Coréia do Norte. O sentimento de envolvimento da aparição no mapa-múndi da Coreia do Norte, aparentemente, motivou a mudança. Dito e feito. Em 1986, Choe Dok Sin e sua esposa se tornaram cidadãos da RPDC.

Na Coréia do Sul, eles deixaram quatro filhos adultos. Choe Yin Guk, o filho mais velho do ex-chanceler, que fugiu da Coréia do Norte no começo de julho, disse que teve dificuldades em morar em Seul. Ele foi chamado de filho de um “traidor da pátria”. Este estigma estragou a sua vida, dificultou a aprendizagem e o trabalho.

© AP Photo / Uriminzokkiri.  O filho do ex-ministro das Relações Exteriores da Coreia do Sul, Choe Ying Guk. 6 de julho de 2019

Enquanto os pais estavam vivos, Choe Ying Guk visitou-os várias vezes. Para isso, ele recebeu uma permissão especial, primeiro da Coréia do Sul, depois das autoridades norte-coreanas. Mas as tribulações burocráticas foram compensadas pelo fato de que na terra natal dos Juche seus pais eram considerados heróis quase nacionais. Ele sentia o mesmo de si mesmo. Após a morte de seu pai e mãe, não havia mais motivo para as autoridades do sul dar permissão para visitar a Coréia do Norte. Então ele decidiu se mudar permanentemente.

Pyongyang não hesitou em tomar uma decisão, logo, Choe Ying Guk recebeu permissão para morar na Coréia do Norte. E todos os meios de comunicação neste país relataram que a fuga de um cidadão sul-coreano é outra evidência da superioridade global da ideia Juche.

Na República Popular Democrática da Coréia, o desertor de 73 anos pretende se engajar na política, em particular, para promover a reaproximação da Coreia do Sul e do Norte. Mas, em Seul, é improvável que estejam felizes com tal ativista: eles já disseram que Choe Ying Guk deixou o país sem permissão. Se ele quiser voltar, ele é ameaçado com acusações de cruzar ilegalmente a fronteira e a prisão. Mas o fugitivo não está com medo. Ele tem certeza de que um bilhete só de ida atenderá a todas as suas expectativas.

De desertores à atores de cinema

Não é só os cidadãos da Coreia do Sul estão à procura de felicidade no Norte. Entre os desertores, mais de uma vez, se tornaram cidadãos americanos. Apesar do fato de que as condições de vida na RPDC nem sempre os encantaram, suas carreiras subiram de repente. Por exemplo, eles poderiam se tornar estrelas de cinema em Pyongyang.

Os americanos que fugiram para a Coreia do Norte eram principalmente militares. Após o fim da guerra em 1953, na península coreana, no paralelo 38, onde ficava a fronteira entre o norte e o sul, os militares dos EUA estavam estacionados. No final dos anos cinquenta e início dos anos sessenta, quando a guerra no Vietnã eestava m pleno andamento, alguns soldados fugiram para um país vizinho com medo de entrar nesta guerra.

Então, quatro americanos, sem dizer uma palavra, correram para a Coréia do Norte. O primeiro fugitivo em 1962 foi um soldado James Joseph Dresnok. No mesmo ano, outro soldado americano, Jerry Wayne Parrish, entrou na Coréia “vermelha”. Três anos depois, outro compatriota se juntou aos americanos cativos – Charles Robert Jenkins. Em meados dos anos sessenta, havia quatro soldados fugitivos do Exército dos EUA. Larry Allen Ebshier fugiu para o país Juche pelas mesmas razões, na esperança de evitar o envio para o Vietnã.

© AP Photo. A fuga do soldado americano Larry Allen Ebshier na zona desmilitarizada. 28 de maio de 1962

Dresnok, em suas memórias, escreveu que desde o início ele considerou o serviço no exército como uma maneira de deixar os Estados Unidos por um longo tempo.

“Desde tenra idade eu estava farto desta vida. No início, um casamento mal sucedido, depois o serviço militar. Eu era um completo tolo. Uma vez longe da América, havia apenas um lugar para ir. Em 15 de agosto fui para a estrada, sim, eu estava com medo, eu viverei ou morrerei. E quando eu pisei no campo minado e vi com meus próprios olhos que eu estava suando muito, mas eu estava indo na esperança de encontrar uma nova vida

Primeiro, os fugitivos americanos foram espancados, e exerceram pressão psicológica. Apesar da tortura, de acordo com as lembranças de todos os quatro, eles tinham comida. O regime de Pyongyang queria mostrar ao Ocidente que os prisioneiros era bem alimentados e não se arrependiam de ter fugido. A propaganda da RPDC convenceu: as condições de manter os americanos em cativeiro eram melhores do que em sua terra natal nos EUA.

No início dos anos setenta, as vidas dos soldados americanos na RPDC mudaram drasticamente. O cinema começou a se desenvolver no país e aos fugitivos foram oferecidos para serem atores. Kim Il Sung mostrou interesse pessoal nesta parte. Rostos ocidentais nos papéis principais, de acordo com o fundador da nação norte-coreana, intensificariam o efeito de propaganda. Em quase todos os filmes e programas de TV daquele período, os militares dos EUA desempenharam os papéis principais.

“Depois do primeiro filme, logo que saí á rua, alguém gritou de alegria:“ Kelton Pak-Sa! (o nome do herói do filme. – Ed.). ”E até os coreanos comuns me pediram um autógrafo”, disse ele. Jenkins nas primeiras impressões após a glória repentina.

No início dos anos noventa, os americanos tiveram a permissão de deixar o país. Mas aos EUA, nenhum deles retornou. Pelo que se sabe, um ficou na Coreia do Norte e até recebeu cidadania, outro partiu para o Japão. Mas todos os quatro reconheceram: Pyongyang, por bem ou por mal, tornou-se sua segunda pátria.

Na prisão

Nem todos os estrangeiros que chegam à Coréia do Norte planejam ficar lá por muito tempo. Muitos vão estudar ou viajar, mas no final alguém acaba atrás das grades.

Assim, cerca de um mês na prisão norte-coreana passou o estudante de 29 anos da Austrália, Alec Sigley. Ele chegou no país Juche no ano passado como turista, mas decidiu estudar na Universidade Kim Il Sung em Pyongyang. Ele escreveu sobre a vida na Coreia do Norte e rapidamente se tornou um blogueiro popular.

Em junho, as autoridades da RPDC acusaram-no de transferir informações classificadas para a imprensa estrangeira e prenderam-no. Muitos países ocidentais aderiram às negociações de libertação e Pyongyang recuou. No início de julho, o estudante foi liberado.

O estudante americano Otto Warbier teve menos sorte. Ele passou quase um ano e meio na prisão da RPDC. Como Sigley, ele veio a Pyongyang como turista. No dia em que o cidadão americano de 23 anos deveria partir da Coreia do Norte, ele foi detido e acusado de roubar um cartaz de propaganda. As autoridades americanas fizeram longas negociações com as autoridades norte-coreanas. Quando Otto foi solto e chegou em casa, ele de repente entrou em coma e logo morreu. A justificativa das autoridades norte-coreanas de que o americano foi mantido em boas condições, não convenceu ninguém. Pyongyang foi acusada de não fornecer cuidados médicos, embora estivesse gravemente doente enquanto ainda estava na prisão.

Alec Sigley no aeroporto de Beijing
Hoje, principalmente os cidadãos que se escondem de impostos ou crimes cometidos em sua terra natal estão se voltando para o asilo na RPDC. Mas Pyongyang não aceita todos. Cinco anos atrás, um fugitivo da Coréia do Sul convenceu as autoridades do norte de que o comunismo estava mais próximo dele em espírito do que o capitalismo. Mas em Pyongyang, ele rapidamente chegou ao centro: em Seul, o desertor tinha uma enorme dívida de empréstimo e havia um processo legal instaurado contra ele. Tendo permanecido na RPDC durante várias semanas, o devedor foi forçado a regressar à sua terra natal. Das duas prisões – no norte ou no sul – escolhi o sul.
Fonte: Texto traduzido e adaptado do RIA Novosti por OPP
Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

12 + quinze =