O Fim do Princípio e o Princípio do Fim

USA-wars.jpg

Por Batiushka para o blog Saker

Introdução: Quanto tempo mais?

Muitos perguntam quanto tempo durará a guerra dos EUA contra a Rússia, a Bielorrússia e a Ucrânia? Alguns dizem apenas mais dois ou três meses, outros muito mais, até cinco anos ou mais. Por minhas próprias razões, digo mais dezoito meses, até 5 de maio de 2024. O que quer que você pense, tudo depende de quanto a elite neocon/neoliberal americana através de seus aliados da OTAN, especialmente o Reino Unido, a seita Zelensky e seus assassinos contratados (assim- chamados de mercenários – pois poucos nacionalistas de Kiev estão agora para lutar) querem escalar sua guerra. E eles fazem, e é por isso que nem tudo terminou em março passado, quando poderia ter terminado. Em outras palavras, quanto a elite americana quer que seus povos sujeitos, na América do Norte, Europa Ocidental e Ucrânia, sofram?

Parece que a elite dos EUA quer que eles sofram até que todos estejam mortos. Mas isso não acontecerá, pois o verme se transformará, muito, muito antes disso. De fato, na atual Ucrânia com restrições de energia e água, alguns vermes já estão se transformando. E até mesmo algumas pessoas com frio e fome na Europa Ocidental e na América do Norte também estão se transformando. O que a elite quer, e o que o povo, especialmente na Ucrânia, vai tolerar, são duas coisas diferentes. Tudo poderia acabar amanhã, se a elite quisesse. Muito mais provável, isso levará algum tempo, pois a guerra não é entre a Ucrânia e a Rússia, mas entre os EUA e a Rússia. A Ucrânia é apenas o campo de batalha. Não, repito, espere pacientemente até maio de 2024.

Mil anos de inferno

O que nunca aconteceu entre 1857 e 1945 aconteceu: a guerra entre o Império Russo e a Grã-Bretanha. (Aconteceu em Sebastopol em 1856; e a Rússia ainda não deu ao establishment britânico um nariz sangrento por isso). O que nunca aconteceu entre 1945 e 1991 aconteceu: a guerra entre a URSS e os EUA. É verdade que o Império Russo/URSS é agora chamado de Federação Russa e a Grã-Bretanha/os EUA são chamados de ‘Otan’ (na verdade, principalmente gangues de mercenários internacionais) e o campo de batalha é a fronteira sudoeste do antigo Império Russo/União Soviética, por enquanto chamado de Ucrânia. E o motivo não é a disputa entre Capitalismo Anglo-Saxão e Monarquia/Comunismo, mas entre a Tirania Global dos Oligarcas e a Liberdade e Soberania dos Povos do Mundo.

O mundo ocidental, e hoje isso significa simplesmente os EUA, que se escondem atrás da palavra ‘Globalização’, quando realmente significa americanização, e palavras como ‘Ocidente’, ‘Otan’, ‘o mundo civilizado’, ‘a comunidade internacional’ , ‘a ordem baseada em regras’, só conhece um sistema: o feudalismo. E isso nada mais é do que o esquema de pirâmide dos criminosos. Como Michael Hudson escreveu tão precisamente:

‘O análogo da Europa medieval à Nova Guerra Fria da América contra a China e a Rússia foi o Grande Cisma em 1054. Exigindo o controle unipolar sobre a cristandade, Leão IX excomungou a Igreja Ortodoxa centrada em Constantinopla e toda a população cristã que pertencia a ela. Um único bispado, Roma, separou-se de todo o mundo cristão da época, incluindo os antigos Patriarcados de Alexandria, Antioquia, Constantinopla e Jerusalém.

Essa ruptura criou um problema político para a diplomacia romana: como manter todos os reinos da Europa Ocidental sob seu controle e reivindicar o direito de subsídio financeiro deles. Esse objetivo exigia subordinar os reis seculares à autoridade religiosa papal. Em 1074, Gregório VII, Hildebrando, anunciou 27 ditados papais delineando a estratégia administrativa de Roma para manter seu poder sobre a Europa.

Essas exigências papais são surpreendentemente paralelas à diplomacia americana de hoje. Em ambos os casos, os interesses militares e mundanos exigem uma sublimação na forma de um espírito de cruzada ideológica para cimentar o sentimento de solidariedade que qualquer sistema de dominação imperial exige. A lógica é atemporal e universal’.

Hoje o Papa “Joe” está no poder, ou melhor, o interesse próprio daqueles que estão atrás de seu trono está no poder. Mas esse poder está sendo destruído militarmente (a Otan ficará sem braços no atual ritmo de desgaste), financeiramente (quem vai querer os dólares sem valor de um Estado falido e dividido? A minoria?).

Depois da Vitória

Quando, com o tempo, a Rússia vencer o que na verdade é apenas a última fase de nossa luta milenar, tudo mudará. Então o mundo inteiro se libertará passo a passo da camisa de força americana e, finalmente, atravessará as grades, deixará o asilo de lunáticos de Washington.

Em primeiro lugar, há a quinta e sexta colunas da própria Rússia. Nós os estimamos em 5% da população – esse foi o número daqueles que apoiaram o traidor da CIA Navalny. (O fato de a CIA ter tentado envenenar Navalny, atribuindo-o à Rússia à la MI5, é quase uma prova de que o perpetrador era a CIA. Assassinato é o que a CIA sempre faz com seus agentes para os quais não tem mais utilidade, de muitos ditadores latino-americanos e asiáticos a Saddam Hussein e Osama Bin Laden). Ou a quinta e sexta coluna podem deixar a Rússia (algumas já saíram, para Finlândia, Geórgia e, especialmente, Israel), limpando a Rússia de sua presença, ou então eles podem se arrepender de sua traição. A Grande Limpeza da Rússia está apenas começando, com toda a classe oligarca.

Então a América Latina pode se libertar de ditadores, traficantes de drogas e da dependência dos mercados de drogas norte-americanos impostos pela CIA. América do Sul, América Central, Caribe e México podem começar a recuperar suas civilizações avançadas destruídas por exploradores espanhóis e portugueses, ‘conquistadores’, que levaram os sobreviventes a abandonar seus palácios, templos e aldeias e viver em lugares remotos nas selvas.

Depois, há os vassalos da orla asiática dos EUA (os EUA nunca conseguiram penetrar no interior da Eurásia, sendo expulsos até da Península do Sudeste Asiático, assim como do Irã, Iraque, Afeganistão e logo Europa, onde penetrou apenas até a Ucrânia): o Japão pode ser libertado de seus ocupantes depois de mais de três gerações e começar a redescobrir sua verdadeira identidade; a península coreana pode ser reunificada; Taiwan pode finalmente voltar à pátria; na Ásia ocidental, Israel será forçado a fazer as pazes com os povos nativos cujas terras roubou e renomeou Palestina.

Então os vassalos dos EUA no Noroeste da Eurásia podem virar as costas para o frio e vazio Oceano cinzento, com suas nuvens, vento e chuva, e rosto onde suas capitais, Reykjavik, Dublin, Londres já estão voltadas – para leste – para o nascer do sol, para casa, às suas origens na Eurásia, o Coração das Nações Soberanas. As construções tirânicas e parasitárias da UE e do Reino Unido, impostas pelas odiadas e estrangeiras elites do establishment, podem cair no passado, desnecessárias e não amadas. Assim como a Ucrânia, os Estados Bálticos também se dissolverão após a libertação de seus regimes fascistas.

A Afro-Eurásia é sete oitavos da humanidade, liderada industrial e economicamente pela China e Índia, ideológica e militarmente pela Rússia, juntamente com o enorme potencial humano e de recursos da África, uma vez que sua infraestrutura tenha sido criada.

A Oceania, talvez possa ser renomeada como Polinésia, as Muitas Ilhas, com sua ilha central ainda chamada pelo estranho nome latino de ‘Austrália’, mas para ser renomeada talvez como ‘A Grande Ilha’, pode redescobrir sua identidade original do Leste Asiático.

Finalmente, isso fará com que o Canadá e os EUA se dissolvam em uma série de Nações, nas quais seus povos nativos originais podem desempenhar um papel novo e importante, a velha centralização partirá. Levará muito tempo até que eles possam prosperar novamente, pois estão muito sobrecarregados pelas dívidas do imperialismo militarista, mas o potencial para alguma recuperação modesta no futuro está lá.

Quanto às instituições ‘internacionais’, que nunca foram internacionais, as instituições financeiras do FMI e do Banco Mundial, administradas pelos EUA, provavelmente poderiam simplesmente ser fechadas. Eles são exatamente como sua ala política e econômica europeia, chamada UE, atualmente sendo falida por seus líderes suicidas, e sua ala militar europeia chamada Otan, atualmente sendo exterminada na Ucrânia.

O vassalo dos EUA, a chamada ONU, será renomeado e removido para o centro do mundo, longe de sua fronteira primitiva na América do Norte. Talvez algum nome como ‘A Aliança dos Povos’ (AP) seria adequado? Talvez nos arredores de Ekaterinburg, na fronteira continental da Europa e da Ásia? Ou talvez para aquele centro da Civilização Antiga, Teerã, mais próximo do centro da Afro-Eurásia?

Conclusão: A Longa, Longa Marcha para a Liberdade

Estamos vivendo o fim daquele velho mundo Ocidentecêntrico e vendo o nascimento do novo mundo multicêntrico. Este é o mundo que teria existido o tempo todo, não fosse pela milenar interrupção ocidental da história. O Ocidente vai retomar a história de onde parou, ou melhor, de onde foi forçado a se desviar todos esses séculos atrás. Como Michael Hudson escreveu acima: “O análogo da Europa medieval à Nova Guerra Fria dos Estados Unidos contra a China e a Rússia foi o Grande Cisma em 1054”. À medida que avançamos para 2054, o Ocidente será forçado a se libertar do fardo milenar de seu passado.

Outros também aprenderão a entender que a operação de desnazificação da Rússia na Ucrânia foi uma operação para libertar um país de sua ocupação pela elite neofeudal norte-americana. Este último derrubou ilegalmente o governo democraticamente eleito da Ucrânia em 2014, que é a data em que esta Terceira Guerra Mundial, que deve durar uma década, começou. Mas o mesmo vale para toda a Europa Ocidental, ela também foi ocupada. Só que está ocupada por sua própria elite feudal desde pelo menos 1054, quando essa nova elite impôs uma nova mentalidade e depois manipulou os povos, desprivilegiando-os em servos, plebeus e vilões. A libertação da Ucrânia vai fazer os ocidentais de fora dos EUA pensarem: ‘Não somos também vassalos das elites, manipulados por elas? Sejamos livres e sejamos quem deveríamos ser, quem realmente somos, antes que as elites nos capturassem. Joguemos fora as correntes da servidão às elites. Sejamos livres, como antes’. Este é o fim do começo e o começo do fim.

Deixe-me citar novamente. Desta vez não do brilhante economista Michael Hudson, mas do ex-presidente da Federação Russa, Dmitry Medvedev, que hoje escreveu estas palavras de verdade:

Contra nós hoje é parte de um mundo moribundo. Este é um bando de viciados em drogas nazistas loucos, pessoas zumbificadas e intimidadas por eles e uma grande matilha de cães latindo dos canis ocidentais

Com eles está um rebanho heterogêneo de porcos grunhidos e burgueses tacanhos do Império Ocidental em colapso, a saliva escorrendo pelo queixo da degeneração. Eles não têm fé e ideais, exceto os costumes obscenos inventados por eles e os padrões de duplicidade implantados por eles, negando a moralidade conferida às pessoas normais. Portanto, levantando-nos contra eles, adquirimos um poder sagrado…

Por que ficamos em silêncio por tanto tempo? Estávamos fracos, devastados pelos maus momentos. E agora nos livramos daquele sono grudento e da neblina sombria das últimas décadas, nas quais a morte da antiga Pátria nos mergulhou. Outros países aguardavam nosso despertar, violados pelos senhores das trevas, senhores de escravos e opressores, que sonham com seu monstruoso passado colonial e anseiam por manter seu poder sobre o mundo. Muitos países não acreditam em seus absurdos há muito tempo, mas ainda estão com medo deles. Logo estarão bem acordados. E quando a podre ordem mundial entrar em colapso, ela irá enterrar todos os seus arrogantes altos sacerdotes, seguidores sanguinários, servos zombeteiros e zumbis mudos sob uma pilha de toneladas de seus escombros.

Quais são nossas armas? Nossas armas são variadas. Temos a oportunidade de enviar todos os nossos inimigos para a ardente Geena, mas essa não é nossa tarefa. Ouvimos as palavras do Criador em nossos corações e as obedecemos. Essas palavras nos dão um propósito sagrado. O objetivo é parar o governante supremo do inferno, não importa o nome que ele use… Pois seu objetivo é a morte. Nosso objetivo é a vida. Sua arma é uma mentira intrincada. E nossas armas são a Verdade. É por isso que nossa causa está certa. É por isso que a vitória será nossa!’

Related Posts
Explicando a política de Lênin e as ações de Putin na Ucrânia
fotos

O que Putin está fazendo é combater a violação da autodeterminação da Rússia. Ao expulsar a OTAN da Ucrânia, ele [...]

Soberania para todos. Neocolonialismo e a luta contra ele
fotos

Uma falha significativa no sistema econômico mundial criado após o colapso da URSS e da comunidade socialista é a extrema [...]

A prisão de Bolsonaro está próxima?
fotos

A prisão do ex-presidente Bolsonaro será a próxima? Essa é uma pergunta que muitos brasileiros fazem atualmente. Com tantas polêmicas [...]

Do Rio ao Mar (Vermelho): Por que os EUA estão formando uma nova força-tarefa naval
fotos

O Iêmen abalou a trajetória da guerra de Israel em Gaza ao atacar navios a caminho do estado de ocupação. [...]

O jogo de roleta russa de Netanyahu
fotos

Com a diminuição dos ganhos estratégicos da guerra de Israel em Gaza e as ameaças internas e externas ao seu [...]

Dirigentes do picadeiro e outros males neoliberais
fotos

Tanto para circo quanto para treinamento de equinos, o neoliberalismo proporcionou nova safra de dirigentes que, fora da sucessão hereditária, [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!