O Grande Plano de Biden e o seu fracasso

joe_biden

Biden pode ser uma sombra triste e murcha de um homem, mas ele é um mero mascote, enquanto seu clã certamente não carece de ambição covarde. Ele conseguiu chegar ao poder roubando a eleição presidencial dos EUA por meio de todo tipo de calúnia, falsificação e fraude, depois trabalhou assiduamente para manter seu domínio sobre o poder político perpétuo, canalizando fundos do Tesouro dos EUA para campanhas eleitorais dos EUA por meio da máquina de lavagem de dinheiro favorita do clã Biden, conhecida como Ucrânia. Percebendo que o pote de biscoitos dos EUA está quase vazio, mas transbordando de promissórias inúteis, fazendo com que os padrões de vida nos EUA comecem a cair vertiginosamente, o clã Biden se esforçou para roubar a Rússia de seus recursos naturais, estrangulando-a política, econômica e militarmente. Para isso, empregou, mais uma vez, sua máquina de lavagem de dinheiro favorita conhecida como Ucrânia, desviando alguns dos fundos que estão sendo lavados para gastos militares, treinando e equipando os ucranianos para atacar o Donbass, dando assim à Rússia nenhuma escolha a não ser se levantar em sua defesa. Este “ato de agressão nua”, por sua vez, deu a todo o “mundo civilizado” uma desculpa para estrangulá-la política, econômica e militarmente.

Para garantir que todo o “mundo civilizado” concordasse com esse plano com obediência inquestionável, o clã Biden realizou um exercício de treinamento de obediência que chamou de “pandemia”: lançou no mundo um vírus relativamente inócuo feito em laboratório, então usou táticas de controle da mente para tentar afirmar o controle total da população global, forçando-a a aceitar bloqueios contraproducentes, uso de máscaras inúteis e vacinas realmente prejudiciais (embora altamente lucrativas). Mas espere, tem mais! O plano listado acima foi apenas um preâmbulo para obter o prêmio final – a China – que cresceu de uma economia de oficina subserviente para uma grande potência mundial e está prestes a deslocar os EUA da sua posição hegemônica. A derrota da Rússia e a subsequente pilhagem de seus recursos abririam caminho para a derrota da China, tendo como desculpa a batalha pela independência de Taiwan. E com isso os poderosos EUA seriam capazes de continuar queimando uma parte obscenamente grande dos recursos naturais restantes do mundo a uma taxa completamente ridícula por mais algumas décadas, em vez de entrar em colapso no final deste ano ou talvez no próximo ou no seguinte.

Em face disso, este plano está além do absurdo; quem essas pessoas pensam que são? Joe Biden é o candidato mais improvável para governante do universo. Este filho de um vendedor de carros usados ​​nunca teve um emprego honesto em toda a sua vida. Depois de passar no exame da ordem, ele rapidamente concorreu ao Senado dos EUA e tem assombrado os corredores de Washington desde então, alcançando destaque totalmente imerecido como vice-presidente branco de Barack Obama. Depois que a jogada política de Hillary Clinton caiu e ardeu, o ninho de vigaristas e criminosos democratas agarrou-se a Biden num esforço desesperado para recuperar o poder – o que eles fizeram. É duvidoso que Biden tenha entendido o que estava acontecendo, já que sua obscuridade nata foi aumentada nos últimos anos pela progressão da demência, e isso o tornou um candidato particularmente bom para o cargo. Ainda, há algo de demente em todo o plano, trazendo à mente a frase latina “Deus quos vult perdere dementat prius” (aqueles que Deus deseja destruir, Ele antes enlouquece). E a bizarra audácia de seu plano faz brotar outro trecho do latim escolar: “Si vis Deum facere risum, indica illis tua consilia” (se você quer fazer Deus rir, conte-lhe seus planos). Mudando do sublime para o vulgar e profano, há também a famosa citação de Obama: “Não subestime a capacidade de Joe de foder as coisas”. E ele estragou tudo? Rapaz, sim como sempre!

Então, como esse plano sobreviveu ao contato com a realidade? Vamos dar uma olhada.

ajuda_ucrania

Na frente política, o velho estratagema de “divide et impera” (dividir para reinar) parece estar funcionando tão bem para os compatriotas de Joe quanto para os inimigos da América. Os EUA são um país politicamente segregado e nos últimos anos houve uma grande fuga de conservadores de redutos infestados de democratas no nordeste e na costa oeste para lugares mais saudáveis, onde quer que eles ainda possam ser encontrados. Agravar ainda mais essa segregação política aumenta a capacidade do clã Biden de frustrar todos os esforços possíveis para fazer uma causa comum. Para tanto, adotam políticas que alienam e desempoderam ainda mais metade do eleitorado, enquanto usam a ameaça de ostracismo e processos políticos diretos para manter a outra metade na linha. O controle dos órgãos federais e da grande maioria dos meios de comunicação de massa facilita a destruição de todo e qualquer concorrente político que possa surgir por meio de uma série interminável de acusações infundadas. Os cofres da campanha política transbordando com fundos federais circulavam por empreiteiros de defesa e a lavagem de dinheiro ucraniana deveriam, pelo menos em teoria, tornar possível manter um domínio sobre a política eleitoral, embora as recentes eleições de meio de mandato não tenham sido um sucesso impressionante para os democratas. Há até algumas vozes fracas sendo levantadas na Câmara, agora nas mãos dos republicanos, a favor de investigar os mais de US$100 mil milhões que já foram gastos em mansões ucranianas na Suíça, férias de funcionários ucranianos nas Maldivas, comércio ilegal de armas ucranianas e… ah sim, campanhas eleitorais democratas (quase esqueci, desculpe!). Claro, cerca de um terço dos fundos na verdade resulta em armas sendo entregues na frente oriental (onde são rapidamente destruídas pelos russos) – mas onde está o resto? Infelizmente, nunca saberemos! A Ucrânia tornou-se um buraco negro que suga incessantemente os recursos do Ocidente coletivo, enquanto não oferece absolutamente nada no que diz respeito a resultados positivos para ninguém, exceto para os russos. É muito cedo para dizer se o plano do clã Biden de manter um controle permanente do poder político nos EUA está condenado; podemos ter certeza de que acabará falhando, mas, enquanto isso, parece plausível que os americanos se arrastem mansamente como cordeiros para o abate, as poucas vozes fracas da razão levantadas entre eles são rapidamente abafadas por gritos de “teórico da conspiração!” ou “agente russo!” ou “Trans-fóbico!” ou algum absurdo novo ainda mais ridículo. É importante lembrar que o êxito do clã Biden não teria sido possível sem avanços verdadeiramente impressionantes nas tecnologias americanas de controle da mente.

Isso é quase totalmente fora do assunto, já que nunca fez parte do plano insanamente audacioso do clã Biden, mas nenhum desses desenvolvimentos é nem um pouco propício para fazer as reformas que seriam necessárias se o projeto americano continuasse. O problema básico é uma discrepância de escala já muito grande, e crescente, entre o tamanho relativamente pequeno da população dos EUA e seu potencial produtivo e a parcela relativamente grande de produtos da economia global que ela consome. Simplificando, os EUA vivem além de suas possibilidades há muito tempo, e os défices comerciais sistêmicos com grande parte do mundo, a dívida descontrolada, os custos crescentes de quase tudo e a queda do rendimento real são todos sintomas dessa doença econômica terminal. Curá-lo envolveria a instituição de um programa de redução e simplificação completa e rápida dos meios de vida, uma redução dos padrões e um foco nas necessidades para a exclusão de luxos e extravagâncias. O plano do clã Biden é manter a festa um pouco mais, continuando a roubar o resto do mundo; certamente não envolve tentar submeter o país a um programa de desintoxicação e condicionamento físico. Tal programa exigiria unidade nacional e solidariedade – que não existem, e por isso lamento desperdiçar seu tempo com tal absurdo. Em certo sentido, o plano do clã Biden de roubar os recursos naturais da Rússia é mais realista.

tio_sam_tambores

Mas como está indo? Incitar a Rússia a iniciar sua Operação Militar Especial na Ucrânia foi certamente um êxito. A operação já dura um ano. Certamente foi preciso muito esforço para começar. Primeiro, houve a derrubada violenta do governo constitucional da Ucrânia em 2014. Na época, Victoria Nuland, do Departamento de Estado dos EUA, gabou-se de que os EUA haviam gasto US$5 mil milhões para… hum… desestabilizar e corromper a política ucraniana – com bastante êxito, posso adicionar. Então, o novo governo administrado por Nuland perdeu rapidamente a Crimeia (que seria o grande prêmio para os EUA, que havia programado o lugar para sediar uma grande nova base naval da NATO). Em seguida, ele se esforçou para alienar, ofender e provocar os residentes de suas províncias orientais a tal ponto que muitos deles começaram a clamar pela separação e pela reintegração à Rússia. Em seguida, o regime de Kiev atacou militarmente suas províncias orientais, iniciando uma guerra civil que durou oito anos e resultou na morte de milhares de civis e em uma crise de refugiados que afetou mais de dez milhões de pessoas. Em vez de tentar resolver esse conflito usando a diplomacia, os EUA preferiram explorá-lo como uma oportunidade para impor sanções unilaterais (e, portanto, ilegais) à Rússia, enquanto estimulavam as forças armadas ucranianas. Os EUA também construíram 15 laboratórios de guerra biológica em todo o território ucraniano que conduziam pesquisas avançadas de armas biológicas em violação de acordos internacionais. Então, na Conferência de Segurança de Munique em fevereiro de 2022, quando o presidente ucraniano expressou sua intenção de desenvolver armas nucleares (em violação do Tratado de Não Proliferação Nuclear), os EUA não se opuseram.

As autoridades americanas foram rápidas em rotular a operação russa como “um ato de pura agressão”, mas foi mesmo? O regime de Kiev vinha bombardeando áreas civis nas províncias orientais há oito anos, e esses ataques aumentavam rapidamente. Ao declarar a Operação Militar Especial, a Rússia agiu de acordo com a doutrina internacionalmente aceite conhecida como “responsabilidade de proteger” ou R2P, que os EUA já haviam invocado em inúmeras ocasiões para justificar suas intervenções em Kosovo, Líbia, Síria, Sudão e outros lugares, e o que é bom para a gansa é bom para o ganso. Mais uma vez, em vez de tentar usar a diplomacia para interromper as hostilidades e diluir as tensões, os EUA exploraram esta situação como desculpa para impor mais sanções unilaterais (e portanto ilegais) à Rússia e fazer tudo o que estivesse ao seu alcance para arruinar as relações entre a Rússia e a União Europeia, que até então era o seu principal parceiro comercial. O resultado sonhado para o clã Biden consistia na economia russa em ruínas, o governo de Moscou derrubado por multidões enfurecidas e várias regiões russas seguindo caminhos separados e processando a paz separadamente, e empresas ocidentais de energia e mineração assumindo o controle da energia e recursos naturais da Rússia, para explorá-los no seu próprio benefício. E o resultado do mundo real que eles alcançaram é o Buraco Negro.

Nesse ínterim, a Rússia venceu. Não faltam comentários sobre se a Rússia pode vencer e o que pode acontecer se a Rússia vencer. Alguns comentaristas particularmente ousados ​​são até destemidos o suficiente para arriscar que a vitória da Rússia pode ser inevitável. Mas até agora nenhum deles realmente reconheceu o fato de que a Rússia já venceu. Da mesma forma, não faltam comentários sobre como os militares russos estavam supostamente mal preparados, como seus planos foram mal concebidos e executados de forma incompetente e assim por diante. Além de problemas bastante específicos e uma grande surpresa, não acredito que nada disso seja verdade, mas isso não vem ao caso. A questão principal é: o que a Rússia ganhou? Uma lista parcial de vitórias russas (até agora) é fácil de recitar e fico feliz em faze-lo.

    • A Rússia recuperou quatro das suas antigas províncias: Donetsk, Lugansk, Zaporozhye e Kherson, junto com a sua população russa. Grande parte do restante do território ucraniano é um interior desinteressante no que diz respeito à Rússia, mas essas quatro eram joias da coroa do Império Russo e o seu retorno sinaliza um renascimento russo. Três das quatro estão sob ocupação ucraniana parcial e estão sendo gradualmente libertadas. São essas áreas ocupadas do que é agora o território soberano da Rússia (de acordo com a constituição russa) que formam o Buraco Negro. Ao recuperar essas províncias, a Rússia criou uma ponte terrestre para a Crimeia, que anteriormente só podia ser acessada por uma única ponte longa (rodoviária e ferroviária) ou por balsas. A ponte terrestre encurtou consideravelmente a rota de carga de Moscou para a Crimeia. A adição da região de Kherson tornou possível restaurar o abastecimento de água que havia sido bloqueado pelos ucranianos, tornando mais uma vez possível o cultivo do arroz da Crimeia, que é uma importante cultura comercial. Também possibilitou a restauração das linhas de transmissão de eletricidade explodidas pelos ucranianos, resolvendo o problema de falta de eletricidade na península da Crimeia.
  • A Rússia reorientou com êxito seu comércio exterior de “nações hostis” — ou seja, o Ocidente coletivo — em direção a nações amigas — ou seja, o resto do mundo, que constituem a maioria da população mundial, incluindo países grandes e importantes como China, Índia e Brasil. A economia da Rússia foi atingida, mas foi em apenas 4% do PIB, e apenas no primeiro trimestre de 2022, e desde então voltou a crescer. As “sanções infernais” impostas pela UE desde o início da Operação Militar Especial deram novo impulso aos programas russos de substituição de importações e, em pouco tempo, relocalizou a produção de muitos componentes essenciais para a fabricação de carros, aviões e muito mais. Ao mesmo tempo, os parceiros comerciais não ocidentais da Rússia têm sido muito úteis para ajudar a Rússia a contornar as sanções ocidentais sempre que necessário. Quando a UE impôs um teto de preço de US$60 por barril para o petróleo russo, a Rússia respondeu proibindo todos os exportadores que respeitassem o teto de preço. Como isso significava que toda uma frota de petroleiros ficaria repentinamente sem carga, os preços dos petroleiros caíram, permitindo que a Rússia comprasse rapidamente uma frota de cerca de 400 petroleiros. O resultado final é que a Rússia continua vendendo seu petróleo bem acima de US$60/barril para quem quiser, enquanto o Ocidente tem que pagar a mais por ele ao comprá-lo de terceiros.
    • A Rússia consolidou seus laços altamente benéficos com a China, Índia e outros países, criando um grande novo atrativo que rouba a cena de Washington e Bruxelas. Todo um coro de nações está agora interessado em ingressar em organizações internacionais que a Rússia ajudou a criar, como BRICS e SCO. Muitos países estão reorientando seu comércio para longe das moedas ocidentais e negociando swaps de moeda entre si, permitindo-lhes realizar comércio bilateral em suas próprias moedas. Em particular, a Arábia Saudita planeja usar o yuan em seu comércio de petróleo com a China, substituindo o petrodólar. Assim que a Arábia Saudita fizer isso, é provável que outros países sigam o exemplo. Muitos países da África e da América Latina estão agora altamente receptivos a laços mais estreitos com a Rússia, vendo-os como uma forma de se libertarem das garras do neocolonialismo ocidental. A grande maioria dos países não ocidentais se recusou a condenar a Operação Militar Especial da Rússia ou a aderir às sanções ocidentais contra a Rússia, aceitando a justificativa da Rússia como uma causa justa em oposição ao nazismo, terrorismo e genocídio apoiados pelo Ocidente. Por sua vez, com seu apoio ao regime de Kiev, o Ocidente se retratou como apoiador do nazismo, do terrorismo e do genocídio. A destruição dos gasodutos Nord Stream pelos EUA com a ajuda da Noruega e talvez de outros países ocidentais solidificou sua reputação como terrorista internacional – sem nenhuma boa razão, devo acrescentar, uma vez que o gasoduto já estava mais do que pago por si mesmo com o aumento do gás preços no que diz respeito à Rússia e não estava sendo usado em nenhum caso.
    • Internamente, a Operação Militar Especial permitiu à Rússia livrar-se da sua quinta coluna sem ter que recorrer a medidas repressivas em larga escala:  a condenação moral dessas pessoas pela maioria da população russa foi o suficiente. Algumas pessoas, assustadas com a possibilidade de uma guerra mundial estourar, fugiram da Rússia para os países vizinhos; a maioria delas já voltou. O apoio público à Operação Militar Especial e ao governo russo gira em torno de 80%, tendo recentemente estabelecido novos recordes. Ao longo das décadas desde o colapso da URSS, o Ocidente conseguiu fazer muitas incursões na sociedade russa; a maior parte dessa influência está agora muito diminuída ou totalmente eliminada. Por outro lado, uma reação a todas as coisas ocidentais está se desenvolvendo constantemente à medida que o povo russo percebe quão prejudicial essa influência tem sido. Por exemplo, o sistema educacional está voltando à sua antiga excelência de renome mundial, eliminando padrões e métodos impostos pelo Ocidente, e agora mais uma vez produzirá cientistas, engenheiros e outros profissionais de alto nível, em vez de “consumidores educados” e alguns poucos especialistas capazes de seguir instruções (o verdadeiro objetivo declarado do modelo ocidental). Juntamente com a China, a Rússia expulsou auditores ocidentais, consultores, agências de classificação e suas redes de espionagem associadas, tornando as economias desses dois países muito grandes e sistemicamente importantes opacas aos olhos curiosos ocidentais.
  • Talvez o mais importante, usando a Operação Militar Especial, a Rússia foi capaz de criar um Buraco Negro que agora está sugando com mais eficiência milhares de milhões de dólares, sistemas de armas, pessoal inimigo, reputações políticas ocidentais e muito mais, custando à Rússia uma quantia relativamente pequena. A vantagem absolutamente enorme da Rússia em armas, especialmente em artilharia e sistemas de foguetes, permite que as tropas russas reduzam as tropas ucranianas a partir de posições relativamente seguras e, em seguida, avancem muito lenta e cuidadosamente para tomar encruzilhadas e posições estratégicas, trabalhando gradualmente para frustrar completamente o esforço de guerra ucraniano. A expectativa média de vida de um soldado ucraniano no front foi estimada em apenas quatro horas, e os ucranianos estão se esforçando para recrutar qualquer um que possam encontrar, incluindo inválidos, criminosos e loucos, mas isso não está ajudando em nada. Se o regime de Kiev abrisse as fronteiras para os homens, todos eles iriam direto para a fronteira, já que, a essa altura, poucos deles são burros o suficiente para quererem ir para o front e morrer. O clã Biden e os países ocidentais que ele mantém cativos agora enfrentam uma escolha verdadeiramente miserável:   continuar alimentando o Buraco Negro, sem nada para mostrar, e enfrentar a indignação em casa, ou parar de alimentá-lo e assistir ao colapso do regime de Kiev, com seu presidente fugindo para a sua mansão em Miami, deixando a Rússia para vasculhar à sua vontade os restos daquela terra devastada e triste. Mas a Rússia não tem pressa. A situação, tal como está agora, é estável e bastante satisfatória, com sua trituração militar de milhares de recrutas ucranianos, mercenários estrangeiros e seus sistemas de armas doados pelo Ocidente, sofrendo baixas mínimas. A Rússia poderia assumir mais algumas regiões – Nikolaev e Odessa – e então o que restasse da Ucrânia seria sem litoral. Isso certamente aumentaria o buraco negro e o tornaria ainda mais faminto, mas por que se apressar? Afinal, assim que o Ocidente parar de alimentá-lo, ele desaparecerá e a Rússia adicionará essas duas regiões, além de algumas outras regiões historicamente russas, sem ter que sacrificar nenhum dos seus homens.

O maior perigo em tudo isso é que o clã Biden, com danos cerebrais como está, não conseguirá ver que sua guerra por procuração contra a Rússia já foi perdida e continuará a dobrar [a aposta] estupidamente, permitindo que o buraco negro se expanda até envolver todo o Ocidente. Muito provavelmente, americanos e europeus mentalmente controlados continuariam a se arrastar mansamente como cordeiros para o abate até que todo o Ocidente fosse devastado política e economicamente. Mas coisas ainda piores aconteceriam com eles se, a qualquer momento, alguns decidissem ir diretamente à guerra contra a Rússia:   sua existência física continuada além desse ponto se tornaria bastante improvável. Isso deixaria muitos russos tristes, mas deve-se ter em mente que, embora 30 anos atrás muitos russos amassem absolutamente o Ocidente e estivessem dispostos a seguir o exemplo ocidental na maioria das coisas, os eventos da última década fizeram progressivamente com que esse amor se transformasse em ódio. E não há emoção mais firme do que o amor que se transformou em ódio.

[*] Escritor, russo.

Fonte: Resistir

 

Related Posts
Se o capitalismo é “natural”, porque foi utilizada tanta força para o construir?
fotos

Se o capitalismo é um resultado natural da natureza humana, porque violência sistemática e leis draconianas foram necessárias

Ditadura democrática
fotos

Era uma vez uma democracia - inicialmente aproximadamente clássica, em que as decisões eram tomadas por maioria

Sobre a instabilidade da crise e a psicologia da dissuasão nuclear
fotos

Na era nuclear, a principal ameaça é a transição do confronto para uma guerra total

Por que o México não é os EUA
fotos

Leio hoje, de um cidadão declarado agente estrangeiro, reflexões inesperadas sobre a Revolução Mexicana, que pôs fim ao longo reinado [...]

A degradação como estratégia do Ocidente na guerra mental
fotos

A conquista de vantagens geopolíticas e econômicas por qualquer potência lhe dá a oportunidade de construir uma ordem mundial de [...]

Por que o globalismo falhou
degradação

A tecnocracia, o alarmismo climático e as políticas de identidade semearam as sementes do declínio ocidental. Em termos de poder [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!