O Herói Secreto da União Soviética

Aconteceu no início de novembro de 1973. Quatro estudantes de escolas técnicas de automóveis que sonhavam com uma bela vida nos Estados Unidos, armados com rifles de caça e facas, tentaram sequestrar um avião de passageiros Yak-40. Mas, o sequestro foi impedido. E o responsável foi o policial comum Alexander Ivanovich Popryadukhin que tornou-se o Herói da União Soviética.

fotos
Alexander Ivanovich Popryadukhin

É um pecado não lembrar que três anos antes o mundo ficou chocado com os acontecimentos a bordo do AN-24 soviético, que o lituano Pranas Brazinskas e seu filho menor Algirdas tentaram roubar. Pranas havia sido condenado duas vezes pelas autoridades soviéticas em 1955 e 1965 por crimes financeiros relacionados a lojas estatais onde trabalhava. Foi o primeiro sequestro bem-sucedido de um avião de passageiros na história soviética! Armados com uma pistola, fuzil e uma granada de mão, mataram a comissária de bordo Nadezhda Kurchenko, de 19 anos que tentou bloquear a entrada da cabine de comando, gritando que os dois estavam armados pouco antes de os sequestradores atirarem nela duas vezes a queima-roupa, matando-a, também feriram dois tripulantes e um dos 46 passageiros do avião. Mas mesmo assim o avião foi sequestrado, indo parar na Turquia…

fotos
A comissária de bordo Nadezhda Kurchenko “Nádia”

Foi então, na década de 1970, que métodos avançados de controle começaram a ser aplicados nos aeroportos soviéticos. Muitos eventos foram relacionados com esse caso selvagem. O nome da ousada jovem aeromoça “Nádia”, que planejava se casar alguns meses depois da tragédia, foram batizadas ruas em várias cidades da URSS, e também muitas escolas e organizações. A poeta Olga Fokina, escreveu um poema chamado “As pessoas gostam de músicas diferentes” sobre a comissária de bordo falecida.

Sobre a tragédia que aconteceu há quatro décadas, a imprensa soviética não informou nada, a informação não foi divulgada por motivo de segurança. E, a propósito, a operação para libertar a aeronave por um simples policial em novembro de 1973, entrou em quase todos os livros-texto antiterror do mundo. Apenas o nome do autor da façanha, naturalmente, não foi revelado. Foi somente no início dos anos 2000 que o heroico policial Aleksandr Popryadukhin foi filmado em um canal de televisão.

Por que a imprensa soviética ficou calada sobre o sangrento incidente no aeroporto de Vnukovo? Parece que em primeiro lugar por motivos políticos. O fato é que no outono de 1973, em Moscou, estava planejado realizar um Congresso Mundial das Forças de Paz, que deveria ter a participação de uma delegação representativa do Partido Comunista da Bulgária, chefiada por seu primeiro Secretário Todor Zhivkov.

O Ministério de Assuntos Internos desenvolveu o plano “Trovão”, que descrevia as ações dos policiais em caso de confisco de uma embaixada estrangeira, prédio do governo ou avião civil. Um grupo de resgate operacional foi formado, incluindo policiais experientes e bem treinados. O tenente Aleksandr Popryadukhin, por essa época o mestre dos esportes da URSS em sambo e onze vezes campeão do Ministério de Assuntos Internos, também foi incluído em seu número.

O plano “Trovão” em princípio, era ainda bastante grosseiro e não era coordenado com a onipotente KGB, onde àquela época já havia forças especiais treinadas para lidar, entre outros, com terroristas aéreos. No entanto, desde o final de outubro de 1973, foram os oficiais do grupo de resgate das milícias que levaram o serviço ao prédio do departamento de polícia de Moscou em Petrovka. E em 2 de novembro de 1973, foi esse grupo, não as forças especiais, que foi acionado. Já a caminho do aeroporto “Vnukovo” informaram-se que um grupo de terroristas tinha sequestrado um avião de passageiros “Yak-40”.

De acordo com fontes históricas, que apareceram, a propósito, apenas na última década, o mais velho dos criminosos, o líder da gangue, anteriormente condenado, tinha 20 anos quando a aeronave foi sequestrada e o mais novo tinha apenas 16 anos. Dois outros ladrões não completaram 18 anos.

O grupo de jovens compraram ingressos para o avião que voou pela manhã do aeroporto Vnukovo de Moscou para Bryansk. Armados com uma espingarda de cano serrado, dois rifles de caça e facas, eles embarcaram livremente na aeronave. E isto é depois das medidas sem precedentes tomadas na URSS depois do sequestro do avião de Brazinskas! Pouco depois da decolagem, o líder da gangue tentou entrar na cabine do piloto, disparando uma espingarda contra uma porta fechada.

O mecânico de voo ao escutar o barulho e tentou desarmar o gângster, mas foi seriamente ferido por um tiro no estômago. Outro passageiro, que estava tentando ajudar o mecânico de voo, foi esfaqueado. Ameaçando atirar nos passageiros, os bandidos, através do comandante da aeronave, exigiram dois milhões e meio de dólares americanos (a quantia depois aumentou para cinco milhões), reabastecimento em Bryansk e liberação da partida da aeronave para um dos países escandinavos.

Mas o comandante da aeronave recebeu instruções para retornar a Moscou. Percebendo que a quantidade exigida era improvável de ser recolhida em Bryansk (bem, onde havia tantos dólares!). Os criminosos foram forçados a concordar. Em Moscou, havia uma névoa espessa e todos os aeroportos estavam fechados. Mas, entretanto, os pilotos do avião capturado conseguiram pousar o Yak-40 em segurança em Vnukovo.

Enquanto o grupo de resgate se preparava para um ataque, a liderança do Ministério da Administração Interna iniciou negociações com os sequestradores e os terroristas libertaram os mecânicos e passageiros feridos em troca de reabastecimento. Sob esse pretexto, o caminhão tanque bloqueou a pista. Enquanto isso, o grupo de resgate, tendo feito uma manobra indireta de meia hora, secretamente se aproximou da cauda do avião e assumiu as posições iniciais sob a fuselagem e as asas do Yak-40.

Isso serviu de sinal para outro policial, que disfarçado de funcionário da Aeroflot, do prédio do aeroporto dirigia-se para o avião com uma mala com dinheiro falso para ser entregue aos sequestradores. Segundo o plano, o ataque deveria começar no momento da transferência de dinheiro para os terroristas. Todos entendiam claramente que o policial Alexander Popryadukhin, que desempenhava o papel de mensageiro, estava na linha de fogo, e provavelmente estava condenado.

Mas algo atraiu a atenção dos terroristas antes do tempo: ou eles ouviram algum barulho lá fora ou notaram o mensageiro com dinheiro. A portinhola de serviço da aeronave abriu-se ligeiramente e surgiu um bandido com uma espingarda. O “mensageiro” Alexander Popryaduhin tomou uma decisão que veio à mente instantaneamente. Saltando de debaixo do avião, ele chamou para si mesmo o fogo dos terroristas. Várias balas atingiram exatamente no peito, mas a armadura salva a vida do policial.

O grupo de resgate abriu fogo, como resultado do qual um dos sequestradores foi gravemente ferido e mais tarde morreu no hospital. Policiais conseguiram abrir a escotilha com um gancho. Na terceira tentativa, o grupo de resgate conseguiu jogar uma bomba de gás lacrimogêneo na cabine. O líder da gangue atirou em si mesmo, seus cúmplices se renderam. O ataque, conforme escrito nos livros didáticos de antiterror, durou quatro minutos e 11 segundos.

O destino dos terroristas sobreviventes, aliás, não foi invejável. Um foi estrangulado em um hospital psiquiátrico, outro morreu em uma colônia sob circunstâncias inexplicáveis, o terceiro não chegou ao julgamento – companheiros de cela o esfaqueou ainda durante a investigação… Paradoxo, mas os “criminosos soviéticos”, se assim posso dizer, foram mais patriotas do que cruel.

Honestamente servindo como Tenente Alexander Ivanovich Popryadukhin, por decreto do Presidium do Soviete Supremo da URSS de 19 de dezembro de 1973, ele foi premiado com o título de Herói da União Soviética com o prêmio da Ordem de Lênin e a medalha de Estrela Dourada. Sobre o novo herói no país – a imprensa escreveu sobre isso depois de tudo: “Komsomolskaya Pravda” deu uma nota que o policial Popryadukhin se distinguiu durante … a apreensão de um criminoso particularmente perigoso no Parque Central de Gorki. Em ambos!

Se sobre a aeromoça, a realmente heroica Nadia Kurchenko que morreu nas mãos de terroristas aéreos quase imediatamente começaram a compor canções, então sobre Alexander Popryadukhin, que salvou os passageiros do Yak-40, pouco se escreve até agora. Sua biografia, mesmo no site dedicado aos heróis da União Soviética, é muito lacônica. Para preencher esta lacuna. Aqui está a informação sobre ele, que foi compartilhada com o correspondente de nossa publicação pelo serviço de imprensa do Ministério de Assuntos Internos da Rússia (para os quais agradecimentos especiais aos funcionários deste serviço!).

Alexander Ivanovich Popryadukhin nasceu em 1 de novembro de 1938 na vila de Sivsk, no distrito de Navlinsky, na região de Oryol (atualmente o território do Conselho da Aldeia Alyoshensky do distrito de Navlinsky, região de Bryansk, Rússia) em uma família de camponeses russos. Ele se formou na Escola Primária Sivsk, depois em uma escola de sete anos na aldeia de Glubokiye Luzhi. Ele completou sua educação de dez anos na Escola Secundária Navlinskaya. A partir de 1955, trabalhou como mecânico na fazenda coletiva, depois foi para Nizhny Tagil, onde trabalhou em obras na cidade. Em 1957-1960, ele serviu no serviço militar nas tropas de fronteira da KGB da URSS na fronteira soviético-turca no destacamento da fronteira 125 (Artashat, SSR armênia). Após a desmobilização, ele partiu para Moscou. Em fevereiro de 1961, ele foi contratado pelos órgãos internos.

A carreira na polícia, Alexander Popryadukhin começou um policial do serviço de patrulha e inspeção na 4ª delegacia de polícia em Moscou. Depois serviu como policial distrital e inspetor da Inspetoria Estatal de Automóveis nos 19º e 36º departamentos de controle de tráfego da Direção Principal de Assuntos Internos da cidade de Moscou. Desde 1972, ele serviu como um delegado de polícia sênior do serviço de inspeção 127. E foi nessa posição que ele realizou seu feito, descrito acima!

Em 1975, Alexander Popryadukhin se formou na Ordem Central do Estado do Instituto Lênin de Cultura Física, e em 1980 – na Academia do Ministério da Administração Interna da URSS. Ele trabalhou como inspetor do Departamento de Pessoal do Departamento Principal de Assuntos Internos de Moscou, como professor, vice-chefe e chefe do departamento de combate e treinamento físico da Academia do Ministério de Assuntos Internos da URSS. Em 1992, o coronel da polícia Popryadukhin foi aposentado.

Algumas publicações na Internet indicam que nos “atribulados” anos 90, Alexander Ivanovich trabalhou na proteção pessoal de um empresário de Moscou. Ele preferia esquecer esse período de sua vida, em uma de suas entrevistas dizendo: “Quando fui demitido, esqueci que era um herói. Eu tinha pouco pertences, tive que começar tudo do zero … “

Após a aposentadoria, ele foi membro do Conselho de Administração da Federação Russa de Sambo. Em 21 de janeiro de 2013, Alexander Ivanovich Popryadukhin morreu e foi enterrado no cemitério Troekurovsky de Moscou. Provavelmente, a biografia completa do herói “secreto” ainda está esperando por seu autor …

Texto traduzido e adaptado do Pravda.ru

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!