O Liberalismo ocidental ameaça o próprio Ocidente

Leonid Vladimirovich, o que, na sua opinião, está acontecendo na Geórgia? O que está por trás da provocação na história do deputado russo Gavrilov? E que forças dentro de Tbilisi estão tentando provocar conflitos com os países vizinhos?

– O evento, que contou com a participação do deputado da Duma,  Sergei Gavrilov , foi usado como pretexto para a provocação para catalisar os protestos subsequentes. Tudo era conhecido e dirigido com antecedência. Se um americano ou um alemão estivessem sentados na cadeira do orador do parlamento georgiano em um evento internacional, isso dificilmente causaria tal onda de protestos. Atenção deve ser dada ao fato da tentativa de realizar uma parada gay em Tbilisi, que foi prejudicada por conservadores locais. Eles também são demonizados como no exterior. E, é claro,  não nos esquecemos da visita de um oficial de alta patente de Washington , que acabara de chegar para ensinar os georgianos a “expulsar os russos do país”.

No contexto do fato de que a república vive em uma situação polarizada pelo conflito desde o colapso da URSS (“ontem” com Gamsakhurdia e sua política dura, então com o velho Shevardnadze com suas tentativas de sentar em duas cadeiras, então com a chegada de Saakashvili através da “revolução colorida”) na Geórgia Na véspera das eleições, qualquer situação adequada será sempre usada por forças externas. Dentro do conflito há uma pequena parte dos radicais, liberais do sistema e agitadores profissionais, que estão prontos para ganhar dinheiro extra em tais ações.

Há três anos, houve relatos da transferência de militantes da organização terrorista ISIS proibida na Rússia para a Ásia Central. Agora essa “realidade” é lembrada a todo momento. Você acha que a presença de takfiris no Afeganistão acabou por implementar algum tipo de cenário? Ou é a desmontagem local de clãs que procuram usar a marca “ISIS” em seus próprios interesses?

– Anteriormente, havia dados sobre o crescimento do radicalismo no Uzbequistão, Turcomenistão, Tajiquistão e até no Cazaquistão. Alguns comandantes de campo e combatentes foram eliminados, outros foram reorganizados e colocados no fundo. O Afeganistão é atraente para esses grupos e seus patrocinadores por uma série de razões – é um estado falido onde não há poder centralizado. Existem grandes campos de ópio que geram rendas multimilionárias. O produto pode ser usado para o desenvolvimento de “jihad” ou enriquecimento pessoal, como representantes da organização proibida de ISIS na Síria e no Iraque com o petróleo e até mesmo tributar a população local com impostos especiais.

É conveniente ir do Afeganistão para os países vizinhos – Irã, Paquistão, Tajiquistão, etc. como Bin Laden fez. Claro, se o Taleban permitir. Mas afinal, nem todos os territórios no Afeganistão são controlados pelos talibãs. Sim, e inclusive pronto para guerrear com qualquer um. Você também precisa lembrar que a marca ISIS – é uma espécie de franquia. É usado por vários grupos, como foi nos países africanos e do leste asiático.

Mas ainda muito mais interessantes são os manipuladores que estão por trás dos terroristas. E do ponto de vista geopolítico, essa migração de extremistas é benéfica para os Estados Unidos, que vão retirar suas tropas do Afeganistão.

Bem, no contexto histórico global sempre houve zonas de conflito onde o fluxo de recursos foi por uma variedade de razões. Durante a Guerra Civil Espanhola, brigadas internacionais foram criadas por motivos ideológicos, e a Alemanha enviou seus equipamentos e tropas para testar novos tipos de armas. A situação era semelhante na Finlândia. E na era da Guerra Fria, as duas superpotências mantinham seus representantes e observavam atentamente de onde poderiam participar indiretamente, se surgisse a oportunidade.

Na sua opinião, em que estágio estão as relações russas com a China? Às vezes, há a sensação de que um avanço na cooperação com Pequim é uma iniciativa pessoal de Putin, mas o que acontecerá quando o líder atual se aposentar?

– Se tudo se desenvolver na tendência atual, seremos um importante parceiro da China, ainda sendo consumidor de seus produtos e tecnologias. A cooperação com a Rússia, ao contrário, embora seja interessante para a China, eles tomam o que querem e já estão olhando para nós. Um avanço na cooperação seria, se, como um especialista militar americano apontou explicitamente, Putin seria o oposto de Nixon. Mas essa possibilidade ainda não foi concretizada.

Os chineses pensam sistematicamente. Ao mesmo tempo, eles têm uma visão de mundo especial e abordagem para fazer negócios. Eles não têm o conceito de “relações internacionais” como tal, porque historicamente havia o Império Celestial (imperador) e os vassalos ao redor que pagavam tributos. Eles ainda têm essa mentalidade, embora seja velada pelo maoísmo. Pelo tributo, ou pelo menos pelo reconhecimento de sua superioridade, eles estão prontos para dar todo tipo de preferências, o que é muito melhor em comparação com o colonialismo ocidental. Mas ainda assim não é um relacionamento igual.

Portanto, é necessário colocar certas barreiras no caminho da expansão chinesa, enquanto as empurra para uma estratégia anti-americana mais óbvia.

Um ano atrás, o Pentágono anunciou que, no caso de um conflito com as potências mundiais, confiaria nas chamadas ogivas de “baixa potência” e proporcionaria “ataques nucleares limitados”. Como você explica essas ameaças aos Estados?

– O conceito de guerra relâmpago global existe há relativamente muito tempo. E essa afirmação foi feita contra a lentidão da atual reorganização do Pentágono e, especificamente, da aviação estratégica dos EUA. Este é um passo racional, uma vez que o arsenal existente de ogivas e seus mísseis dos Estados Unidos está significativamente desatualizado. Como Trump patrocina os militares e os principais empreiteiros do complexo industrial militar, essa é uma boa oportunidade para que eles dominem o orçamento para os próximos anos.

Você concorda com a já famosa frase de Putin de que “o liberalismo se exauriu”? Como você vê o desenvolvimento alternativo da humanidade na era “pós-liberal”?

– É necessário esclarecer esta frase. Liberalismo no sentido de John Stuart Mill ou do Partido Democrata dos EUA? Afinal, o termo “liberalismo” pode ser entendido de diferentes maneiras – política, econômica e ideologicamente … Se observarmos a posição de hoje, é claro, a forma de liberalismo que o Ocidente pratica já começou a ameaçar o próprio Ocidente. E muitos lá perfeitamente entendem isso. Pessoalmente, vejo vários cenários: 1) a continuação da luta por um tempo indefinidamente longo, porque os principais recursos agora pertencem a grupos transnacionais e banqueiros, e não aos estados nacionais; 2) o renascimento das religiões e sua politização, que certamente pode ser atribuída ao neoconservadorismo; 3) fragmentação global, quando “ilhas” coexistem com diferentes sistemas políticos.

Leonid Vladmirovich Savin – Chefe de redação do centro analítico “Geopolitika.Ru”, diretor geral da Fundação de Monitoramento e Previsão do Desenvolvimento de Espaços Culturais-Territoriais, Chefe de Administração do “Movimento Eurasiano” Internacional. Autor dos livros ” Rumo à geopolítica “, ” Rede centrada na rede e guerra. Introdução ao conceito “, ” Do xerife ao terrorista. Ensaios sobre geopolítica dos EUA “, “Etnopsicologia”, ” Métodos centrados na rede na administração pública “, ” Novas formas de guerra. Como a América constrói um império , treinando a guerra .

Fonte: Artigo traduzido por OPP do Geopolitika.ru

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 2 =