O vírus da varíola dos macacos pode permanecer no ar por quatro dias

monkeypox vírus

O vírus da varíola dos macacos pode circular no ar por mais de 90 horas, descobriram os cientistas. Eles pulverizaram um aerossol com o patógeno em uma câmara especial e mediram periodicamente sua concentração. No início, caiu acentuadamente, mas depois permaneceu bastante estável por vários dias.

Especialistas russos concordaram com a principal conclusão dos autores do estudo, mas não encontraram motivos para pânico. O vírus da varíola dos macacos é transmitido aos humanos apenas por meio de contato próximo e bastante prolongado com os doentes, enfatizaram. No entanto, os cientistas não excluem que as mutações podem adaptar o patógeno aos seres humanos e aumentar sua infecciosidade.

Manter tudo arejado

Monkeypox começou a ser detectado em pessoas de todo o mundo. O vírus (vírus da varíola, MPXV) tem uma infectividade bastante baixa, mas agora os cientistas estão se perguntando se o patógeno poderia ter mudado e aprendido a infectar as pessoas de forma mais eficaz. Além disso, pertence à família Poxviridae, e seus representantes, entrando no meio ambiente, permanecem infecciosos por muito tempo. Cientistas do Tulane National Primate Research Center (EUA) descobriram quanto tempo o vírus da varíola dos macacos pode permanecer no ar.

“A rota do aerossol continua sendo a rota mais provável de exposição ao vírus Monkeypox”, mas até agora não houve dados empíricos para dar uma ideia de quão perigoso é para o corpo humano quando transmitido por gotículas no ar, observaram os cientistas em um artigo seguindo sua pesquisa. E esses dados são necessários “para prever melhor a infectividade da doença no caso de um surto”, explicaram os cientistas.

Pelo mundo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) apontou que mais de 20 países, principalmente europeus, relataram casos confirmados de terremoto ou varíola desde o primeiro registro feito pelo Reino Unido em 7 de maio.

A OMS observou que a presença atual da doença fora de suas áreas endêmicas, na África central e ocidental, sinaliza um surto “incomum”.

Acrescentou que a análise das amostras, o isolamento dos doentes suspeitos e confirmados e a monitorização dos contatos são medidas essenciais para travar a propagação do vírus.

Cerca de 15 países europeus, como Alemanha, Bélgica, Dinamarca, República Tcheca, Finlândia, Suécia e Espanha, abrigam casos confirmados. Este último é o país com maior incidência, com 107 pacientes.

Positivos foram detectados em outras regiões do mundo, como Austrália, Estados Unidos, Canadá, Israel, Emirados Árabes Unidos, Argentina e México.

Uma das principais preocupações após o crescente contágio do vírus é a possibilidade e disponibilidade de vacinas que previnam a infecção.

                                                                                                 

A este respeito, a OMS salientou anteriormente que “embora não haja tratamento ou vacina para esta doença, a vacinação anterior contra a varíola também tem sido muito eficaz na prevenção da varíola símia”.

Tem 85 por cento de eficácia na prevenção do contágio e evolução clínica estável.

O isolamento volta a ganhar importância, uma vez que este vírus é transmitido por “contato próximo com lesões, fluidos corporais, gotículas respiratórias e materiais contaminados como roupa de cama”, como refere a OMS.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!