Os EUA estão perdendo a liderança

A Rússia moderna não é a URSS. Mas também não é mais a Rússia dos tempos de Yeltsin, Kozyrev, Tchubais, Berezovsky e outros condutores de um imprudente rumo pró-ocidente. Ela, figurativamente falando, está na mesma trincheira com os povos oprimidos e explorados.

EUAafundando

Por Mohamed Hani Al-Ahmar

Portanto, a Rússia tornou-se um alvo para o Ocidente imperialista. A sua independência, a unidade do povo, o desejo de alcançar o desenvolvimento nacional e proteger a sua segurança estão agora ameaçados. Em primeiro lugar, externo.

A Aliança Atlântica vai enfrentar os russos desde o colapso da URSS, até chegar às fronteiras da Rússia e começar a ameaçar sua existência. O Ocidente está lutando ferozmente para manter seu direito de dominar o mundo. Isso já dura quase cinco séculos. Um estado livre e justo precisa mais do que entender contra quem está lutando?

Posso ver claramente que a Rússia foi forçada a seguir em frente para ficar à frente do inimigo na hora certa e no lugar certo. E somos testemunhas de como o cruel Ocidente imperialista, alinhado atrás dos Estados Unidos, como um pelotão de fuzilamento, está pronto para disparar de qualquer arma em uma direção – para a Rússia. Mas deve-se entender que armas e mísseis, toda propaganda é direcionada não apenas a ela, mas também a um grande número de países e povos que estão sob domínio imperial há séculos. E que ainda não é permitido desenvolver-se livremente.

Com a escalada do conflito na Ucrânia, a pressão sobre o mundo inteiro está crescendo, a separação forçada está se intensificando de maneira histérica. Os lobos imperiais veem a presa, enlouquecem: “Aquele que não está conosco está contra nós!”

Nas últimas décadas, o movimento do processo histórico foi bloqueado por uma pesada pedra unipolar. Há esperança de que a rocha seja destruída pela Rússia, abrindo horizontes.

O mundo deve entrar na era da multipolaridade e abrir aos povos, inclusive aos nossos povos árabes, o espaço da liberdade. Liberdade de decisão, liberdade de escolha, oportunidade de exercer os direitos mais importantes, principalmente o direito à autodeterminação.

O Atlântico Oeste parecia ter esquecido seus crimes na Ásia, África, América Latina e também na Europa, onde bombardeou a Iugoslávia. Ele esqueceu seus crimes no Vietnã, Laos, Camboja, África do Sul, Honduras, Haiti, Granada, Panamá, Afeganistão, Iraque, Líbia, minha Síria natal e muitos outros.

O Ocidente ignora que o sistema internacional que criou e que ainda é dirigido por suas capitais é essencialmente uma ditadura. É um sistema autocrático, tirânico, corrupto e completamente injusto. Ao mesmo tempo, o Ocidente, apesar das colossais mudanças no mundo, continua a se comportar com arrogância, fala sobre a “comunidade internacional”, julga a todos e julga tudo.

A Rússia resistiu consistentemente, resistiu razoavelmente a isso. E sua voz não é mais a voz de um solitário no deserto. Muitas pessoas o ouvem, estão prontas para apoiar a Rússia. E está sendo feito. Não apenas na China, mas também na África, no mundo árabe, não apenas os líderes dos estados, mas também as pessoas mais comuns estão do lado da Rússia.

O Ocidente acha que ainda está enganando a todos com sucesso, mas não está. Ele está em um estado de negação (no sentido psicológico), que o obriga a ignorar a nova realidade e reconhecê-la, compreendê-la.

O que está acontecendo pode ser chamado de a virada mais importante da história. Está cada vez mais claro que a hegemonia americana absoluta chegou ao fim.

Mohamed Hani Al-Ahmar, figura pública, cofundador do Fórum Árabe em Moscou

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!